Especial bancos digitais: smartphones matam o internet banking antes da maturidade - WHOW
Vendas

Especial bancos digitais: smartphones matam o internet banking antes da maturidade

Os smartphones representam a evolução no sistema bancário, aposentando até mesmo o internet banking, que nem chegou a tracionar como se esperava

POR Raphael Coraccini | 09/12/2019 16h41 Especial bancos digitais: smartphones matam o internet banking antes da maturidade

Um estudo da Deloitte para a Febraban, divulgado neste ano, apontou que 2018 foi o ano da virada do smartphone sobre o computador de mesa nos serviços bancários. O pagamento de contas via mobile banking fechou 2017 com o número de 872 milhões de operações e saltou, ao fim de 2018, para 1,6 bilhão, um crescimento de 80%, superando as operações via internet banking, que não cresceram em 2018, mantendo o número de 1,5 bilhão de operações, o mesmo de 2017. Nesta quinta parte da série sobre bancos digitais, o Whow! mostra como os smatphones dominam o setor.

As transferências pelo celular também tiveram um crescimento muito superior no mobile em comparação com o internet banking tradicional, saltando de 394 milhões de operações em 2017 para 862 milhões de operações em 2018, crescimento de 119%. As operações desse tipo via internet banking cresceram 10% no ano passado, passando de 485 milhões de operações para 534 milhões. As contas que podem ser acessadas pelo smartphone saltaram de 57 milhões para 70 milhões em 2018.

smartphones Foto (Shutterstock)

Largada no digital

Estudo deste ano encomendado pelo PayPal e realizado pelo IDC mostra que 56% dos que usam serviços bancários o fazem diretamente de bancos e startups que não têm localizações físicas. Entre esses, que já não usam nenhum serviço de agência, 24,3% usam exclusivamente o smartphone.

Infraestrutura

Segundo Rubens Fogli, diretor de Pagamentos Digitais do Itaú Unibanco, um dos temores relacionados ao crescimento dos produtos bancários digitais no Brasil já foi dissipado: problemas de infraestrutura de rede.

“A gente está longe de ter um problema com as nossas conexões 3G e 4G, ou seja, nossos aplicativos cobrem tranquilamente a necessidade do consumidor. Há problemas pontuais de conexão, mas nada que possa ser relacionado a uma estrutura de baixa qualidade”, aponta o executivo em evento do PayPal.

O diretor da área de Pesquisa e Inovação do Bradesco, Antranik Haroutiounian, concorda que o acesso à internet é suficiente para a utilização de serviços bancários via smartphones. “De maneira geral, o consumidor passou a utilizar com mais frequência os canais digitais de interação com seus provedores de serviço, exigindo respostas mais ágeis e experiências sem fricção”, completa ao Whow!.

Não está familiarizado com os serviços: 64%

Não confia em uma empresa sem pontos físicos: 25%

Preocupa-se com o atendimento no pós-venda: 22%

Preocupa-se com a segurança da informação: 22%

Acredita que os serviços de bancos tradicionais são melhores: 13%

Fonte: McKinsey 2019 Future of Banking Consumer Survey

Transferências: 42%

Transferência entre bancos: 31%

Pagar contas: 36%

Pagar fatura do cartão de crédito: 32%

Pagar boletos: 49%

Fonte: McKinsey 2019 Future of Banking Consumer Survey

smartphones Foto (Shutterstock)

Eficiência no digital

A pesquisa do IDC com o PayPal mostra que dois terços das pessoas que ainda não têm conta em banco na América Latina usam telefones celulares. Boa parte dos novos bancarizados que integrarão o sistema virá pelo celular, de acordo com o estudo.

Isso mostra que a maior parte da receita que está na mesa para ser disputada entre bancos e fintechs no futuro será conquistada por quem conseguir ganhar essa disputa de bites dentro dos smartphones.

Para tanto, não basta ter aplicativos eficientes, tem que ocupar pouca memória dentro dos aparelhos. Já que boa parte dos entrantes é de baixa renda e não possui smartphones potentes.

“E mais da metade da amostra usa smartphones para abrir contas bancárias ou adquirir produtos ou serviços financeiros que servem como base da pirâmide para oferta de outros serviços financeiros aos clientes”

Jay Gumbiner, vice-presidente de Pesquisas do IDC para a América Latina, em evento do PayPal


banner bancos 2000x300 Arte: Grupo Padrão


+ BANCOS DIGITAIS

Mediação do Banco Central na batalha entre bancos e fintechs
A história do Guiabolso, fintech pioneira no Open

Pagamentos inteligentes: mito ou realidade?
Por que startups continuam recebendo aportes, mesmo no vermelho?