Os erros mais comuns de quem funda uma startup - WHOW
Eficiência

Os erros mais comuns de quem funda uma startup

Administrar um negócio é difícil, mas construí-lo do zero é ainda mais desafiador. Listamos as principais falhas cometidas pelos empreendedores

POR Luiza Bravo | 18/02/2020 14h00 Os erros mais comuns de quem funda uma startup Foto Chuttersnap (Unsplash)

Começar um negócio nem sempre é fácil. Com tantas coisas para pensar e decisões a serem tomadas, os empreendedores podem se sentir pressionados e fazer escolhas erradas, prejudicando ou atrasando o crescimento de sua startup. Embora não exista um plano infalível para alcançar o sucesso, vários erros comuns – e perigosos – podem ser evitados.

Ignorar a fase de planejamento

Planejar pode ser entediante, mas é fundamental. Sem um plano sólido para os seus negócios que inclua pesquisa de ideias e potencial de mercado, a empresa opera no escuro. Os planos mais importantes a serem considerados incluem as seguintes esferas: negócios, finanças e marketing.

Não saber quem é seu cliente

Uma parte vital de qualquer business plan para startup é entender quem é seu cliente ideal. Não adianta ter um orçamento robusto, se não houver uma estratégia bem definida. É preciso fazer uma pesquisa de mercado para identificar quem se está tentando alcançar e onde esse público pode ser encontrado, do contrário estará fadado ao erro.

Não ouvir o mercado

Na ânsia de lançarem suas soluções, muitos empreendedores se esquecem de ouvir os clientes para saber se aquilo é o que eles realmente desejam. Este é um dos erros mais comuns.

É praticamente impossível desenvolver um bom produto sem a orientação dos usuários. Ao empreender, vale a máxima: “O mercado nunca está errado”.

“Para mim, um erro que o pessoal comete é a falta de beta testing. Ao selecionar um produto para se tornar uma entrega de startup, o empreendedor tem que analisar o nicho de mercado, gastar um tempo com planejamento”, diz Diego Castanho, mentor da ACE e head de planejamento da Just Connect Consultoria, ao Whow!.

erros Foto Neonbrand (Unsplash)

Inchar o produto 

Ao se envolverem com o produto, alguns empreendedores se perdem e começam a inchá-lo com muitos recursos, se esquecendo do problema real que estavam resolvendo. É preciso confiar nele em sua versão mais simples e estar pronto para fazer alterações conforme os clientes solicitam.

Segurar por muito tempo o lançamento de um produto pode abrir espaço para que a concorrência chegue antes e abocanhe o mercado.

Ser inflexível

Os fundadores se baseiam em uma ideia quando começam a construir uma empresa, mas 99% das startups de sucesso acabam não desenvolvendo exatamente aquilo que pensavam. As mudanças devem ser abraçadas: as melhores startups são as que analisam o que seus clientes desejam e continuam mudando o produto até que eles estejam satisfeitos.

Contratar as pessoas erradas

As startups costumam trabalhar com equipes bastante reduzidas, que se esforçam muito por uma causa em comum, especialmente nas etapas iniciais do projeto.

Contratar uma pessoa que não esteja alinhada com a cultura da empresa pode impactar drasticamente seus resultados. Em um time com quatro pessoas, por exemplo, uma única contratação mal feita representa 25% da sua força de trabalho produzindo aquém do necessário.

Gastar demais

Nem sempre é preciso um grande investimento para iniciar um negócio, mas alguns novos empresários acham que precisam gastar muito para crescer. E o pior: direcionam mal esses recursos.

“Às vezes se gasta muito com marketing, com divulgação, mas a base, que é entregar a solução para um problema, é fraca”

Diego Castanho, mentor da ACE e head de Planejamento da Just Connect Consultoria

É possível escalar uma empresa com técnicas viáveis e mais baratas. Por isso, criar e manter um orçamento comercial para reduzir gastos excessivos é sempre uma excelente ideia.

Não delegar

A distribuição eficaz de tarefas pode ser uma das melhores maneiras para os novos empreendedores administrarem seus negócios, pois permite que eles tenham tempo para as atividades que realmente exigem seus conhecimentos. “Olhando para o time de uma startup, que é bastante enxuto, é possível que não exista uma pessoa com a expertise que você precisa. Nesses casos, vale a pena buscar alguém ou terceirizar esse serviço, pelo menos durante o processo de iniciação da empresa”, conclui Diego.


+STARTUPS

Fundadores da Loft e Wildlife Studios veem espaço para crescimento fora do Brasil
Todos os 62 unicórnios que surgiram em 2019
Conheça as startups unicórnios da América Latina
Depois dos unicórnios, os decacórnios. Veja quem são eles