Entretenimento e experiências criativas: tendências do varejo em 2022 - WHOW

Eficiência

Entretenimento e experiências criativas: tendências do varejo em 2022

O varejo experiencial com entretenimento é o futuro do engajamento do consumidor, tanto para marcas nativas digitais quanto no mundo físico

POR Redação Whow! | 15/12/2021 18h26

Por Fabricio Klug, Creative VP & Partner da Score, empresa da B&Partners.co

Fim de ano chegando, e começam a pipocar os mais diversos relatórios de tendências, da música à cor do ano, e de todos os mercados. E o varejo não podia ficar de fora. A venda é uma das atividades mais antigas da nossa sociedade, e lembrando que o que nos torna humanos é nossa característica de socializar, o varejo físico precisa se reinventar para fomentar e fazer parte do círculo sociável do ser humano. Uma prova disso é que até marcas nativas digitais acabam indo procurar seu espaço no ponto de venda físico em algum momento. 

E qual será a maior tendência para o varejo no ano que vem? Dá para cravar um palpite firme: entretenimento.

O varejo experiencial é o futuro do engajamento do consumidor. O mais curioso disso é que na verdade o que vai acontecer é um resgate de como tudo começou. O primeiro conceito de magazine e shopping center aconteceu em 1895 em Paris na Rua La Fayette que teve um edifício inteiro comprado por dois primos, abrigando pequenas lojas de armarinhos e moda. O prédio se tornou um evento, um grande programa das pessoas na época.

No Brasil, pouco tempo depois, não foi diferente. As ruas dos centros urbanos recebiam centenas de pessoas para fazer compras ou ir em confeitarias famosas, a Rua Augusta em São Paulo e a Rua do Carioca e Ouvidor no Rio de Janeiro se tornaram grandes pontos de encontro. Já os shopping centers no Brasil, com o início em 1966, acabaram virando o programa preferido de muitas famílias brasileiras.

Mas esses seres humanos estão sempre em busca de novidade e inovação.  O que muda na vida dos consumidores brasileiros com o acesso massivo à internet? 

  • Mais ofertas de produto;
  • Canais integrados;
  • Jornadas conectadas;
  • Tecnologia, interatividade, inteligência artificial; 
  • Mobile shopping: tudo facilmente ao alcance de todo mundo.

E ao mesmo tempo em que estamos em busca de evolução, também estamos sempre em busca de emoção e conexão social. Essa busca cresceu mais ainda nos últimos dois anos em que praticamente foi nos tirado a socialização. É através das emoções que retemos as experiências na memória, e essa será a maior tendência para 2022, entretenimento que irá gerar emoções, engajamento, mais relacionamento e maior fidelização. 

Será um renascimento da experiência, um estímulo às empresas a irem além e reimaginar todo seu negócio através das lentes das experiências:

  • Imersivas: estímulos sensoriais e atividades para entreter,
  • Funcionais: relacionadas às tarefa, a simplificação, eficiência e praticidade,
  • Ambientais: luz, som, texturas, aromas, vale tudo.Tudo aquilo que ele não consegue experienciar (ainda) no online
  • Emocionais: recepcionar bem, valor percebido, interações e descobertas

O varejo já possui inúmeros materiais, tecnologias e recursos, o que faz a diferença é a intenção da experiência. Que venha 2022.