Originalidade e recorrência: pilares do sucesso no entretenimento digital - WHOW

Consumo

Originalidade e recorrência: pilares do sucesso no entretenimento digital

Ao mesmo tempo em que há cada vez mais usuários consumindo entretenimento digital. surgem também novos criadores de conteúdo competindo pela atenção do público

POR Daniel Patrick Martins | 30/08/2021 17h22

A transição do mercado do entretenimento para os meios digitais trouxe mais mudanças do que apenas o tamanho da tela que se usa para assistir aos conteúdos. O comportamento do consumidor de entretenimento em plataformas virtuais é totalmente diferente do que acontece no consumo por meio da televisão, do rádio e dos palcos físicos. Por consequência, a forma como os produtores de conteúdo de entretenimento devem atuar online também tem que ser diferente. 

É o que destaca uma pesquisa global da PwC, publicada no fim de 2019 (ou seja, antes mesmo da pandemia, que acelerou a transição para os meios digitais em todos os mercados). “O consumidor – ansioso, altamente seletivo e voraz – exige experiências especialmente adaptadas às suas próprias preferências, contextos e horários”, constata o estudo. 

Para se ter uma ideia, nove em cada dez brasileiros aumentaram o tempo gasto no YouTube, principal plataforma para criadores de conteúdo de entretenimento em vídeo, no ano passado. Outro recorde quebrado em 2020 foi o número de canais com mais de um milhão de inscritos no Brasil, que ultrapassou a marca de 1.800. 

“No último ano, o contexto da pandemia acelerou inúmeras frentes do digital. Muitos consumidores aprenderam novos comportamentos como, por exemplo, os relacionados à compra online, ao relacionamento virtual, consumo de conteúdo, entre outros. A curva de transformação acelerou ainda mais e aumentou também a busca por entretenimento no digital”,  opina Tatiana Costa, diretora dos canais Multishow, Bis e OFF, em entrevista a Meio&Mensagem.  “O consumidor nunca esteve tão aberto a esse tipo de oferta – e exigente também. Essa relação intensa aumenta a necessidade de descobrir ou ser impactado por novidades a todo momento. Além do esforço do mercado em conquistar a atenção do consumidor entre tantas ofertas de tantos players e plataformas”. 

Ou seja, ao mesmo tempo em que há mais gente consumindo entretenimento digital, existem também muito mais produtores com conteúdo profissional disputando a atenção do usuário. Neste cenário, há dois conceitos que são chave para ter sucesso neste concorrido mercado: recorrência e originalidade. 

É o que recomendam os Irmãos Piologo, humoristas, animadores e criadores de conteúdo que fazem sucesso desde o início da internet no Brasil, para quem deseja fazer entretenimento digital. “Precisa focar em algo que você entenda e transformar em uma coisa própria, original, que não pareça copiada”, diz Ricardo Piologo em entrevista exclusiva a Whow!. “Pode se inspirar no que você gosta, mas dá uma personalidade. Se não, vai ficar mais do mesmo”. 

Rodrigo e Ricardo Piologo se destacaram com animações online no início dos anos 2000 e hoje têm um canal com mais de 2,5 milhões de inscritos no YouTube. Como chegaram a essa marca? Com trabalho diário de construção de comunidade. “Todos os dias, a gente dedica pelo menos uma hora para fazer uma live e trocar ideia com a galera”, revela Rodrigo. 

Assista à entrevista completa com os Irmãos Piologo no episódio #13 do Whow! Vida Loka Podcast (abaixo):