Entenda o que fazem as agfintechs - WHOW
Eficiência

Entenda o que fazem as agfintechs

Com uma nomenclatura que mistura agtech (agro) e fintechs (finanças), essas startups oferecem soluções financeiras para o agronegócio 

POR Adriana Fonseca | 23/10/2020 13h50

No ecossistema das startups, não faltam agregados para o termo tech. Existem as fintechs (do setor financeiro), healthtechs (saúde), retailtechs (varejo), agtechs (agronegócio), lawtechs (jurídico), foodtechs (alimentação), edtechs (educação), construtechs (construção civil), hrtechs (recursos humanos), insurtechs (seguros) e govtechs (serviços para o governo). De uns tempos para cá, surgiram também as agfintechs, uma nomenclatura que mistura a agricultura com fintech, e que engloba as empresas que oferecem serviços financeiros para o setor.

Elas ainda são poucas no Brasil e não há um mapeamento exclusivo do segmento, mas estas startups atuam em um setor extremamente relevante para o país: o agronegócio.

Em 2019, a soma de bens e serviços do agronegócio chegou a R$ 1,55 trilhão, o que representa 21,4% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Dentre do agro, o segmento mais representativo é o agrícola, que corresponde a 68% desse valor (R$ 1,06 trilhão). Depois, a pecuária corresponde a 32%, ou R$ 494,8 bilhões.

Em 2020, mesmo com o tombo recorde do PIB brasileiro – queda de 9,7% no segundo trimestre frente aos três meses anteriores –, o agronegócio foi a exceção, conseguindo desempenho positivo: crescimento de 0,4%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Whow! traz aqui algumas das agfintechs que atuam no Brasil. Conheça:

Aegro

Fundada em 2015, a Aegro oferece um software de gestão agrícola que permite acompanhamento da safra, gestão financeira e controle de estoque rural, entre outros itens. Em 2019, a startup começou a ofertar seguro para lavoura em sua plataforma e planeja incluir outras soluções financeiras, como crédito e antecipação de recebíveis.

Agrofy

Fundada em 2015, na Argentina, por Maximiliano Landrein e Alejandro Larosa, é um marketplace para o agronegócio que atua na América Latina. Em outubro de 2018, a startup veio para o Brasil, oferecendo em sua plataforma todos os produtos da cadeia produtiva, como sementes, insumos, equipamentos, serviços e até mesmo crédito rural. Recentemente, a startup recebeu um aporte da FoF Capria, que chega cerca de um ano após a rodada anterior, feita no final de 2019, quando a Agrofy recebeu aporte de US$ 23 milhões. 

Agronow

A startup nasceu ofertando um sistema de monitoramento de lavouras e hoje usa os dados e seu modelo proprietário de inteligência artificial para melhorar processos de avaliação de crédito.

DuAgro

Parceria entre a VERT, securitizadora que atua no agronegócio brasileiro, e a XP Investimentos, a DuAgro é uma plataforma que financia o custeio agrícola. O crédito é apresentado ao agricultor pela revenda, no momento do fechamento do pedido. Para a indústria e as revendas, é uma nova modalidade de venda. Para os produtores, uma linha alternativa de crédito. No momento, estão contempladas as culturas de soja, milho, algodão e café. 

TerraMagna

Fundada em 2016 e com sede em São José dos Campos, no interior paulista, a TerraMagna foi criada por três engenheiros. Atualmente, a startup oferece monitoramento de garantias e antecipação de recebíveis para empresas do agronegócio. 


+STARTUPS

Entenda o que é o Marco Legal das Startups
Conheça o ecossistema de inovação do Amazonas
Hub’s: o espaço de inovação aberta e empreendedorismo do Ibmec