Entenda de uma vez por todas o que é inovação aberta - WHOW

Tecnologia

Entenda de uma vez por todas o que é inovação aberta

Inovação aberta: entenda os principais conceitos, tipos e os principais benefícios. Veja também dicas para implementar essa estratégia na sua empresa

POR Redação Whow! | 15/06/2021 16h59

“É impossível ser feliz sozinho”, já dizia Tom Jobim. O conceito de inovação aberta tem muito haver com esse trecho. Continue a leitura e entenda o porquê.

O que é Inovação Aberta?

A inovação aberta ou Open Innovation é um modelo de gerenciamento do processo de inovação. O conceito foi criado em 2003, quando Henry Chesbrough, professor e Diretor de Departamento no Garwood Center para Inovação Corporativa na Universidade de Berkeley, lançou a obra Inovação Aberta: Como criar e lucrar com a tecnologia. O principal objetivo deste modelo é acelerar a inovação nas organizações,  por meio de novas formas da aplicação da tecnologia, com a integração de empresas, ambiente acadêmico, clientes e mercado.

Assim, a Inovação Aberta reúne todos aqueles que podem contribuir, positivamente, para o surgimento de soluções que façam sentido para um problema que sua empresa  deseja resolverAlém disso, o foco também está no não desperdício::tudo que é criado é utilizado. Ou seja, se o produto não atende ao que se busca no momento, é licenciado ou vendido para outras empresas. 

Em resumo, segundo as próprias palavras do autor, “inovação aberta é o uso de fluxos de conhecimento internos e externos para acelerar a inovação interna e expandir os mercados para o uso externo de inovação, respectivamente”.

O que veio antes da inovação aberta?

Se você pensou em inovação fechada, acertou. Antes da popularização do Open Innovation, grandes empresas gastavam rios de dinheiro com projetos que nem sempre estavam alinhados com o que o mercado precisava.

Mais do que isso, elas estavam focadas em criar novos modelos, tecnologias e produtos do zero. Dá para imaginar o tamanho do desperdício de tempo, dinheiro e talentos? Assim, com o passar do tempo, percebeu-se que os altos investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento – P&D não estavam rendendo frutos promissores. Entretanto, viu-se também que tais ideias abandonadas renascem em outras empresas, em outras aplicações.

Dessa forma, os setores de P&D passaram a sair de seus laboratórios fechados e começaram a ouvir quem estava bem ao lado. Nesse sentido, outros departamentos começaram a fazer parte do processo, como vendas, serviços, atendimento e, o principal: o cliente!

Esse movimento, de integração dos demais setores com o P&D recebeu o nome de Inovação em Rede. Logo após ela, como passo seguinte para o aproveitamento das tecnologias que surgiram no processo inovativo, nasceu a Inovação Aberta.

Tipos de inovação aberta

Temos três tipos de inovação aberta: de entrada ou inbound open innovation, saída ou outbound open innovation e a combinada, ou coupled open innovation. Em suma, a inovação aberta de entrada ou inbound open innovation ocorre quando uma empresa se apropria e desenvolve ideias inovadoras criadas por outras organizações. O objetivo é resolver problemas internos, gerando valor para si.

Um bom exemplo pode ocorrer quando uma startup desenvolve um aplicativo que ajuda no atendimento de outras empresas.  Na inovação de saída ou outbound, o processo de geração de ideias e de inovação ocorre apenas no ambiente interno da empresa. Somente após isso, a ideia é aberta para parceiros externos desenvolve-la ou comercializá-la

Como exemplo de inovação outbound, citamos a situação na qual uma empresa desenvolve uma ideia ou produto e repassa para outra companhia, após firmado contrato, incrementá-lo e distribuí-lo. Por último, coupled open innovation descreve o processo no qual a inovação é resultado da união de duas ou mais empresas. Assim, uma vez desenvolvida a ideia, cada um dos parceiros pode desenvolvê-la individualmente.

Benefícios da inovação aberta

Como principal benefício do conceito, podemos citar a redução do tempo de produção, desenvolvimento e comercialização. Afinal, com vários parceiros atuantes em uma mesma ideia, as chances para que ela chegue ao mercado são maiores. Além disso, o processo gera economia nos custos de produção. 

Outro benefício importante está relacionado com a melhora dos produtos que já existem, tendo em vista que uma outra organização pode ter um olhar diferente sobre ele.  Em síntese, a inovação aberta também contribui para o aumento da qualidade nos projetos. No processo, são compartilhadas tecnologias e ideias entre os players envolvidos. Isso favorece, inclusive, o surgimento de novas vertentes de soluções.

Afinal, chegar a uma solução do zero é algo difícil e, em alguns casos, praticamente impossível. Assim, o Open Innovation favorece a democratização ao acesso a muitas ideias que antes ficavam restritas às quatro paredes de uma sala de uma empresa: agora, estão “livres” para agregar valor a tantas outras. 

Como implementar na sua empresa?

Inicialmente, pode parecer um desafio, principalmente para quem não conhece muito do assunto. Listamos alguns passos básicos para a implementação da inovação aberta:

  • desenvolver a cultura de inovação dentro da empresa, através de treinamentos e capacitação dos colaboradores;
  • criar equipes mistas, ou seja, composta por profissionais com diferentes formações;
  • promover encontros para trocas de experiências com outras empresas e com o ambiente acadêmico;
  • aproximar-se do ambiente de desenvolvimento acadêmico.

Implantar a inovação aberta pode abrir portas no mercado para pequenas empresas, bem como aumentar a sua base de conhecimento e tecnologias, tanto sobre novos produtos e serviços quanto dos existentes. 

Assim, como primeiros passos estão observar o mercado, o comportamento do cliente e levar em consideração possíveis parcerias tecnológicas, operacionais e/ou comerciais, que possam trazer impactos positivos à pequena empresa. 

Gostou de entender o conceito de inovação aberta? Se sim, assine a newsletter do Whow gratuitamente para receber mais conteúdos interessantes como este em primeira mão!