Entenda como funciona o visto para os nômades digitais - WHOW
Tecnologia

Entenda como funciona o visto para os nômades digitais

A Estônia, no norte da Europa, quer atrair esse tipo de profissional para o país. Veja a opinião de um brasileiro que atua no ecossistema por lá

POR Adriana Fonseca | 23/07/2020 15h34 Entenda como funciona o visto para os nômades digitais Foto ilustrativa Agus Dietrich (Unsplash)

O sonho de muita gente é poder trabalhar de qualquer lugar – e tem um tipo de profissional que consegue fazer isso: são os nômades digitais.

Estas pessoas são profissionais que trabalham on-line e, justamente por isso, não ficam presos a um escritório – nem mesmo a uma cidade ou país. Já que consegue exercer seu trabalho à distância, estes profissionais aproveitam para viajar, é nômade, sem residência fixa por longos períodos. Em determinado lugar pode até ficar mais tempo, mas, se assim desejar, muda de cidade após uma estada curta.

Esse perfil profissional tem ganhado tantos adeptos que surgiu até um visto específico para ele. A Estônia, país localizado no norte da Europa e uma ex-república da União Soviética, anunciou o lançamento do seu Digital Nomad Visa – visto de nômade digital. O objetivo dele é “atrair profissionais talentosos que podem trabalhar independentemente do lugar e fuso horário – e isso serve tanto para freelancers como para quem trabalha sob contrato para uma empresa”, diz a Work in Estonia, parte do Enterprise Estonia – uma fundação nacional pensada para apoiar o empreendedorismo. 

Com o Digital Nomad Visa, a Estônia autoriza a permanência dos profissionais em seu território por até um ano – nove meses a mais do que o visto tradicional de turista –, enquanto trabalham para empregadores e clientes fora do país. O governo estima que sejam solicitados cerca de 1.800 vistos por ano.

A visão de quem vive na Estônia

Recentemente o Whow! realizou uma Live com o brasileiro Raphael Fassoni, partnership builder no Estonia Hub, que mora no país europeu, para explorar o perfil empreendedor e nação startup da Estônia, e também abordou o tema. “Como nômade digital, você pode pedir o visto que dura até um ano, para trabalhar direto da Estônia e atender os clientes. Outros países já tinham feito isso, com um outro nome.”

“Uma das coisas que não achei tão bacana é que o visto exige que a pessoa demonstre uma renda de três mil euros por mês para garantir fundos suficientes para se manter. Na realidade do Brasil é quase inviável. Mas ainda é um experimento.”

Raphael Fassoni, partnership builder no Estonia Hub

Desenvolvimento do visto para nômades digitais

Decidir sobre a criação do visto para nômades digitais não foi algo rápido. As discussões começaram dois anos atrás, com reuniões entre representantes do governo da Estônia e a comunidade global de nômades digitais. Foram ouvidos 1.200 profissionais da área e aspirantes a essa função, que opinaram sobre como o visto deveria ser. 

A decisão de criar o novo visto foi aprovada no dia 3 de junho pelo parlamento e as inscrições para pleitear o passaporte de entrada no país europeu foram abertas em julho. O Digital Nomad Visa também beneficia a Estônia, pois, ao se instalar temporariamente no país para trabalhar, esses profissionais impulsionam a economia, sem tirar o emprego de cidadãos locais.

nômades digitais Foto ilustrativa Gleb Makarov (Unsplash)

Visão de sociedade digital

Além disso, reforça a Work in Estonia, o impacto será sentido fortemente no cenário local de tecnologia e startups, onde o compartilhamento de conhecimento e a geração de ideias dos nômades devem ter um efeito positivo sobre o avanço do país como sociedade digital.

“O Digital Nomad Visa fortalecerá a imagem da Estônia como um estado eletrônico e dará ao país uma voz mais influente em nível internacional.”

Mart Helme, ministro do interior da Estônia

Para se candidatar ao visto de nômade digital, o profissional precisa comprovar que pode trabalhar remotamente. Além disso, o candidato precisará provar que se encaixa em qualquer uma das três categorias a seguir:

  • Trabalha para uma empresa registrada em um país estrangeiro e possui um contrato de trabalho com essa empresa;
  • Realiza atividades comerciais para uma empresa registrada em um país estrangeiro, da qual é sócio ou acionista;
  • Oferece serviços freelancer ou de consultoria, principalmente para clientes cujos estabelecimentos permanentes estão em um país estrangeiro, com contrato assinado.

Alguns países europeus, como Alemanha, Espanha, Portugal e República Tcheca, oferecem opções de visto para visitantes ou freelancers que podem provar um certo nível de renda mensal, mas o visto para nômades digitais da Estônia é o primeiro do mundo nessa categoria. 


Saiba mais sobre o ecossistema de inovação da Estônia nesta Live