Entenda as aplicações e armadilhas da gamificação - WHOW

Pessoas

Entenda as aplicações e armadilhas da gamificação

A técnica tem sido aplicada por cada vez mais empresas para alavancar produtividade e engajar funcionários a performar melhor

POR Luiza Bravo | 28/01/2020 15h12 Foto Arte Grupo Padrão (Flavio Pavan) Foto Arte Grupo Padrão (Flavio Pavan)

O envolvimento dos funcionários está intimamente relacionado aos principais resultados de uma organização. Colaboradores devidamente engajados podem economizar bilhões de dólares para as empresas, além de terem o poder de deixar os clientes mais satisfeitos, já que prestam melhores serviços.

Manter o engajamento no ambiente corporativo, no entanto, não é uma tarefa fácil. Por isso, novas técnicas e ferramentas têm se desenvolvido com esse objetivo. Uma delas é a gamificação, que permite que empresas que não possuem uma cultura de engajamento criem uma do zero, e que aquelas com estruturas existentes aperfeiçoem suas práticas, aumentando os pontos de contato entre empresa e funcionários, e também entre a empresa e os consumidores.

Como funciona a gamificação

A gamificação utiliza as mesmas mecânicas e motivadores que os games usam para ser tão atrativos, mas em outros tipos de plataformas, como aplicativos e sites. Isso faz com que as pessoas interajam por muito mais tempo com essas ferramentas, em um nível de engajamento muito superior ao que têm com outras tarefas, até mesmo no trabalho. 

Com plataformas gamificadas, os funcionários podem acompanhar facilmente seu próprio progresso no trabalho, entender seus pontos fortes e fracos e ser direcionados para ações que os ajudarão a progredir e ter sucesso. Ao tornar visíveis objetivos, conquistas e referências, a gamificação cria comprometimento e dedicação entre os usuários, transformando um aspecto de trabalho mundano em uma atividade divertida e envolvente. Os funcionários recebem ainda feedbacks por meio de mecanismos gamificados, como elogios e distintivos, que os motivam e os levam a ter um desempenho superior.

“As empresas ganham um nível de engajamento de seus funcionários e consumidores que não seria possível sem o uso dessas técnicas, e os funcionários têm uma experiência com a empresa muito mais rica e interessante”, explicou Mitikazu Lisboa, CEO da Hive Digital Media, ao Whow!.

Aplicações

As técnicas de gamificação ajudam as empresas a manter os funcionários atualizados sobre produtos recém-lançados e a treiná-los de acordo com diretrizes dinâmicas. Além disso, plataformas gamificadas podem otimizar o processo de integração de novos funcionários, que são envolvidos com materiais de aprendizagem, questionários e simulações, por exemplo. 

“Hoje é difícil você achar uma plataforma de sucesso que não seja gamificada, sejam os likes do Facebook ou os badges do Uber. Tudo que vira um jogo é naturalmente mais divertido”

Mitikazu Lisboa, CEO da Hive Digital Media

As empresas também podem se beneficiar da gamificação nos processos de mudança organizacional. Ao gamificá-los, os funcionários podem receber feedbacks instantâneos quando se desviarem do “caminho certo”. Também podem ser lembrados porque a mudança é necessária e de seu objetivo. O espírito competitivo, juntamente com a empolgação e o desejo de progredir em direção a novos níveis, mantém os usuários envolvidos o tempo todo e ajuda a suavizar o processo de adaptação às mudanças.

“A lógica da recompensa, envolvida em qualquer jogo, influencia o envolvimento e resulta em funcionários mais empenhados para superar desafios”

Daniel Sgambatti, CEO da Kludo

Criada em 2016, a startup Kludo já desenvolveu plataformas game-based para grandes empresas, como Sanofi, Accenture e Itaú. E o negócio não para de crescer: “A meta é encerrar 2020 com um faturamento de R$ 4 milhões — mais que o triplo do que 2019 — além de expandir o número de clientes e colaboradores”, disse Daniel ao Whow!.

gamificação Foto Randy Fath (Unsplash)

Armadilhas

A gamificação pode proporcionar resultados tangíveis, como aumento no engajamento nas mídias sociais internas e externas e mais tráfego no site das empresas. No entanto, se não for gerenciada corretamente, também pode gerar níveis altos de expectativa e frustração, que se devem principalmente a um falso conjunto de incentivos.

O erro que muitas empresas cometem é identificar os objetivos de negócios sem ter em vista os objetivos dos participantes. O ideal, de acordo com especialistas, é que eles se sobreponham.

Em 2011, por exemplo, o Google lançou o Google News Badges, que premiava os leitores do Google Notícias com distintivos sobre as notícias que eles mais acessavan. Como não oferecia recompensas reais, a ferramenta não deu certo, e foi retirada do ar cerca de um ano depois.

Mitikazu destaca que a gamificação deve ser usada com moderação, porque assim como as redes sociais, pode causar dependência. “Existem hoje já algumas discussões se os aplicativos que usam essas técnicas não estariam errando ao tornar suas plataformas super viciantes, prejudicando seus próprios usuários”, alerta.


+GAMIFICAÇÃO

Healthtech convence as pessoas a praticarem exercícios através da gamificação
Gamificação e o impacto na produtividade das empresas
Coca-Cola usa games e rede social para gerar vendas incrementais

 JÁ SEGUE O WHOW! NO INSTAGRAM?