WHOW

Empresas evitam R$ 102 milhões em fraudes na Black Friday 2021

fraude black friday 1

A Konduto, empresa especializada no combate à fraude para pagamentos online, e a Boa Vista, empresa com 60 anos de história em soluções de inteligência analítica, divulgaram nesta terça-feira (30) um levantamento sobre as tentativas de fraudes realizadas na Black Friday de 2021. O estudo traz um resumo do comportamento do comércio eletrônico e do fraudador brasileiro em uma das principais datas do varejo.

Segundo o relatório, aproximadamente R$ 102 milhões em golpes foram impedidos durante os dias 26, 27 e 28 de novembro, quase 80% a mais do que os R$ 57 milhões evitados em 2020. Além disso, a Konduto diz que houve mais que o dobro de pedidos em relação ao mesmo período no ano anterior, com 20 compras por segundo em 2021 contra 9 do ano passado.

De acordo com Tom Canabarro, CEO e cofundador da empresa, os números foram recebidos com certa surpresa. “Temos realizado análises do comportamento do consumidor e dos criminosos há alguns anos e, ainda que a gente já esperasse um movimento intenso e muitas tentativas de fraude, os números registrados em 2021 surpreenderam”, diz ele.

No ano passado, as vendas da Black Friday se diluíram de forma mais equilibrada nos três dias do final de semana. Em 2021, 63,58% das vendas aconteceram na própria sexta, contra 42,93% em 2020. Porém, o volume médio de fraude foram parecidos, mesmo com o aumento da representatividade do primeiro dia.

A economia gerada por meio do combate às fraudes reflete a crescente preocupação com cibersegurança dentro das empresas. No Brasil, 83% das organizações preveem um aumento nos gastos em segurança digital em 2022, sendo que 45% prevê que este aumento será superior a 10%, segundo pesquisa.

Fraudes por pedido

Ao analisar o percentual de fraudes por pedido é possível perceber que a taxa caiu em quase todos os Estados, confirmando o que foi identificado no Censo da Fraude 2021.

Destaque para São Paulo, que alcançou a maior queda no percentual de fraudes, saindo de 1,41% para 0,37% por pedido. Já o Rio de Janeiro, campeão a nível nacional,

Outro dado interessante aponta para um cenário diferente do que a maioria das pessoas imagina com relação aos horários nos quais as práticas criminosas costumam acontecer: neste ano, o volume de fraudes de meio-dia à meia-noite foi de 70,7%. Já durante a madrugada, das 0h às 5h59, foi de apenas 11,04%, mostrando que esse não é o período preferido dos fraudadores.

O celular é o meio mais utilizado tanto para as compras quanto para as fraudes: 70% das tentativas foram feitas via mobile.

“O público realmente se habituou a realizar compras online e pelos smartphones, especialmente por conta dos limites impostos pela pandemia da Covid-19. Quem já comprava pelo e-commerce continuou usando, enquanto quem não tinha esse hábito gostou da experiência e passou a fazê-lo de forma mais intensa. Os dados mostram que o volume de vendas online tem aumentado a cada análise, assim como a quantidade de tentativas de fraudes. Isso reforça que para vender mais, é preciso ter um bom antifraude para evitar prejuízos desnecessários”, conclui Tom Canabarro.

Sair da versão mobile