Empresas da bolsa e a compra de Startups - WHOW

Consumo

Empresas da bolsa e a compra de Startups

A cada dia que passa, as startups dominam um pouco mais do mercado. Agora é a vez das grandes empresas prestarem atenção nelas

POR Redação Whow! | 24/05/2021 13h53

Somente entre 2015 e 2019, a quantidade de startups no Brasil aumentou mais do que três vezes! O número que era 4.152, passou para 12.727, um aumento de 207%. Devido a esse crescimento, alinhado com a valorização das startups, diversos setores do mercado passaram a prestar mais atenção nessas empresas inovadoras.

Como por exemplo, as grandes empresas, que desde 2019 passaram a comprar cada vez mais startups. Deseja compreender como funciona esse novo fenômeno do mercado? Quais são os seus motivos? E quais são as empresas que mais investem? Continue a leitura e fique por dentro das novidades.

O crescimento das startups no Brasil

Os últimos anos foram fundamentais para consolidar o mercado brasileiro como promissor para as startups. Afinal, faz pouco tempo que começamos a ter notícias dessas empresas inovadoras, que prometiam, através de métodos disruptivos,

Agora, anos depois, o cenário das startups é mais favorável. O mercado já está mais aberto para essas empresas. Chegou a tal nível, que já não conseguimos imaginar nossas vidas sem as startups. Visto que elas já mudaram a nossa forma de consumir, de se locomover, de viajar, de procurar hospedagens e até na forma que investimos.

Algo que ajudou a contribuir com o crescimento dessas empresas, foi a noção de comunidade que elas tomaram. Muitas startups, tem como foco a cooperatividade. Elas entendem que somente assim, conseguirão tomar espaços em mercados que há anos eram consolidados por empresas tradicionais.

Nesse sentido, surgiram muitos coworkings, parques tecnológicos, hubs de inovação e milhares de eventos com o intuito de auxiliar os primeiros passos dessas empresas, e para que seus funcionários fizessem network, fortalecendo sua equipe e os seus negócios.

No Brasil, apesar de ainda serem poucos, os parques tecnológicos são responsáveis pelo desenvolvimento de muitas startups. Eles possuem uma importância tremenda, pois conectam governo, academia e mercado. Atualmente, no território brasileiro, os principais parques tecnológicos são:

Dessa forma, é possível compreender que o Brasil é um território fértil de empreendedorismo. Segundo uma pesquisa realizada pela Expert Market, aponta que nós somos o quinto país que os empresários mais têm determinação em empreender.

Gigantes passam a aplicar em startups 

Atualmente o investimento em startups está mais movimentado do que nunca. As grandes empresas começam a enxergar essas empresas não só como iniciantes e inovadoras, elas passam a ser foco de investimento, e investimento pesado. No Brasil, o exemplo vivo desses investimentos, se dá pelo fato de já termos diversas empresas brasileiras que são unicórnios. Confira algumas delas:

  • Loft: essa foi a primeira empresa a virar unicórnio no Brasil. Especializada em compra e venda de imóveis;
  • Vtex: o segundo exemplo é essa empresa de e-commerce. Durante a pandemia foi avaliada em quase 2 bilhões de dólares;
  • 99: a empresa de transporte particular também entrou na classificação;
  • Nubank. a empresa financeira que vêm tomando cada vez mais espaço, também já passou do US$ 1 bilhão;
  • Arco Educação: essa startup foi a primeira empresa brasileira do setor de educação, na bolsa de Nova Iorque;
  • Movile (iFood): após várias compras e vendas da empresa, a startup de delivery também se tornou uma unicórnio;
  • Gympass: O aplicativo de bem-estar, que tem como intuito reduzir o custo para empresas e facilitar o acesso dos colaboradores aos serviços de atividade física, também entrou para a lista no ano passado;
  • Loggi:. essa startup de tecnologia, conecta empresas, consumidores e entregadores, foi a oitava empresa brasileira a entrar na lista das unicórnios;
  • Madeira madeira:. a startup que tem sede em Curitiba, é um e-commerce de móveis e produtos para casa. É a empresa brasileira mais recente a entrar na lista.

Da mesma forma que ocorreu com essas empresas, a tendência é que tenhamos mais investimentos nas startups brasileiras nos próximos anos.

Marcas que mais investem em startups 

Atualmente já temos diversos exemplos de marcas que passaram a investir em startups. Por isso, separamos alguns exemplos, confira:

Itaú

O Itaú encabeça um dos principais exemplos de empresas brasileiras que passaram a investir em startups. Recentemente, o banco realizou a compra da startup Zup, por mais de 500 milhões de reais.

Essa startup, possui tecnologia focada em acelerar projetos, transformações digitais e principalmente desenvolver novas funções tecnológicas. Assim, ela irá atuar, principalmente para melhorar a experiência dos usuários do aplicativo do banco do Itaú.

O Itaú poderia começar um projeto do nada, mas seriam gastos energia e muita verba em pesquisas, contratações e tecnologias para isso. E o resultado ainda poderia não ser satisfatório, causando frustração e prejuízo.

Nesse sentido, o banco preferiu apostar numa startup especializada na área, que faz esse tipo de serviço com excelência e maestria. E que além disso, possui mais de 900 funcionários, portfólio e conhecimento na área. Ou seja, as duas instituições saíram ganhando dessa parceria.

Tesla

Outro exemplo de uma empresa que passou a investir em startups é a Tesla. A gigante de carros autônomos, fundada por Ellon Musk, comprou a DeepScale. Dessa forma, a empresa passou a poder desenvolver carros 100% autônomos. Ou seja, a DeepScale desenvolveu um sistema de controle, que permite conectar diversos sensores ao longo do veículo, com mapas para fazer as rotas.

Grandes empresas da bolsa e a compra de startups

O sucesso das startups foi tanto, foi tanto, que atualmente já contamos com mais de 240 startups unicórnios, ou seja, são 240 startups que valem mais do que 1 bilhão de dólares pelo mundo.

Somente nos quatro primeiros meses deste ano, o valor de aportes recebidos por startups brasileiras, já é o mesmo que 70% dos investidos no ano passado. Segundo o relatório da Inside Venture Capital, até o mês passado, foram investidos 2,3 bilhões de dólares nas startups brasileiras.

Isso mostra não só o grande avanço que essas empresas tiveram, mas também a enorme possibilidade de crescimento na área. Portanto, o motivo é o que não falta, para aqueles que desejam entrar nesse mercado.

Assine a nossa newsletter gratuitamente e receba conteúdos exclusivos diariamente.