Empresas saem da caixa e apostam no desenvolvimento de carros autônomos - WHOW
Tecnologia

Empresas saem da caixa e apostam no desenvolvimento de carros autônomos

O segmento de carros sem piloto vai muito além da Audi e da Tesla e chama a atenção de marcas inusitadas, como Amazon, Samsung e Apple

POR Carolina Cozer | 03/09/2019 15h58 Empresas saem da caixa e apostam no desenvolvimento de carros autônomos

Uma das notícias que marcaram o mês de agosto foi o início das operações de carros autônomos em Nova Iorque pela startup Optimus Ride. Mas tudo tem ocorrido de modo um pouco tímido: os carrinhos elétricos da empresa, que não deviam ter nenhum motorista, são pilotados por engenheiros de software em seu curto trajeto de 1,6 km/h. A empresa garante que, com o passar do tempo, os engenheiros serão removidos e os trajetos dos veículos monitorados remotamente.

Nos últimos anos dois acidentes graves marcaram o cenário dos carros autônomos em 2016 e 2018. O primeiro envolveu um Tesla Model S em piloto automático e um caminhão em uma rodovia na Flórida. O carro não detectou a presença do caminhão em um cruzamento, ocasionando em uma colisão – que se tornou fatal para o motorista do Tesla.

O segundo foi a morte por atropelamento de uma pedestre por um Uber automático no estado do Arizona. A situação repercutiu tão mal que, por um tempo não apenas as operações de Uber autônomos foram paradas, mas também toda a P&D da empresa nesse segmento.

Apesar de toda a insegurança envolvendo os carros autônomos, as grandes marcas continuam investindo pesado nesse mercado e garantem que a independência total da mão humana nas conduções é questão de tempo.

Segundo dados da CB Insights, cerca de 40 marcas diferentes já possuem autorização para trafegar nas ruas da Califórnia, e entre elas estão não apenas empresas automotivas, mas também nomes de fora da área, como Amazon, Google, Apple e até mesmo a Baidu.

carros5

Separamos aqui algumas das novidades que estão rolando dentro de algumas dessas empresas. Confira!

A Amazon não aposta no desenvolvimento dos próprios carros autônomos e sim na parceria com grandes montadoras para a fabricação de recursos automotivos de entrega de produtos. Até o momento foram feitas parcerias com a Honda e a Toyota, além de terem investido na Aurora Innovation – uma startup de tecnologia autônoma administrada por ex-executivos do Google e da Tesla.

“A tecnologia autônoma tem o potencial de ajudar a tornar os trabalhos de nossos funcionários e parceiros mais seguros e produtivos, seja em um centro de atendimento ou na estrada, e estamos entusiasmados com as possibilidades”, disse um porta-voz da empresa em comunicado.

No início do ano, a empresa lançou o Amazon Scout, um robô de seis rodas que efetua entregas em Washington de modo semi-independente, sob a supervisão de um humano.

Também estão explorando o uso de drones aéreos para o serviço Amazon Prime Air, que ainda está nos estágios iniciais.

A Audi é um dos maiores nomes do segmento, tendo sido a primeira empresa a implementar o piloto automático em seus veículos. Não à toa briga diretamente com a Tesla pelo reconhecimento na área. O modelo E-Tron GT entrou no mercado para competir com o Model S da Tesla, e tem sido o preferido entre muitos críticos e usuários pelo mundo.

Está em seus planos investir cerca de US$ 16 bilhões em tecnologia autônoma e sustentável até 2023. Atualmente já estão testando 12 veículos autônomos em vias públicas em Munique. Mas os interesses da empresa na automação vão muito além da concorrência no mercado: ela planejam transformar os carros em um meio de entretenimento completo, para que as viagens possam ser aproveitadas de forma lúdica enquanto seus passageiros trajetam de forma totalmente automatizada.

“Graças a direção automatizada, os passageiros do futuro terão tempo livre no carro, permitindo que eles usem a nova geração de entretenimento automobilística. Bem-vindo ao cinema drive-in da próxima geração”, revelou a Audi em um comunicado à imprensa, durante a Las Vegas Convention Center 2019.

Por muito tempo esteve apenas adaptando modelos de carros já existentes para o padrão automático, mas pouco tempo depois já apresentou seu modelo totalmente independente de carro sem volante. Em 2016 esse projeto se expandiu, tornando-se a Waymo, uma empresa exclusiva de P&D de carros automáticos.

“Qualquer coisa que tenha rodas e se mova ao longo da superfície da Terra é algo que nós, no futuro, podemos imaginar sendo movido por Waymo”, disse John Krafcik, ex-executivo da Hyundai, que agora lidera o programa da Waymo.

Seus carros já estão rodando as ruas do Arizona desde o final de 2018, competindo diretamente com o segmento de táxis e Uber, já tendo transportado passageiros por mais de 6 milhões de quilômetros até então.

Recentemente, a empresa recebeu permissão da Comissão de Utilidades Públicas da Califórnia para operar seu robô nas estradas, junto com a concorrente Zoox.

Atualmente possui 66 minivans autônomas nas ruas da Califórnia e está testando uma frota de SUVs Lexus equipados com racks de sensores LIDAR e radar. Porém, passou por enormes cortes em seu projeto “Titan”, que focava no desenvolvimento de carros autônomos.

Internamente, foi dito que a iniciativa estava passando por uma reestruturação, mas mais de 200 funcionários foram demitidos. Em compensação, a empresa adquiriu a startup Drive.ai, que foi avaliada em US$ 200 milhões e estava prestes a fechar as portas.

Também contrataram Jaime Waydo, um engenheiro sênior com experiência na Waymo e na NASA para impulsionar o projeto. Isso indica que o programa não morreu, apesar de tudo, mas ainda se sabe muito pouco a respeito do que a Apple tem em mente para o futuro dentro do segmento.

Em maio de 2017, a empresa recebeu uma licença para testar carros autônomos nas vias públicas da Coreia do Sul. Os autônomos da Samsung são baseados em veículos Hyundai, equipados com câmeras e sensores.

Recentemente também adquiriu a Harman, uma importante fornecedora de sistemas e tecnologia para automóveis por US$ 8 bilhões.

Apesar de não ter o interesse em se tornar uma montadora, a empresa deseja investir cada vez mais em inovações automobilísticas automáticas, para auxiliar no crescimento e desenvolvimento do segmento.

A empresa já desenvolveu até mesmo tecnologias para o espaço, que ajudam no armazenamento de dados de mapas e transferência de dados. Lançaram, também, uma plataforma destinada a auxiliar na construção de veículos autônomos personalizados.

O primeiro projeto a sair dessa plataforma foi uma câmera que oferece avisos de saída de faixa, para pedestres e de colisão e controle de cruzeiro adaptável.

carros2


+ NOTÍCIAS

Modelo “Yellow” pode catapultar compartilhamento de carros elétricos
Como Waze, CargoX e ClickBus trabalham para promover a mobilidade nas cidades
Apps de carona: os novos desafios da mobilidade