Diagnosticar a inovação em empresas e startups: tem como? - WHOW
Eficiência

Diagnosticar a inovação em empresas e startups: tem como?

Head da Semente Negócios explica como diagnosticar a inovação em empresas e aplicar metodologias para levar negócios a novos patamares

POR Carolina Cozer | 25/09/2020 15h41

Assim como na área médica, os diagnósticos de empreendedorismo servem para detectar sintomas e sinais de que algo está ou não dentro dos índices adequados.

E com a inovação é a mesma coisa: nem todas as empresas estão com índices saudáveis dentro de seus processos, ou não estão utilizando os “tratamentos” (no caso, as metodologias) adequadas para a saúde da empresa.

O Whow! conversou com César Costa, um especialista em diagnosticar a inovação em empresas. César é Head de Inovação Corporativa da Semente Negócios, empresa B2B que ajuda empresas a se tornarem mais inovadoras.

O que é o diagnóstico da inovação?

Segundo César Costa, diagnósticos de inovação são ferramentas que possibilitam que empreendedores enxergam com maior clareza os pontos fortes e fracos do objeto sob análise. “Por exemplo, um diagnóstico de vendas vai apontar as possíveis razões pelas quais seu desempenho está abaixo ou acima do esperado”, conta.

Consequentemente, o diagnóstico de inovação segue esse mesmo princípio. “A complexidade em se aplicar uma ferramenta como essa é que não se pode analisar apenas uma área ou um processo da organização, e sim ter uma visão geral da mesma”.

O objetivo, segundo César, é ter sua visão sobre quanto o ambiente interno da empresa é propício para a inovação. 

O passo a passo do diagnóstico

O primeiro passo é fazer o levantamento de coisas relativas à cultura organizacional, à liderança, ao acesso a recursos, à gestão do conhecimento, à governança e aos talentos e habilidades, explica o Head da Semente Negócios.

“É importante entender quais linhas de produtos/serviços e modelos de negócios estão se tornando obsoletos, qual é a estratégia atual da organização entre outras questões da situação atual da empresa.” Além disso, é necessário olhar para fora da organização e captar quais são as macrotendências e novos players que podem impactar sua empresa.

Depois, para compreender melhor a estratégia e gestão da inovação, a equipe da Semente conversa com as lideranças e analisam como os projetos têm sido desenvolvidos. 

Finalmente, o resultado do diagnóstico irá apontar qual é o nível de maturidade de inovação da empresa, em uma escala de 1 a 4. Essa escala dará visibilidade de quais são as principais lacunas e o que a empresa pode implementar para solucionar essas lacunas.

A partir disso, a recomendação de César Costa é de se criar um documento estratégico, já que a inovação deve ser descentralizada, e seus colaboradores precisam estar alinhados com sua empresa.

A partir dessa “tese de inovação”, há o desdobramento da estratégia nos tipos de inovação que a empresa investirá com maior força – se soluções mais disruptivas ou menos; e quais serão as formas utilizadas para inovar ― conexão com startups, hub de inovação, cross-industry, cooperação com universidades, intraempreendedorismo, laboratório de inovação, etc.

Vantagens do diagnóstico de inovação

A maior vantagem do diagnóstico, César Costa explica, é conseguir ter a big picture da inovação na empresa, uma vez que é comum que as organizações não saibam por que não estão conseguindo inovar, ou por que os resultados da inovação não estão sendo efetivos.

“O que mais ouvimos de executivos é ‘precisamos melhorar nossa cultura de inovação’. Será que é só isso? Será que o acesso a recurso para inovar está de fato acessível? As pessoas entendem qual é a estratégia de inovação da empresa e sabem utilizar as ferramentas para inovar?”, questiona. “O diagnóstico faz com que você identifique os gargalos para que a inovação se torne mais efetiva e sustentável no longo prazo.”

A Semente Negócios, especificamente, utiliza uma metodologia própria chamada Corporate-up, que guia o processo de trabalho em nível estratégico nas empresas. Segundo o Head, a Corporate-up implanta um modelo de estratégia e gestão da inovação, junto a processos e formas de inovar.

Tese de Inovação

Direciona a organização, busca responder como ela vai responder às tendências que a impactam em sua visão de futuro

Portfólio de Inovação

Estabelece o percentual a ser investido em cada tipo de inovação – core, adjacente e transformacional

Pipeline de Inovação

Estabelece um processo em que os projetos de inovação irão percorrer desde a originação até o lançamento, de forma que o desenvolvimento seja baseado em redução de incerteza a partir de validação de hipóteses e MVP

KPIs de Inovação

Estabelece métricas para acompanhar não só os resultados da inovação, mas também os seus progressos

Diferenças no diagnóstico entre startups e grandes empresas

Para César Costa, claramente há distinções entre os métodos aplicados em startups e empresas de grande porte.

A startup tem, normalmente, apenas um produto ainda em construção, e está tentando validar seu negócio no mercado. Portanto, toda e qualquer estratégia deverá focar em validar seu modelo de negócios e escalar. A vantagem da startup em comparação com grandes empresas é a autonomia e agilidade que tem para fazer mudanças.

Por outro lado, grandes empresas já possuem negócio consolidado, recursos, como qualificação de pessoal, dinheiro para investir, marca, acesso a canais de distribuição, etc, e focam na eficiência e fortalecimento do seu legado. 

Entretanto, as grandes empresas precisam aprender com as startups a criar estruturas mais ágeis e autônomas de inovação.

“Os projetos de inovação de grandes empresas podem se inspirar em como as startups fazem para que as grandes também possam desenvolver suas próprias startups.”

César Costa, Head de Inovação Corporativa da Semente Negócios


+NOTÍCIAS

O segredo dos unicórnios para as culturas organizacionais
Coluna: O empreendedorismo e o equilibrista
Empoderar equipes para projetos vencedores
Opinião: O essencial para escalar o negócio internacionalmente