WHOW

Dia do Empreendedorismo Feminino: conheça cases de mulheres inovadoras

Em setembro deste ano, o Estado de São Paulo abriu mais de 20 mil vagas gratuitas para capacitação de mulheres na área de Tecnologia da Informação (T.I.), para preencher o enorme vazio de inscritas do gênero feminino em cursos de tecnologia.

Hoje, 19 de novembro, se comemora o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, data criada pela ONU para homenagear e incentivar as conquistas profissionais femininas.

“Desde adolescente eu já gostava muito das inovações tecnológicas e de sistemas. Me inseri jovem no mercado de trabalho e de TI, e já tive uma atitude empreendedora, afinal, o mercado era mais masculino do que hoje, e precisei marcar o meu chão”, conta Nadia Guimarães, COO Grupo Daryus e Mestre em TI. Nadia idealizou a unidade de negócios da empresa, a Daryus Educação, que é especializada em cursos de pós-graduação nas áreas de Gestão, Tecnologia e Comunicação.

“Ao concluir a faculdade já abri meu primeiro negócio, e tive que encarar um mercado masculino. Mas essa era a minha superação pessoal. Nunca me deixei intimidar, e quando eu não sabia de algo, eu voltava para a sala de aula”, conta a COO.

Para Guimarães, há espaço para que mulheres empreenderem no que quiserem ― sobretudo nesse segmento, que carece de profissionais capacitadas. “Para as mulheres que forem empreender, é importante ter em mente que terão que aprender mais do que já sabem, principalmente outros temas relacionados à gestão empresarial. Um diferencial é saber se relacionar, cuidar e orientar pessoas, pois um negócio é movido por pessoas, e todos devem estar na mesma sintonia”, compartilha ao Whow!.

Empreendedorismo Feminino e TI: um desafio a mais

Todos os profissionais que estão ligados à evolução rápida e constante da tecnologia, analytics e big data têm alguns desafios em comum. Por exemplo, processar estratégia, cultura, pessoas e tecnologia e operações, tudo ao mesmo tempo, em um ambiente de grande movimentação. Para Claudia Mendes Nogueira, CEO e fundadora da empresa de data & analytics Oficina de Valor, transitar com desenvoltura por esses ambientes é um desafio para qualquer empreendedor da área, sejam eles homens ou mulheres.

“Entrando no mérito de ser mulher, não acho que sejam desafios exclusivos de mulheres que lidam com TI, mas sim de todas as mulheres que lidam com posições de poder”, diz a CEO, que lamenta que muitas de suas colegas de graduação tenham desistido da carreira com o passar do tempo. “Éramos excelentes alunas de excelentes escolas e profissionais competentes. Fomos mesmo batendo no teto de vidro das grandes empresas. Eu, particularmente, tive chefes muito bons e que me deram as chances que eu precisava, mas o todo era bem menos promissor para as mulheres”, compartilha.

Felizmente, Nogueira não desistiu, e partiu para seu primeiro negócio independente. Hoje ela se vê como uma profissional que incentiva outras mulheres a fazerem o mesmo. “Empreender foi muito bom para mim, pois pude ser mais ‘eu mesma’, e dei à minha empresa a cara que queria dar. Somos inclusivos e valorizamos as pessoas. O fato de ter me dado bem com tecnologia e números me trouxe algum status e respeito profissional, e puxei muitas mulheres comigo nessa empreitada”, afirma.

Mulheres inovadoras para se conhecer

Considerando que o caminho do empreendedorismo de inovação seja ainda mais difícil para as mulheres, poder se inspirar umas nas outras é essencial para que essa realidade se torne mais branda e fortalecida.

Claudia Nogueira diz ao Whow! que se inspira muito em Luiza Helena Trajano, fundadora do Magalu, por ser um exemplo de inteligência e perseverança, mas também está de olho nas mulheres do SAP Brasil. “Adriana Aroulho (CEO Brasil), Cristina Palmaka (CEO Latam) e Adriana Silvestre Aguiar (SAP Data Driven Global Lead). Quero muito seguir os passos delas e saber que caminhos vão trilhar estando numa empresa tão grande e desafiada. Acredito que estas mulheres irão fazer acontecer. Também continuarei a seguir os passos do Nubank e da Cristina Junqueira e de tantas mulheres inspiradoras nesse mundo a fora, em todas as áreas.

Nadia Guimarães, do Grupo Daryus, tem a empreendedora Pamela Paz como exemplo e inspiração. “É a CEO do Grupo John Richard Aluguel de Imóveis e da TUIM, e nesta pandemia teve que reinventar o seu negócio”, diz.

A COO também demonstra o seu apoio e admiração à Daniela Mendonça, CEO da LG Lugar de Gente, e às mulheres do Movimento Mulheres em TI: Paula Papis, Líder de Cyber Security da Accenture; Camila Pezzutti, Middle Office and Process Improvement Manager do Banco Rendimento e Vera Medina, Líder de Cybersecurity Latam da Wipro.


+NOTÍCIAS

A aprendizagem diária dos líderes de inovação
Há pouquíssimas mulheres entre os investidores-anjo brasileiros
Mulheres na ciência, uma lacuna a ser preenchida
Mulheres ainda são subrepresentadas no setor de tecnologia

Sair da versão mobile