A inovação corporativa dentro da centenária EY - WHOW
Eficiência

A inovação corporativa dentro da centenária EY

A EY, consultoria e auditoria, criou o seu próprio um centro de inovação em 2016 e vem aperfeiçoando o seu funcionamento, com foco em intraempreendedorismo

POR Adriana Fonseca | 04/08/2020 19h16 A inovação corporativa dentro da centenária EY Foto Christina Morillo (Pexels)

Como uma empresa centenária faz para continuar a inovação corporativa ano após ano? A consultoria britânica EY tem seus mecanismos. “A EY é uma empresa centenária e para nos mantermos relevantes precisamos inovar e ajudar a construir um mundo de negócios melhor”, afirma Denis Balaguer, diretor do BeyondLabs, o centro de inovação corporativa da companhia, ao Whow!.

Desde 2016, a EY investe de forma crescente no BeyondLabs e, como parte desse processo de estimular a inovação corporativa, estabeleceu, em 2018, o Wavespace, um laboratório dedicado a imersões de inovação corporativa para clientes.

A equipe, incialmente com duas pessoas, hoje é formada por dez profissionais, divididos nas práticas de Design Studio, Digital Garage e Venture Lab. Este ano, o centro de inovação também estabeleceu um programa de fellowship, em que profissionais de outras áreas ficam um período trabalhando no programa.

Desde o princípio, o foco do centro é manter uma esteira de inovação corporativa que traga os colaboradores para desenvolverem suas ideias de novos negócios, serviços e ferramentas.

Inovação corporativa e intraempreendedorismo

Uma das iniciativas do BeyondLabs é o BeyondMakers, o programa interno de inovação da companhia, que permite a participação de qualquer um dos aproximadamente 10.800 funcionários da EY em toda a região que engloba Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile.

O diretor do centro de inovação da EY explica que o programa vem evoluindo ano a ano desde sua criação, em 2016, como um projeto-piloto, quando foi rodado em uma das linhas de serviço. “Desde então ele vem evoluindo em termos de escopo e abrangência”, diz. Na edição 2019-2020, o programa rodou pela primeira vez em larga escala, envolvendo a região toda e com um escopo de aceleração completo, indo até o desenvolvimento dos MVPs (Produto Mínimo Viável, em português).

“O objetivo do BeyondMakers é capturar de forma aberta, e depois acelerar de forma sistemática e disciplinada ideias transformadoras para o nosso negócio e, ao mesmo tempo, abrir espaço para empreendedores internos se desenvolverem”, conta o executivo.

“Um benefício colateral é que, por se tratar de um programa de grande visibilidade, envolvendo muitas pessoas, temos um grande impacto na cultura de inovação, com a disseminação e capacitação em conceitos, ferramentas e metodologias de inovação.”

Denis Balaguer, diretor do BeyondLabs, da consultoria EY

inovação corporativa Foto Denis Balaguer da EY (divulgação)

Prototipação de um novo modelo de negócio 

Com início em março deste ano, e envolvendo a EY em quatro países da América do Sul, o BeyondMakers recebeu 110 ideias na primeira etapa, alcançando o 1º lugar entre os demais programas de inovação da EY nas Américas e apareceu entre os cinco mundialmente, em termos de volume de submissões. Dessas, dez propostas foram selecionadas para o pitch day, momento de defesa dos projetos, e quatro passaram pelo Design Sprint, com cinco dias dedicados exclusivamente aos processos de discussão e cocriação.

Agora, três ideias estão em fase de desenvolvimento, em que um MVP será construído para iniciar a comercialização em fase de teste. Até o fim do mês, as soluções serão transferidas para as áreas responsáveis e começarão a funcionar no dia a dia na empresa.

Uma das ideias que está sendo desenvolvida trata da criação de um novo modelo de negócios na área de consultoria em gestão de pessoas. Alinhada à tendência de assinaturas de serviços, novos clientes da EY poderiam, a partir de taxa anual fixa, ter acesso a diversos materiais e eventos da EY e contar com um executivo que os ajudaria a resolver um certo número de consultas por mês, relacionadas à gestão de pessoas.

O objetivo é atrair startups e empresas menores, que não possam custear projetos mais complexos. As outras soluções envolviam soluções digitais para o ambiente de compliance e de créditos tributários.

“Há outros desenvolvimentos que estão em fases diferentes de testes”, conclui Denis. Hoje, a EY atua com serviços de auditoria, impostos, transações corporativas e consultoria em mais de 150 países.


+INOVAÇÃO CORPORATIVA

Você conhece a ISO da Inovação?
Novas tecnologias: do básico ao avançado
Entenda os mitos e as verdades sobre a criatividade
Curitiba: um dos ecossistemas de inovação mais promissores do mundo