Desafios da inovação aberta na indústria - WHOW
Vídeos

Desafios da inovação aberta na indústria

Acompanhe a primeira semana da Oiweek 2020, mais tradicional evento sobre inovação aberta do Brasil, com a parceria estratégica do Whow!

POR Redação Whow! | 22/05/2020 13h18

A inovação aberta é um dos principais modelos para grandes empresas inovarem atualmente. Mas este processo exige o relacionamento próximo e contínuo com startups, além de parceiros especialistas no tema para que as conexões sejam eficientes e consistentes.

E pensando nisso, o Whow! atuará como parceiro estratégico da Open Innovation Week (Oiweek) 2020, o maior e mais tradicional evento do setor no Brasil, realizado desde 2008, e que este ano terá a sua 12ª edição e em formato inédito 100% digital. A realização é da 100 Open Startups.

Durante o ano, o evento terá a participação dos principais programas de Open Innovation do país, no formato de webinars. Os líderes em inovação destas grandes empresas vão descrever as visões de oportunidades para startups e também vão abordar macro temas ao longo da semana. Nesta primeira semana os assuntos são: Sociedade da Informação, Saúde e Bem-estar, Energia e Indústria do Futuro.

Na quinta-feira (21), aconteceu o quarto dia com o tema central sobre “Indústria do Futuro – o que aprendemos e quais os novos desafios”, que teve as participações de Zaima Milazzo, presidente da Algar Brain, Angelo Figaro, CIO da Renault Nissan América Latina, Rodrigo Carazolli, gerente geral de Inovação da Arcelor Mittal, Denis Chamas, transformation manager da Philip Morris Brasil, Carolina Rodrigues, head de R&D connect e develop section para América Latina da Procter & Gamble, Bruno Rondani, CEO da 100 Open Startups, e Leonardo Gomes, professor da FEA-USP.

Veja abaixo alguns dos principais destaques dos participantes e o vídeo na íntegra no topo deste texto.

Desafios da inovação aberta na indústria

 A presidente da Algar Brain comentou sobre o modelo de mensuração dos projetos de inovação na empresa. “A gente usa um OKR que mede a aquisição de ideias e ideias qualificadas, depois a ativação com a quantidade de business cases que conseguimos aprovar na organização, depois a etapa de retenção, onde a gente mede a quantidade de business plans que são inseridos na estrutura de orçamento das organizações, então os projetos que realmente geram receita na etapa de escala e no final o quanto o Brain está sendo referência em inovação, o ENPS dos colaboradores e a quantidade de clientes impactados pelas nossas soluções.”

Enquanto isso, a head de R&D connect e develop section para América Latina da Procter & Gamble abordou o processo após o acordo com uma startup, como acontece o desenvolvimento com o público interno, se é realizado um processo de mentoria. “Aqui na P&G estamos trazendo a metodologia de startup mentality, para incorporar esta cultura dentro da inovação da empresa. E nós, líderes de inovação aberta na empresa, precisamos trabalhar em conjunto com as startups e com a empresa.

Já o CIO da Renault Nissan América Latina falou a respeito do fundo de investimento da empresa para inovações. “Hoje, dedicamos particularmente a parte de indústria 4.0 e fomentação de inovações para a área de comércio no geral.”

O gerente geral de Inovação da Arcelor Mittal comentou sobre como engaja as áreas internas para o relacionamento com as startups. “São várias as estratégias de utilizamos para isso, desde a seleção de dores que façam realmente sentido para a área, e consequentemente ela terá interesse, até o envolvimento dos gestores da área para que deem apoio a iniciativa, trazer o time técnico junto e aportes em MVPs separados pelas áreas, para que queiram ver o resultado. Mas o principal engajador no final do dia é o resultado.”

E o  transformation manager da Philip Morris Brasil destacou como as startups normalmente se relacionam com as iniciativas de inovação aberta da companhia. “A gente não tem uma área específica, isso fica bem diluído dentro da organização, especial dentro das áreas de competência de cada um. Se a gente tem algum desafio comercial, nos conectamos de forma bem orgânica para conseguir resolver estes desafios e endereçar.”

Indústria na Open Innovation Week

Acompanhe o quinto dia da primeira semana da Oiweek, nesta sexta-feira, na nossa página inicial, aqui do Whow!, ou no perfil da 100 Open Startups no YouTube, entre 15h e 17h30, novamente com o tema “Indústria do Futuro – o que aprendemos e quais os novos desafios”.

Os palestrantes do dia serão: Mirella Lisboa (Basf), Stephanie Blum (BRF), Daniel Dias (Solvay), Sydney Rebello (Bayer) e Juliana Glezer (Nestlé).


+NOTÍCIAS

Os melhores locais de trabalho para os inovadores
Bactéria com DNA 100% sintético pode impulsionar novos tratamentos médicos

Conheça as principais barreiras para inovação na área de marketing
Veja os países mais inovadores do mundo