Como fica o crédito para scale-ups em tempos de crise? - WHOW
Eficiência

Como fica o crédito para scale-ups em tempos de crise?

Veja as dicas da Endeavor para que essas empresas consigam gerenciar seu caixa durante a crise da Covid-19 que afeta o mundo inteiro

POR Luiza Bravo | 07/04/2020 16h28 Como fica o crédito para scale-ups em tempos de crise? Foto ilustrativa (Pixabay)

As últimas semanas têm sido de muita apreensão no mercado financeiro. Diante das incertezas causadas pela pandemia do novo coronavírus, investidores de todo o mundo recuaram, transformando as principais bolsas de valores em verdadeiras montanhas-russas.

Os efeitos da Covid-19 na economia prometem se estender pelos próximos meses, e as perspectivas são, até o momento, nada animadoras. Mesmo com alguns negócios crescendo em meio à crise, a grande maioria das empresas está sofrendo com a situação atual, especialmente as que ainda não se consolidaram no mercado. Mas as scale-ups se destacam positivamente neste cenário de incerteza.

Elas são definidas como empresas que crescem pelo menos 20% ao ano, por três anos consecutivos, em número de funcionários ou receita. Além disso, são caracterizadas pelo modelo de negócios escaláveis, que consigam aumentar sua margem de lucro mais do que o número de funcionários.

Movimento das scale-ups

Além do ritmo de crescimento, uma das principais diferenças entre uma startup e uma scale-up é a confiança em torno do retorno sobre o investimento (ROI). As scale-ups já sabem o que funciona e como ser lucrativa, o que as torna muito mais interessantes para os investidores. Mas os impactos do coronavírus estão sendo sentidos por essas empresas também.

O esforço delas se voltou, agora, para a geração de caixa: mais importante do que crescer é sobreviver. De olho nesse cenário, a Endeavor montou uma lista com dicas para que as scale-ups consigam ter acesso a capital em meio a essa crise.

A organização recomenda que os CEOs envolvam as lideranças das empresas e comuniquem quais ações serão tomadas, estabelecendo um cronograma para avaliação e tomada de novas decisões. A consultoria também sugere que cada diretor fique responsável por apenas um projeto, controlando melhor seus orçamentos e prazos. Além disso, é recomendável que toda a equipe seja envolvida na solução do problema de forma otimista.

Outra dica da organização é que as estratégias de negócios das scale-ups sejam feitas com base em um cenário pessimista, considerando possibilidades como queda drástica de receita, alteração de custos e pouco ou nenhum acesso a recursos externos.

scale ups Foto ilustrativa (Pixabay)

Crédito em tempos de crise

A Endeavor também faz uma série de recomendações específicas para que as scale-ups lidem de forma mais amena com as dificuldades financeiras impostas pela crise, evitando, assim, afundar em dívidas. As principais são:

· Cortar excessos de despesas administrativas, como gastos de marketing, já que a demanda está reduzida no momento;

· Investir apenas em canais que possuem retorno imediato;

· Buscar bancos que estejam oferecendo linhas de capital de giro com maiores prazos de pagamento e carência;

· Renegociar o fluxo de pagamentos de fornecedores e com os bancos, a partir de projeções conservadoras de fluxo de caixa;

· Avaliar os pagamentos que podem ser adiados ou ter as datas alteradas para que casem com o fluxo de recebíveis;

· Avaliar quais fornecedores podem ser cancelados ou ter os serviços revistos em relação a valores ou quantidade de serviços prestados;

· Rever sua política de garantias.

Segundo os mentores da Endeavor, o aumenta na demanda por crédito tem gerado maior demora nas análises e aprovações, por isso, é preciso planejamento.

Além disso, na última semana, os bancos encareceram o custo da dívida, em média, 30% a 40%, e também aumentaram as garantias solicitadas. A recomendação é que as scale-ups busquem suporte com grandes bancos, que são mais fortes e tendem a ser mais resistentes à crises.

investimentos Arte (Grupo Padrão)



+INVESTIMENTOS

20 startups brasileiras receberam investimentos em fevereiro; 5 aquisições
9 startups brasileiras receberam investimentos em janeiro 2020

14 startups brasileiras receberam investimentos em dezembro
13 startups brasileiras que receberam investimentos em novembro