Conheça startups com tecnologia para a leitura da mente; uma delas foi comprada pelo Facebook  - WHOW
Whow

Conheça startups com tecnologia para a leitura da mente; uma delas foi comprada pelo Facebook 

Holding de Mark Zuckerberg fecha acordo com a CTRL-Labs, que desenvolve tecnologia para leitura da mente e simplificação de etapas do dia a dia

POR Carolina Cozer | 24/09/2019 23h28

Nesta segunda-feira (23), o Facebook anunciou a aquisição da CTRL-Labs, startup nova-iorquina de tecnologia de interfaces neurais que desenvolve uma pulseira capaz de realizar a leitura da mente para controlar avatares digitais.

O Facebook não quis revelar o valor da compra, mas de acordo com a Bloomberg estimasse-se que a CTRL-Labs estava em busca de US$ 500 milhões a US$ 1 bilhão. 

O acordo foi oficializado em uma publicação de Andrew Bosworth, vice-presidente de realidade virtual e aumentada do Facebook, que afirma que a CTRL se juntará à Reality Labs para construírem tecnologias mais intuitivas e interativas.

“Passamos tempo demais tentando fazer com que a tecnologia faça o que queremos, em vez de estarmos aproveitando as pessoas ao nosso redor. Sabemos que existem maneiras mais naturais e intuitivas de interagir com dispositivos e tecnologia – e nós queremos construí-las”, contou Bosworth em sua rede social. 

tecnologia Foto (divulgação CTRL-Labs)

Cérebro e tecnologia trabalhando juntos 

A CTRL-Labs desenvolveu uma pulseira que detecta os sinais que o cérebro humano envia para as mãos e dedos, e os transfere para uma tela.

De acordo com a explicação de Bosworth, a pulseira decodifica os sinais da medula espinhal, que enviam sinais elétricos para os músculos das mãos e os converte em um sinal digital que dispositivos são capazes de entender e realizar a leitura da mente.

Da mesma forma que não precisamos dar comandos diretos ao cérebro para que nossos membros se mexam, a pulseira funcionaria como uma extensão natural desse movimento, para que seja possível controlarmos nossos dispositivos desta forma. Assim, será possível ter mais controle sobre a vida digital e ganhar tempo, que poderá ser aproveitado com outras coisas.

Bosworth também diz que a pulseira da CTRL-Labs será fundamental no desenvolvimento de novas maneiras de interagir com as máquinas sem a necessidade de configurações tradicionais de mouse, teclado, touchscreen ou qualquer forma de controlador físico.

Desde o início deste ano o CTRL-Labs já está no radar de investidores. Em fevereiro, a empresa de tecnologia fechou uma rodada de financiamento de US$ 28 milhões liderada pela GV, elevando seu capital total para US$ 67 milhões.

O mercado de neurotech foi de US$ 8,4 bilhões em 2018 e chegará a US$ 13,3 bilhões em 2022, de acordo com a Neurotech Reports.

Muita coisa ainda está por vir, com o desenvolvimento de aplicativos para medicina, jogos, redes sociais e muito mais.

https://www.youtube.com/watch?v=FkCv8v7wZTU

Decodificando a mente para simplificar processos

Outros startups norte-americana que também desenvolve uma tecnologia interface cérebro-computador, é a Neurable. Localizada em na cidade de Boston, a empresa possui um software que usa aprendizado de máquina para medir e classificar sinais de eletroencefalograma em tempo real, permitindo que um jogo em VR (ou RV, realidade virtual, em português) seja controlado pela mente.

Criado pelo neurocientista Ramses Alcaide e seus colegas da Universidade de Michigan em 2016, o software da Neurable, que funciona através de um capacete com eletrodos, captura dados das ondas emitidas pelas emoções, gerando informações relevantes que cortam etapas nos processos corporativos.

Em 2017 a empresa lançou um jogo de ficção científica distópico chamado Awakening, que funciona através de seu dispositivo e pode ser jogado totalmente através da leitura da mente, e tem sido apresentado em eventos de tecnologia e inovação, nos Estados Unidos.

Até o momento, a Neurable já arrecadou US$ 7,2 milhões de diversos investidores, como Mithril Capital Management, Loup Ventures, NXT Ventures e a BOSS Syndicate.


+ STARTUPS

Do iFood ao consultório médico: como a inteligência artificial está mudando o mercado
Mais um unicórnio brasileiro: Loggi já vale US$ 1 bilhão
Todos os 62 unicórnios que surgiram em 2019
Empresas tradicionais se reinventam na era dos aplicativos