Conheça as principais cidades inteligentes do mundo - WHOW
Tecnologia

Conheça as principais cidades inteligentes do mundo

Ranking elaborado pela escola de negócios suíça IMD coloca Cingapura no topo. São Paulo e Rio de Janeiro também aparecem na lista

POR Adriana Fonseca | 27/11/2019 19h17 Conheça as principais cidades inteligentes do mundo Foto (Pixabay)

Entre 102 cidades analisadas, Cingapura ficou no topo do ranking das principais cidades inteligentes do mundo em 2019, segundo a lista elaborada pela primeira vez este ano pela escola de negócios suíça IMD. Seguem a cidade asiática nas dez primeiras posições Zurique (Suíça), Oslo (Noruega), Genebra (Suíça), Copenhagen (Dinamarca), Auckland (Nova Zelândia), Taipei (Taiwan), Helsinque (Finlândia), Bilbao (Espanha) e Düsseldorf (Alemanha).

Para chegar à lista, o IMD levou em conta a percepção das pessoas que moram nas cidades, aspectos econômicos, tecnológicos e “dimensões humanas”.

“O ponto de vista dos cidadãos é fortemente levado em consideração, pois ilumina a importância de alinhar políticas com suas vidas e necessidades”

 IMD, comentou a escola ao divulgar o ranking

Em sua análise, a faculdade suíça avalia os esforços e o sucesso de uma cidade em adotar tecnologias inteligentes para melhorar a vida de seus cidadãos, podendo assim classificar cada cidade em um determinado nível de “inteligência”.

cidades inteligentes Foto (Pixabay)

Principal características das cidades inteligentes

Embora não exista uma estratégia perfeita e única para se tornar uma cidade inteligente, as três localidades mais bem avaliadas em 2019 têm uma pontuação alta para suas “estruturas”, item que avalia como os serviços são disponibilizados aos cidadãos.

A qualidade de vida das pessoas – incluindo meio ambiente, segurança, acesso a serviços de saúde e educação, mobilidade e interação social – também desempenha cada vez mais um papel proeminente nas aspirações dos cidadãos por “cidades inteligentes” em todo o mundo.

No entanto, ressalta o IMD, é imperativo levar em consideração que as preocupações e aspirações dos cidadãos variam amplamente, dependendo da cultura e dos ambientes socioeconômicos. Por isso, no desenvolvimento de uma cidade inteligente é importante o foco em preencher a lacuna entre as prioridades das autoridades municipais e as que são relevantes para seus cidadãos.

cidades inteligentes Foto Maurício Mascaro(Pexels)

Gap entre tecnologias e cidadãos

O ranking do IMD constatou que muitas tecnologias permanecem amplamente ignoradas pelas populações locais as quais deveriam se beneficiar de seu uso, o que exige melhorias em muitos países.

Diminuir esse “gap”, aliás, é um dos objetivos do ranking.

“As cidades inteligentes estão se tornando ímãs de investimento, talento e comércio”, comentou Bruno Lanvin, presidente do observatório de cidades inteligentes do IMD, reconhecendo, no entanto, que muito esforço foi feito em áreas desconectadas das aspirações de longo prazo dos cidadãos.

“O ranking pretende preencher uma lacuna, sendo uma referência e uma ferramenta de ação para construir cidades inclusivas e dinâmicas”

Bruno Lanvin, presidente do observatório de cidades inteligentes do IMD

No ranking das cidades mais inteligentes há duas localidades brasileiras entre as 102 listadas: São Paulo (90ª posição) e Rio de Janeiro (96ª). A América Latina também foi representada por Santiago (86ª), Buenos Aires (87ª), Cidade do México (88ª), Medelín (91ª) e Bogotá (98ª).

No Rio, de acordo com os respondentes, as áreas prioritárias de atenção são segurança, desemprego, corrupção e educação. Em São Paulo foram mencionados os mesmos itens, mudando apenas a ordem: segurança, desemprego, educação e corrupção.


+CIDADES INTELIGENTES

Políticos discutem inovação e empreendedorismo nas cidades inteligentes do Brasil
Cidades inteligentes: dados e tecnologia a favor da mobilidade
Aplicativo com leilão de preço chega a SP para competir com Uber e 99
São Paulo testa novos meios de pagamento no transporte público
Tendências e o futuro da Internet das Coisas