Conheça a parceria entre Whow! e 100 Open Startups - WHOW
Pessoas

Conheça a parceria entre Whow! e 100 Open Startups

Veja como as duas plataformas vão trabalhar para desenvolver ainda mais o ecossistema de inovação no Brasil, com o foco nos negócios

POR Redação Whow! | 03/04/2020 13h21 Conheça a parceria entre Whow! e 100 Open Startups Arte Grupo Padrão (Mike Almeida)

Você talvez já saiba que o Whow!, plataforma de inovação para negócios, e a 100 Open Startups, rede que conecta empresas e startups para geração de negócios, já atuam em conjunto no evento Whow! Festival. Mas esta parceria vai muito além.

E para descrever todos as características desta parceria, entrevistamos Roberto Meir, CEO do Grupo Padrão e criador do universo Whow!, e Bruno Rondani, CEO da 100 Open Startups, sobre a combinação de conhecimentos para a evolução do ecossistema de inovação para negócios no Brasil. Acompanhe.

Whow!: O que motivou esta parceria e quais são os objetivos dela?
Roberto Meir
: A parceria vai contribuir de forma fundamental para a gente realmente ter inovações incrementais ou que produzam resultados, e que sejam percebidas, para que possamos ter uma inserção mais global de um País que só cresceu vendendo commodities.
Bruno Rondani: A parceria da 100 Open Startups, com o Grupo Padrão, tem como objetivo fortalecer cada vez mais o Whow! como um festival de inovação do porte de eventos dessa natureza que são referência no mundo, como WebSummit e South by Southwest (SXSW). Temos um ecossistema maduro o suficiente, que sustenta essa ambição.

W! Quais características a 100 OS poderá agregar ao Whow!?
RM: Como o Whow! se tornou o mais importante evento focado em negócios no Brasil e a 100 Open Startups sempre procurou trazer para o seu portfólio o melhor das startups e empreendedores no País, nós vimos que esta seria uma parceria ganha-ganha. Nós visamos consolidar o ecossistema de inovação no Brasil, tendo em vista o empreendimento do Whow! para torná-lo o ponto de encontro de todo o mercado latino-americano, seja de startups, investidores e  empresas que visam inovar em um mercado cada vez mais comoditizado. Se as empresas não saírem da rotina e criarem o novo dificilmente vão conseguir render o consumidor ao seu negócio.
BR
: A 100 Open Startups é uma rede de open innovation que hoje mobiliza mais de 10.00 startups de 714 cidades em 52 países. Com a nossa plataforma digital e presença em eventos, nós já facilitamos, ao longo do ano, oportunidades de negócios entre essas startups e grandes empresas. Mas essa quantidade de empreendedores que estão trazendo inovação para o mercado precisava de um grande palco, preparado especialmente para eles. Então, o Whow! será esse grande ponto de encontro. Faremos o maior evento de negócios para startups que já vimos no país. Teremos grandes empresas apresentando seus programas e oportunidades de inovação aberta, a cerimônia de premiação do Ranking 100 Open Startups 2020 e, também, nosso maior evento de Speed-Dating entre startups e atores do mercado realizado até hoje.


W!: Como o Whow! poderá ajudar a 100 OS na sua expansão?

BR
: O Whow! será o palco para receber essa grande rede digital que temos hoje, ou seja, ele nos ajuda a “materializar” essa rede. Além disso, também marca o fechamento de um ciclo no nosso calendário anual. Esse ciclo que se inicia com as novas relações de mercado criadas e com os desafios lançados, e que culmina nesse grande momento de reconhecimento e reunião das startups que mais fizeram negócios no ano anterior, que é a cerimônia de premiação do Ranking 100 Open Startups.

W!: Quais são os planos para médio e longo prazo desta parceria?
RM: O nosso objetivo é mostrar para as empresas brasileiras como se conduzir projetos de inovação. O sistema hoje é muito fragmentado e focado em produtos, seja com aceleradoras e coworkings, não há uma unidade. E quando colocamos sob um só teto da plataforma Whow! (site e evento) – e durante toda a jornada das startups que querem se conectar às empresas para ajudá-las na performance, e realmente produzir uma mudança marcante –, queremos influenciar positivamente os gestores de inovação, que ficam muito isolados do círculo corporativo.
BR
: Queremos fazer o principal evento de negócios do Brasil. Já conseguimos, em um único evento, chegar a 2 mil relacionamentos iniciados entre startups e grandes empresas, mas queremos bater 10 mil relacionamentos iniciados nesta edição do Whow! Queremos que, com essa quantidade de negócios, a rede gere uma força e intensidade proporcional ao tamanho da nossa economia, facilitando o processo de inovar ou de se trabalhar projetos inovadores. Queremos atrair uma massa crítica que forme referências, benchmarks de negociação, que um inspira o outro, como já vemos em eventos que são referências mundiais, como o SXSW e o WebSummit. Acreditamos que o ecossistema tem essa densidade, esse volume e esse porte, e precisamos desse palco, desse ambiente que possa servir de convergência de todo esse potencial que existe na rede.


W!: Quais públicos essa parceria pretende atingir e como quer desenvolver o ecossistema de inovação no Brasil?

RM: É importante trazer para o mundo da inovação os tomadores de decisões de um negócio, que têm contato com o cliente, para eles mesmos entenderem e sentirem como os avanços desta plataforma e dos negócios de inovação podem realmente trazer resultados para as empresas. Precisamos somar com os líderes de inovação para dar insumos para quem eles influenciem positivamente nas empresas nas quais atuam. Porque muitas vezes eles têm uma voz que é um eco em um universo.
BR
: Existe uma conexão entre os públicos do Whow! e da 100 Open Startups, que são, de um lado, as startups e os cientistas que estão desenvolvendo tecnologias e soluções, e, do outro, as grandes empresas e investidores buscando essas soluções para resolver seus desafios. Hoje temos um ecossistema bem mais maduro, com mais de 200 grandes empresas fazendo open innovation, mais de 1.200 startups que fecharam negócios com grandes empresas, cerca de 300 investimentos institucionais de venture capital no Brasil, somando quase US$ 9 bilhões.

Então, a ideia é justamente unir todo esse potencial com um público criativo, de pessoas de diferentes origens, setores, artistas, designers, pessoas que desenvolvem conteúdo e podem disseminar ideias e promover impacto em negócios. Queremos desenvolver o ecossistema fazendo a conexão desses públicos, onde a ação de um impacta positivamente a ação do outro, e onde se cria esse ambiente de cocriação e construção, a partir dessa colaboração.

Whow!


+INOVAÇÃO

Estudos mostram como a inovação disruptiva traz eficiência para os mercados
Inovação é o principal fator de valorização das marcas no Brasil, aponta estudo
O segredo da inovação é “hackear” o próprio negócio
Qual é a relação entre cultura e inovação?