Como serão os escritórios em um futuro pós-pandemia? - WHOW
Tecnologia

Como serão os escritórios em um futuro pós-pandemia?

Sensores automáticos de temperatura, banheiros autolimpantes e luzes UV estão entre as tendências divulgadas para os escritórios do futuro pós-pandemia

POR Carolina Cozer | 06/08/2020 09h00 Como serão os escritórios em um futuro pós-pandemia? Imagem ilustrativa (Pixabay)

Um estudo publicado pela plataforma de dados CB Insights revelou as tendências para os escritórios e suas vindouras tecnologias adaptadas para a prevenção de surtos virais. O relatório aborda algumas das inovações, para o futuro pós-pandemia, que prometem ajudar a manter a sociedade em segurança para o trabalho presencial, que vão desde faxinas autônomas até sensores IoT de contagem de pessoas.

Mais voz, menos toque

Há alguns anos o mundo tem discutido a ascensão das tecnologias de voz, como os speakers, robôs de voz e navegação web sem toque, por exemplo. Essa tendência nunca esteve tão próxima da realidade, uma vez que evitar toques se tornou uma medida sanitária essencial.

Agora, além dos dispositivos touchless que já conhecemos, outros deverão ser normalizados, como catracas sem toque para entrada de prédios públicos e elevadores ativados por voz. 

Sensores automáticos de temperatura corporal também poderão estar presentes nas entradas dos estabelecimentos, segundo o CB Insights. Estes sensores inteligentes, inclusive, poderão ser capazes de enviar diagnósticos automaticamente para hospitais, antecipando a ação médica no tratamento de possíveis infectados.

Dentro dos escritórios, os dispositivos conectados serão mais do que essenciais para que as pessoas possam dar comandos de voz e desempenhar atividades simples, como abrir portas e acender luzes, ou ativar computadores, cafeteiras, telefonar e etc.

futuro pós-pandemia Imagem ilustrativa (Unsplash)

Respirando novos ares

Uma abordagem bastante funcional, instalada em espaços públicos na China, foram as luzes UV, capazes de matar patógenos no ar. Sistemas de tratamento de ar que neutralizam bactérias nocivas, incluindo coronavírus, já são realidade, e podem ser facilmente colocados em cômodos e elevadores.

Novos métodos de filtragem, como a ionização bipolar ― já usada na área da saúde ― estão começando a ganhar o interesse de grandes corporações. O método utiliza eletrodos de alta voltagem para produzir íons reativos que interferem nos contaminantes transportados pelo ar.

Sensores de distanciamento social

No dia a dia é difícil manter-se no controle de todos os passos, 100% do tempo. Por isso, o mercado promete lançar sensores que monitoram e emitem alertas de aproximações quando ultrapassam o permitido, ou quando há excesso de pessoas em um mesmo ambiente.

Arquiteturas também serão remodeladas para que trabalhadores tenham mesas e assentos separados a distâncias seguras. Os escritórios também poderão estabelecer novas regras, como solicitar que pessoas não acumulem pertences pessoais nas mesas e gavetas, para permitir uma melhor limpeza, ou também limitar o número de sacolas ou outros objetos carregados para dentro das salas.

Futuro pós-pandemia com banheiros e limpeza autônoma

Será que está chegando a hora do robô de limpeza Rosie, de Os Jetsons, se tornar realidade? Pois o CB Insights indica que algo muito parecido pode acontecer.

Dispositivos de toque obrigatório, como vasos sanitários, pias, maçanetas e teclados deverão se tornar autolimpantes, por exemplo. Estações de limpeza para smartphones, posicionadas na entrada dos estabelecimentos, também deverão se tornar comuns.

Para pisos, robôs de limpeza, como os famosos Roombas, terão habilidades adicionais de purificação e prevenção de vírus e bactérias. Scanners que detectam presença de patógenos, já existentes no mercado alimentício, serão ampliados para que possam fazer leitura de objetos e mãos.

Por fim, startups já estão desenvolvendo robôs totalmente autônomos para limpar banheiros, treinados através realidade virtual. Estes robôs também poderão ser capazes de recarregar e reabastecer suprimentos sem assistência humana, e até se mover entre pisos e abrir portas por conta própria.


+NOTÍCIAS

A Covid-19 abriu as comportas para as cidades inteligentes
5 inovações em TI alavancadas pela pandemia
Como ter uma startup de destaque em meio à uma “selva de unicórnios”?
6 grandes tendências em tecnologia para este ano