Como planejar o retorno ao escritório em 2022 - WHOW

Eficiência

Como planejar o retorno ao escritório em 2022

Flexibilidade, produtividade e saúde mental são alguns dos pontos de atenção para o retorno aos escritórios em 2022

POR Redação Whow! | 07/12/2021 17h31

Por Raphael Tavares, CRO do Escala App

A pandemia começa a dar sinais de controle, permitindo o retorno de algumas atividades, como o trabalho presencial, e diversas empresas já deram início à volta dos colaboradores aos escritórios, em especial com a opção de um modelo híbrido de serviço feita pelos empreendedores.

Entretanto, muito mais do que discutir o retorno presencial, o momento é de refletir sobre outros aspectos que impactam na segurança e bem-estar dos funcionários. Afinal, as inúmeras adaptações feitas de 2020 para 2021, trouxeram à tona questões fundamentais, que não podem mais ser deixadas de lado em 2022. Veja a seguir como as empresas tendem a ganhar dando mais atenção aos colaboradores no retorno:

  1. O trabalho remoto veio pra ficar

Não faltaram pesquisas nos últimos meses sobre o trabalho remoto e a satisfação dos funcionários com o modelo. Uma delas, realizada pela Fundação Instituto de Administração (FIA), mostrou que 91% dos funcionários entrevistados avaliaram a experiência em home office como ótima ou boa. Por que não continuar investindo nisso?

O que fazer: se na sua empresa há setores que podem adotar esse modelo, ofereça a opção. Embora tenha se popularizado recentemente, o teletrabalho já é regulamentado pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) desde 2017. Estabeleça diretrizes e formalize a jornada de trabalho remoto. Para controlar entradas e saídas, ferramentas como aplicativos podem ser úteis.

  1. Produtividade não tem a ver com tempo

Produtividade nada mais é do que trabalhar de maneira eficiente. E isso não tem a ver com tempo – passar o dia todo trabalhando não significa ser mais produtivo. Mas, para ser produtivo, é preciso estar concentrado e descansado. Horas de trânsito antes de chegar ao escritório podem prejudicar a produção, ao passo que trabalhar de casa gera ganho de tempo para colocar outras tarefas em dia, e focar no serviço com a mente repousada.

O que posso fazer: flexibilidade é a palavra de ordem para as empresas a partir de agora. Dar autonomia ao funcionário para exercer suas funções, seja trabalhando do local que lhe for mais conveniente, seja cumprindo suas demandas no horário que preferir (nem todo mundo tem energia logo cedo, não é mesmo?), reflete diretamente na produtividade. Afinal, essa característica tão exigida pelo mercado tem mais a ver com motivação. O que a sua empresa tem feito para motivar e engajar os colaboradores?

  1. Saúde mental é fundamental

Outro assunto que veio à tona durante a pandemia. Casos de burnout, ansiedade e depressão se tornaram mais frequentes, mas, embora tenha sua parcela de responsabilidade, não culpe 100% ao vírus: as empresas podem e devem promover ações que prezam pelo bem-estar dos seus funcionários, evitando estresse, excesso de demandas e agindo com compreensão. 

O que posso fazer: boa parte dos desgastes emocionais no âmbito profissional acontecem devido à carga elevada de demandas. Alerte seu time de gestores e de RH para atentarem-se às cargas horárias e garantirem que não haja sobrecarga. Eventos de interação social e programas de saúde mental são outras medidas úteis. Também vale capacitar os gestores para que ouçam sua equipe e coloquem em prática essa nova cultura.

  1. Bons hábitos são sempre bem-vindos

Lavar as mãos – e, na ausência de água e sabão, utilizar álcool em gel –, usar máscara e evitar o compartilhamento de objetos pessoais foram medidas repetidas à exaustão para conter o avanço do coronavírus. Mas, desde sempre, eles são úteis para evitar a propagação de doenças. Assim, essas práticas devem continuar sendo incentivadas, também no meio profissional.

O que posso fazer: mantenha os colaboradores bem informados. Palestras com profissionais de saúde que reforcem a importância desses hábitos, são boas alternativas para que todos entendam sua necessidade. Em sua estrutura física, a própria empresa também deve estar munida desses recursos.

Próximos passos

Tendo em mente todo esse contexto, o primeiro passo é avaliar o que faz sentido para a sua empresa. Se o trabalho remoto pode ser mantido, ainda assim há a possibilidade de promover alguns encontros presenciais no escritório, como reuniões e eventos, mantendo os cuidados. 

Independentemente do sistema de trabalho escolhido, olhar para o bem-estar dos funcionários é essencial. Muitas empresas têm aderido à políticas como o auxílio psicológico – uma pesquisa da Catho publicada em outubro mostrou que houve um crescimento de 1.215% de vagas oferecendo esse benefício.

Converse com suas equipes de gestores e de RH e entenda como programas de saúde mental podem ser implementados com os colaboradores. A expectativa é de retomada, mas se medidas do passado já se mostraram funcionais, não é preciso voltar atrás. O último ano foi difícil e desafiador, mas também trouxe reflexões importantes. Olhe para o que funcionou e pense em novas alternativas, lembrando sempre que o que melhor se aplica à sua empresa, só o seu time poderá dizer: ouça quem trabalha com você!

*Raphael Tavares é Chief Revenue Officer (Diretor de Marketing, Vendas e Sucesso do Cliente) da startup Escala, HRTech que oferece uma solução para aumentar a transparência da gestão e agilizar a elaboração de escalas de trabalho, plantões e turnos.