Cocriar: o processo de desenvolver produtos junto com os clientes - WHOW

Inovação

Cocriar: o processo de desenvolver produtos junto com os clientes

O conceito de cocriar está ligado à busca pela inovação, sobretudo, por meio de uma parceria entre empresa e clientes.

POR Marcelo Almeida | 23/10/2021 08h58

A origem do termo cocriar pode ser remontada aos anos 2000, sobretudo com a disseminação do conceito por obras como “A Empresa Co-Criativa” de Venkat Ramaswamy e Francis Gouillart. No mundo dos negócios, o principal significado do termo está ligado à busca pela inovação, sobretudo, por uma parceria entre empresa e clientes.

Nesse sentido, a cocriação tem a ver com a inovação capitaneada pelas empresas por meio do engajamento de clientes e de pessoas em geral, dando à companhia o benefício de ter uma série de feedbacks e ideias sobre o produto que não teriam de outro modo.

Além disso, engajar o consumidor nesse processo, mesmo que ele não seja necessariamente remunerado, acaba por gerar um maior vínculo com a marca e o produto que está sendo desenvolvido, indo muito além do que um processo de compra seria capaz, já que o consumidor sente que foi, de fato, um dos criadores do produto.

Mas o mais importante é que, na origem do termo, temos a ideia de criação em conjunto, de compartilhar ideias para chegar a uma solução, enfim, de simplesmente estar disposto a chegar a uma solução a um problema com outra pessoa.

Cocriar: um processo criativo

Muitas vezes o processo criativo é romantizado na figura do gênio criativo que febrilmente vai criando as notas de uma sinfonia, como Mozart na sua representação no filme Amadeus, ou do gênio da tecnologia que, embora não seja a pessoa mais ajustada socialmente, tem um grande faro para negócios e acaba criando uma das maiores empresas do mundo a partir de uma ideia no dormitório de sua faculdade.

O importante é que o processo criativo, ao contrário dessa romantização persistente, geralmente é fruto de empreitadas coletivas, de talentos que se somam e acabam gerando algo refinado e capaz de gerar valor no mercado.

Mesmo no caso do Facebook de Mark Zuckerberg na história aludida acima, também ele tinha um parceiro que criou o algoritmo base da rede social, o que depois levaria a uma enorme batalha judicial (retratada em outro filme, A Rede Social).

Novas práticas em um mundo mais colaborativo

A questão é que, independente de ideias geniais, hoje em dia toda mente brilhante precisa de um time habilidoso por trás caso queira ser competitivo no mundo dos negócios.

Nesse sentido, o conceito de cocriar ganha o sentido de um desenvolvimento permanente das soluções oferecidas por uma empresa aos clientes, tornando-as mais eficientes e mesmo gerando novas ferramentas a partir das demandas e feedback proporcionados pelos clientes.

Também os clientes, hoje em dia, são parceiros de criação quando têm uma plataforma para manifestarem aquilo que faltou nas suas experiências com os produtos, o que poderia ter sido oferecido de melhor forma em um serviço, etc.

Iniciativas que permitem a cocriação já são bastante difundidas, como no caso de software livres, que possibilitam a qualquer pessoa ter acesso ao seu código-fonte e fazer as alterações e melhorias que quiser, inclusive criando a sua própria versão de um aplicativo ou de um sistema operacional, por exemplo.

Esse processo só deve se intensificar na medida em que as soluções para desenvolvimento em conjunto de sistemas, softwares, etc, na nuvem se tornam cada vez mais difundidos.