Carne em 3D? Startup de Israel promete para 2021 - WHOW
Tecnologia

Carne em 3D? Startup de Israel promete para 2021

Por enquanto a startup está testando seu “Alt-Steak” em restaurantes de luxo de Israel. Mas a ideia é lançar as impressoras 3D em escala industrial

POR Patrícia Büll | 16/07/2020 20h57 Carne em 3D? Startup de Israel promete para 2021 Foto Redefine Meat (divulgação)

A produção e consumo de carne estão em xeque no mundo todo. Impactos negativos no uso de água doce e aumento do desmatamento são alguns dos problemas associados. Este último, inclusive, pode causar a demissão do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Nesse cenário, não faltam ativistas buscando saídas, tanto relacionadas ao meio ambiente quanto à produção de animais. Um desses grupos fez mais: está lançando uma carne desenvolvida a partir de uma impressora 3D. Isso mesmo, a Redefine Meat, startup com sede em Israel, usa a impressora para criar um bife à base de plantas, utilizando como matéria-prima proteína de ervilha e soja.

De acordo com a empresa, a ideia é substituir o processo tradicional de produção de carne, por impressoras. De olho, é claro, nos mercados veganos e vegetarianos, que não param de crescer. Dados da Euromonitor international apontam para um mercado com potencial de gerar US$ 51 bilhões em faturamento.

Assista abaixo como acontece a criação da carne desenvolvida em um impressora 3D.

Números crescentes da carne

Mesmo que você seja apreciador de um suculento bife, não dá para ignorar alguns dados. Segundo o Fórum Econômico Mundial a produção de um único quilo de carne consome 15 mil litros de água. Sem falar nas crescentes áreas verdes devastadas para dar espaço à produção de soja e de criação de rebanhos.

Estudos também mostram os benefícios para a saúde na redução do consumo de carne. Um relatório publicado no Jama, o jornal da Associação Americana de Medicina, demonstrou que comer duas porções de carne vermelha, processada ou de aves, por semana, aumenta entre 3% e 7% o risco de se desenvolver uma doença cardiovascular.

Não é de estranhar, portanto, que surjam alternativas à produção de carne animal. No caso da Redifine Meat, a tecnologia desenvolvida promete produtos em 3D com a mesma aparência, textura e sabor da carne animal, mas usando ingredientes naturais e sustentáveis.  Tudo que falta – dizem os sócios – nos produtos disponíveis hoje no mercado.

Por enquanto a startup está testando seu “Alt-Steak” em restaurantes de luxo de Israel. A ideia neste primeiro momento, idza empresa, é testar o produto e fazer aperfeiçoamentos a partir de feedback. Mas a ideia é lançar as impressoras 3D em escala industrial a partir de 2021, começando por distribuidores de carne. Esses ficarão responsáveis em fornecer para restaurantes e outros serviços de alimentação.

“Também estamos conversando com varejistas. Mas supermercados e lojas de alimentos virão após essa primeira fase”, informou a empresa por e-mail.


+NOTÍCIAS

Tendências tecnológicas e o seu impacto no mercado de turismo
Tendência no mundo, home office é um dos benefícios mais procurados, segundo pesquisa
O fim da improdutividade: como as startups combatem a ineficiência no mundo corporativo
Inovação é o principal fator de valorização das marcas no Brasil, aponta estudo