Brechós transformam o setor de vestuário brasileiro - WHOW

Consumo

Brechós transformam o setor de vestuário brasileiro

Além de ser uma forma de comércio mais em conta, os brechós também são sustentáveis. Saiba como eles estão conquistando cada vez mais espaço

POR Redação Whow! | 02/06/2021 12h27

Cada dia que passa, os brechós estão conquistando os corações dos brasileiros. O que antes era visto com maus olhos, hoje já está tomando grande proporção na nossa economia. Afinal, práticas sustentáveis e economia estão cada vez mais em pauta hoje em dia, e o brechó consegue unir as duas. São inúmeros os benefícios dessa forma de comércio. Ficou interessado? Então continue a leitura e confira mais a respeito dessa prática que tanto cresce no nosso país.

Mercado dos brechós cresce cada vez mais

Segundo um estudo realizado pela Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, desde 2015, as compras realizadas em brechós aumentaram drasticamente. A pesquisa aponta que o maior público se concentra em mulheres de 18 a 25 anos, com renda de até 5 salários mínimos e que estão cursando o ensino superior.

Estas informações demonstram que quem decide vender e comprar roupas usadas no Brasil, ainda são, majoritariamente, pessoas que precisam economizar ou garantir uma renda extra. Ou seja, a prática de vender vestimentas usadas, além de auxiliar diversas pessoas a gastarem menos para adquirir os looks que desejam, ainda permite o surgimento de novas empreendedoras.

No entanto, cada vez mais o público em geral, passam a optar por brechós para buscar roupas para compor seu guarda roupa. A cultura de comprar roupas em brechós é algo novo no Brasil. Durante muitos anos, as peças eram enxergadas como roupas surradas, sujas ou fora de moda. Porém, hoje em dia as pessoas estão deixando o preconceito para trás, e estão cada vez mais consumindo essas peças usadas.

Além disso, é válido ressaltar, que assim como a população foi perdendo o receio de investir nessas peças, o próprio comércio de roupas usadas também passou a ser mais profissional.  Hoje em dia, os brechós estão cada vez mais organizados e com diversas opções de itens. Ainda possuem aqueles que contam com peças mais usadas, mas muitos já contam com roupas praticamente novas, usadas pouquíssimas vezes, e com o preço muito mais em conta do que novo na loja.

Dessa forma, os clientes de lojas de roupas usadas, conseguem construir seu próprio estilo de looks, sem necessariamente gastar muito. Algo que sempre foi um empecilho para muitos brasileiros.

Moda sustentável e a ressignificação de valor das peças 

A sociedade, de maneira geral, passou a se preocupar cada vez mais com o meio ambiente. A consciência a respeito da quantidade de água que é gasta para tingir uma única peça, e os poluentes emitidos pelos processos de confecção, fazem muitas pessoas repensarem a respeito do comércio das suas roupas. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), são gerados 175 mil toneladas de resíduos por ano, para a produção de roupas no Brasil. Além disso, emite cerca de 10% dos gases-estufa.

Da mesma forma, segundo os dados da Organização das Nações Unidas, a indústria têxtil é a segunda em consumo de água. Além de também despejar 500 mil toneladas de resíduos por ano nos oceanos. Somente a indústria têxtil gera, anualmente, cerca de 175 mil toneladas de resíduos no país, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit). Não à toa, cada vez mais as pessoas estão antenadas ao que vestem, pensando em um consumo mais consciente.

Afinal, roupas sem utilidade também poluem o meio ambiente. Portanto, ao reaproveitá-las, também estamos praticando reciclagem. Todavia, uma moda sustentável vai além de apenas práticas a favor do meio ambiente. É preciso também refletir sobre o processo de confecção das roupas.

Principalmente, a respeito das condições de trabalho dos empregados das empresas de confecção. Visto que muitas marcas de roupa já foram denunciadas por trabalho escravo. No Brasil, empresas famosas como Zara, Animale, M.Officer, Renner e Gangster já tiveram denúncias.

A nova era dos Brechós: estilo e autenticidade

Além de serem uma boa forma de consumir roupas de maneira sustentável, os brechós também auxiliam no estilo e autenticidade dos consumidores. Isto se dá, pelo fato de que esse tipo de empreendimento passa a ter cada vez mais opções de itens, e com preços mais em conta do que aqueles encontrados nas lojas tradicionais. Assim, possibilitam que os clientes conquistem de maneira mais fácil, o seu próprio estilo e autenticidade, sem precisar gastar muito para isso.

Aumento na procura de brechós na pandemia

Assim como outros segmentos, os brechós também tiveram alta de procura em meio a pandemia. Uma vez que a população brasileira está enfrentando crise financeira, muitos passam a apostar em alternativas mais baratas para consumo. E é aí que o comércio de roupas usadas ganha ainda mais força. Já que permitem não só o benefício para quem compra, mas também acaba virando uma alternativa de empreendimento para muitas pessoas que estão desempregadas.

Sob o mesmo ponto de vista, cresceram também, o número de brechós online. Visto que o comércio online tem ganhado cada vez mais espaço na economia mundial, muitos empreendedores passam a apostar nos canais digitais para conquistarem seus clientes. Até porque, o uso de brechós online junta dois fatores essenciais para esse momento que vivemos. O primeiro é a economia, algo que o comércio de roupas usadas possibilita.

E o outro é a possibilidade de comprar mesmo sem o consumidor precisar sair de casa. O cliente pode pesquisar os produtos que mais o atraem, e ainda tirar dúvidas com a loja, diretamente pelas plataformas digitais. É unir o útil ao agradável.

Assim, como qualquer outra forma de consumo, precisamos ficar atentos a respeito dos processos de fabricação das roupas que consumimos. Afinal, a indústria da moda, além de poluir muito, ainda é uma das que mais tem denúncias de trabalho escravo.

Já passou da hora de prestarmos atenção a respeito dos impactos causados pelos nossos hábitos de consumo. Portanto, além de tentar conhecer as condições de confecção das peças de roupas que utilizamos, vale a pena investir num consumo mais consciente, com o dos brechós. Quer ficar por dentro de vários conceitos e inovações do mundo empresarial? Então assine a nossa newsletter e receba conteúdos gratuitos todos os dias!