Biohacking é tendência para 2020 no Vale do Silício - WHOW
Eficiência

Biohacking é tendência para 2020 no Vale do Silício

Muito além do café bulletproof, o biohacking eleva a vida humana para um novo patamar. Para CB Insights, é um dos movimentos mais importantes de 2020

POR Carolina Cozer | 31/01/2020 09h00 Biohacking é tendência para 2020 no Vale do Silício (Foto: Shutterstock)

Popular no YouTube, o termo ‘biohacking’ mostra uma série de vídeos de pessoas ensinando técnicas DIY (“faça você mesmo”). De cafés turbinados com manteiga a coaching quântico, há uma enorme quantidade de informações que podem confundir o entendimento da terminologia, que tem raízes na biologia e cibernética.

De fato, muitos cientistas do meio recomendam técnicas dietéticas como jejuns ou ingestão de sucos específicos para melhoria de funções biológicas. Contudo, a ciência de hackear o corpo humano vai muito além do que é visto em vídeos caça-cliques nas redes sociais.

Cidades inteligentes? Não, corpos inteligentes

Biohacking (Foto: Shutterstock)

O movimento biohacker está relacionado com as práticas de modificação corporal com finalidades evolutivas. Por exemplo, entre os participantes do movimento, já foram observadas injeções de DNA geneticamente modificado, implantes de imãs nas mãos, aplicação de colírios para desenvolvimento de visão noturna, interfaces cérebro-computador, roteadores WiFi subcutâneos, sensores corporais que ligam e desligam as luzes de casa, dentre outros.

Os hackers biológicos estão mais para uma espécie de IoT humano do que um simples lifestyle moderno e controlado.

Segundo o dicionário Merriam-Webster, o termo biohacking se refere à “experimentação biológica (como edição de genes ou uso de drogas ou implantes) para melhorar as qualidades ou capacidades de organismos vivos, especialmente por indivíduos e grupos que trabalham fora de um ambiente tradicional de pesquisa médica ou científica.”

Biohacking (Foto: Shutterstock)

Grinding

Biohackers que alteram o próprio corpo através do implante de dispositivos cibernéticos. Grande parte dos Grinders desenvolvem e implantam seus dispositivos de modo amador e autônomo — o que veio a causar um alerta na comunidade científica.

Biologia DIY

Vertente da biologia que estuda a inovação tecnológica de baixo custo aplicável ao corpo humano. Também é conhecida como “biologia de garagem”, por ter emergido através de experimentos caseiros.

Nutrigenômica

É na nutrigenômica que entram as modificações corporais feitas através de alimentos ou suplementação. São desenvolvidos com base nos estudos entre o genoma humano e suas relações com a nutrição individual e saúde.

Quantified Self

Método de coleta de dados sobre si mesmo, para análise e aprimoramento pessoal. Exemplos: aplicativos ou wearables de monitoramento do sono e desempenho esportivo. 

Biohacking Radical é tendência para 2020

Biohacking (Foto: Shutterstock)

Tanto o relatório do CB Insights quanto da Gartner, sobre tendências tecnológicas para o futuro, apontam o biohacking entre os movimentos mais importantes. O Cb Insights, inclusive, indica como tendência já para 2020.

De acordo com o CB Insights, o hacking biológico cativou o Vale do Silício, mas sua popularidade está se espalhando para além dos bilionários da tecnologia; está se tornando mais global, comercializável e até mesmo mainstream.

Validade científica é questionável

Graças à constante divulgação dos benefícios do biohacking no Vale, os procedimentos estão ganhando motivação entre doentes crônicos. A demora nos testes e resultados clínicos criaram expectativas dentro de pacientes em busca de cura, que veem no transhumanismo um meio de modificar a própria realidade.

Contudo, alguns dos métodos populares foram desenvolvidos de modo amador, na própria casa dos Grinders. Logo, sua validade científica é questionável, e podem colocar a vida dos indivíduos em risco. 

De acordo com o relatório, a comunidade médica pediu cautela aos experimentadores de biohacking em 2019, após a ocorrência de casos graves envolvendo transfusões de sangue e fezes. Segundo eles, houve o registro hackers com severas infecções após transfusões inseguras.

algartech patrocinio


+FUTURO

Conheça as tendências em inteligência artificial para o setor da saúde em 2020
Cientistas combinam IA com biologia e criam os primeiros robôs vivos
Tecnologias holográficas: o que podemos esperar no futuro?
Tendências e o futuro da Internet das Coisas