Automação assertiva traz baixo esforço e alto retorno - WHOW

Tecnologia

Automação assertiva traz baixo esforço e alto retorno

“Deixe as atividades simples para os robôs e as mais complexas para os seres humanos. Não faça o inverso”, diz Roberto Dariva, diretor Geral da Code7

POR Nayara de Deus | 19/03/2021 18h01 Imagem: Shutterstock Imagem: Shutterstock

Casos de empresas que fizeram escolhas duvidosas na hora de decidir por implementar soluções de automação em seus atendimentos não são raros. O erro mais comum: não olhar para dentro delas mesmas antes de considerar a solução que melhor as contemple.

“O sucesso começa no estudo dos processos de interação com seus consumidores e o entendimento dos objetivos da empresa para a adesão das soluções. Há dois pontos aí que precisam caminhar juntos: a facilidade de implantação em tempo curto e menor investimento, com o potencial de retorno”, explica Roberto Dariva, diretor-geral da Code7, empresa especialista em relacionamento e engajamento de clientes.

O que volta com a automação

O retorno vai para além da experiência demandada pelo consumidor moderno, cada vez mais exigente. O executivo lembra que a excelência da automação também precisa oferecer vantagens às próprias companhias.

“O objetivo é também a redução de custos. Por isso, o esforço precisa ser no sentido de que as atividades simples sejam dos robôs, e as mais complexas, dos seres humanos. Para que o bot vá se aprimorando. Jamais o inverso”, diz.

Mas como funciona?

O conceito da “curadoria” faz com que o trabalho humano atue em benefício do desenvolvimento dos bots.

“O atendimento automatizado é como um ser vivo. Começamos com um robô respondendo a perguntas simples. Com a Inteligência Artificial (IA) ele passa a assimilar respostas para perguntas aproximadas. Com eventuais correções humanas passa a entender que, quando tiver 90% de certeza sobre respostas que não constavam em um banco de dados, pode tomar as decisões sozinho. Resultado de uma boa curadoria aplicada”, explica.

Bons cobradores

Foi com alto nível de IA e curadoria envolvida que a Code7 desenvolveu robôs capazes de fazerem cálculos e negociações outrora inimagináveis.

“Temos um cliente que agora resgata cerca de R$ 500 mil/mês com a cobrança de inadimplentes usando a Boteria, estratégia 100% digital. Opção certeira em situações em que a cobrança precisa ser feita, mas, o ticket médio é muito baixo e contratações custariam muito mais caro que o próprio retorno”, reitera.

Bons “despertadores”

Algumas soluções de automação da Code7 foram usadas dentro de casa.  O time da empresa descobriu um gargalo nas reuniões de apresentação de seus softwares para prospecção de novos clientes.

“A gente marcava as reuniões e cerca de 53% compareciam. Desenvolvemos, então,  um robô de voz que ligava horas antes pedindo pela confirmação de cada participante. Nosso número de presenças subiu para 87%”, compartilha.

E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


+ AUTOMAÇÃO

8 tendências para a comunicação digital
Os prováveis impactos da pandemia nas estratégias industriais de automação
Já ouviu falar do Tinbot, o assistente empresarial criado no Brasil?
Veja como a robô enfermeira trabalha nos hospitais