As dicas de resiliência e gestão de Rachel Maia - WHOW
Tecnologia

As dicas de resiliência e gestão de Rachel Maia

A CEO da Lacoste no Brasil fala sobre o que aprendeu em sua caminhada da periferia de São Paulo ao comando de uma das maiores grifes mundiais

POR Luiza Bravo | 13/08/2020 20h01

Rachel Maia nasceu na periferia de São Paulo. Filha de um funcionário da extinta Vasp, ela sonhava em trabalhar no mundo da aviação. Chegou a tirar licença para voar, mas acabou sendo obrigada pelo pai a abrir mão dos planos para fazer faculdade. Um ano depois de começar o curso de Ciências Contábeis em uma universidade particular, a frustração deu lugar à gratidão. 

Ela “se encontrou”, e antes de concluir a graduação, já era controller da 7-Eleven, rede de franquia de lojas de conveniência dos Estados Unidos, onde trabalhou por sete anos. Esse foi apenas o início de sua trajetória como executiva, que também teve seus percalços. Foi  sobre isso que a atual CEO da Lacoste no Brasil falou em sua apresentação no evento Locaweb Digital Conference.

Tecnologia e talentos

Rachel resumiu sua trajetória profissional e encorajou outras pessoas a alçar voos maiores. Capa da Forbes por mais de uma vez, ela contou que já foi vítima de discriminação racial, mas que isso nunca a abalou, muito pelo contrário: sempre a fez manter o foco na excelência de tudo que faz. “Aquilo que eu acredito e executo tem que ser excelente. Se não for assim, você se iguala à média do mercado”, disse. 

A resiliência foi um dos principais tópicos abordados em sua apresentação, que também passou por temas como tecnologia e gestão. Segundo ela, atualmente, é fundamental que os líderes sejam capazes de combinar conhecimento com ferramentas digitais e talento das pessoas:

“Na minha forma de gerir, eu conto, sim, com os livros, mas também ouço muito os outros e conto muito com a ajuda da geração Z. Eu tenho 50 anos de idade, e por isso é importante ser resiliente e contar com a colaboração dos mais jovens, que trazem esse aprendizado de forma muito mais dinâmica.”

Rachel Maia, CEO da Lacoste no Brasil

Para a executiva, a revolução tecnológica que estamos vivendo deve ser usada para aproximar ainda mais as pessoas, e não para substituí-las. Ela deu também um conselho para os gestores. “A tecnologia pode e deve ser usada a nosso favor, mas ela não deve eliminar os talentos que estão à nossa volta. Não esqueça de identificar os talentos para que a tecnologia possa ser bem aproveitada”, comentou.

Dicas da Rachel Maia para os líderes

De acordo com Rachel, o sucesso de qualquer projeto depende, antes de tudo, de planejamento. “Como responsável pela operação, se eu não planejar de forma eficiente, a execução vai ser ineficiente. Sonhar é espetacular. Planejar é necessário. Executar é a concretização”, reforçou.

O planejamento se torna importante em um momento de crise, como o que vivemos atualmente. Segundo ela, é fundamental que, em cada tomada de decisão, o consumidor seja colocado em primeiro plano, e para isso, nada melhor do que uma equipe diversa. “Devemos ser ecléticos, plurais, para atingir o que o consumidor almeja, fazendo com que ele se identifique conosco”, disse.

Otimista assumida, Rachel acredita que a crise atual é uma oportunidade para desenvolvermos a resiliência, e que não será capaz de definir o futuro do país. Enquanto tudo isso não passa, ela reforça sua principal orientação: continue aprendendo. “Conhecimento é poder, é a arte de saber viver bem naquele momento em que você está. Você pode ter momentos de fragilidade, mas ninguém é capaz de tirar o seu conhecimento”, concluiu. 


+LIDERANÇA

Como negócios digitais se fortaleceram em meio a pandemia
O que são negócios exponenciais?
20 motivos que levam as startups à falência
É possível desenvolver uma inovação e crescer no curto prazo?