As abóboras de Halloween podem gerar energia renovável - WHOW
Vendas

As abóboras de Halloween podem gerar energia renovável

O desperdício do legume chega a 990 mil toneladas nos Estados Unidos. Conheça a empresa da Inglaterra que decidiu aproveitar esse “lixo” para gerar energia limpa

POR Adriana Fonseca | 08/11/2019 10h00 As abóboras de Halloween podem gerar energia renovável Foto Julia Raasch (Unsplash)

A cada ano, 10 milhões de abóboras são cultivadas no Reino Unido, sendo que 95% delas são usadas como decoração no Halloween e, depois, boa parte (25%) é descartada no lixo comum, criando 18 mil toneladas de desperdício de comida. Essa quantidade poderia ser transformada, por exemplo, em 360 milhões de pedaços de torta. Nos Estados Unidos os números são ainda mais alarmantes: 990 mil toneladas do legume são desperdiçadas. 

No país europeu, algumas pessoas já dão um destino mais adequado à abobora do Halloween. De acordo com a organização não governamental Hubbub, 33% das pessoas que utilizam o legume na festa do fim de outubro cozinham o alimento depois e 19% dispensam as sobras em uma composteira, que transforma o lixo orgânico em húmus.

O uso excessivo de abóboras nessa época alimenta o desperdício global de alimentos, que é de 1,3 bilhão de toneladas por ano, segundo a FAO, da ONU. Essa montanha de comida jogada fora totaliza aproximadamente US$ 680 bilhões nos países industrializados e US$ 310 bilhões nos países em desenvolvimento.

energia Foto Federico Beccari (Unsplash)

Inovação com abórboras

Além do desperdício, a decomposição das abóboras preocupa os ambientalistas, pois é um processo que emite metano, extremamente nocivo para o clima, pois pode causar desequilíbrio no efeito estufa.

Em vez de criar emissões, as abóboras (assim como outros resíduos) poderiam ser transformadas em energia por digestão anaeróbica, onde os microorganismos são usados para decompor os resíduos orgânicos em um tanque selado a ar que é aquecido para acelerar o processamento.

O biogás resultante pode ser usado para gerar eletricidade que alimenta casas, move veículos e produz calor.

É isso o que faz a Andigestion. A empresa responsável por reciclar 34 mil toneladas de restos de comida do condado de Gloucestershire, no sudoeste da Inglaterra, todo ano se incumbiu de incluir em seu processo de reciclagem as abóboras que são descartadas no Halloween.

Através de um processo de digestão anaeróbica, a empresa transforma os restos de abóbora em energia limpa, verde e ecológica para cerca de duas mil residências locais, produzindo biometano, que é alimentado na rede de energia. O subproduto do processo – um fertilizante líquido rico em minerais – é usado pelos agricultores locais como uma alternativa sustentável aos fertilizantes químicos intensivos em carbono.

“Muitas pessoas não percebem que o desperdício de alimentos de nossos pratos contribui para a criação de um combustível sustentável e ambientalmente amigável”

Luke Crisford, executivo de logística e comercial da Andigestion

energia Foto Antranias (Pixabay)

“Criar energia renovável a partir de resíduos de alimentos, em vez de enviá-los para aterros sanitários, é um resultado positivo e benéfico para todos”, duz Crisford.

Para facilitar a coleta das abóboras, a empresa instalou pontos de reciclagem específicos para esse fim em centros comerciais. 

Em um alerta sobre o problema, o Fórum Econômico Mundial também dá outras alternativas para o descarte das abóboras, indo desde receitas para se fazer com o legume até cervejas artesanais. 

O desperdício alimentar é um problema global e há empresas que veem nessa questão uma oportunidade de negócio, como a Andigestion.

É também o caso da Fruta Imperfeita, fundada em 2015. A empresa seleciona frutas e legumes fora do padrão do mercado (“imperfeitos”) nos sítios de pequenos produtores e incentiva o comércio desses alimentos. Assim, ao invés de serem descartados, os alimentos vão para a cozinha das pessoas.


+ ALIMENTOS

Conheça as 10 tendências para alimentos em 2020
Leite à base de repolho e abacaxi: a próxima promessa da NotCo
O que as foodtechs têm a ver com a nossa saúde?
Alimentação feita com dados: por que não?