Entenda a compra bilionária da MGM pela Amazon - WHOW

Consumo

Entenda a compra bilionária da MGM pela Amazon

Amazon compra MGM em uma transação bilionária: veja aqui os detalhes da fusão dessas duas gigantes do entretenimento e descubra o que muda após a compra

POR Redação Whow! | 01/06/2021 17h31

A  MGM, Metro-Goldwyn-Mayer, leão do mundo do entretenimento, foi comprada pela Amazon em uma transação bilionária: R$44,9 bilhões, segundo o site Deadline. Agora, o cardápio de streaming da gigante do comércio eletrônico, passará a contar com as franquias 007, Rocky Balboa, Pantera Cor-de-Rosa e Robocop. Assim, essa já é a segunda maior aquisição da história da Amazon: a primeira, em 2017, foi a compra da rede de supermercados americana Whole Foods, por 13,7 bilhões de dólares

Em suma, acredita-se que o movimento é uma tentativa de ambas empresas de não serem engolidas pela Netflix, que cresceu em proporções enormes. Neste conteúdo, entenda mais sobre a transação e o que muda após a compra. 

Amazon compra a MGM

Atualmente Amazon, possui cerca de 175 milhões de assinantes em sua base mundial. Porém, mesmo assim, ainda está atrás da Netflix, sua principal concorrente, que hoje conta com 208 milhões de usuários.  Nesse contexto, MGM e Amazon decidiram unir forças em um acordo milionário. Ou seja, diante disso, a Amazon busca a liderança no segmento. 

Além disso, com a fusão a empresa de streaming passa a ter a sua disposição um dos mais antigos estúdios de cinema de Hollywood.  Mesmo diante desses altos investimentos o foco da empresa segue o mesmo, a consolidação do seu e-commerce. Assim, passa a controlar grandes porções do comércio on-line e mais outros serviços web. Dessa forma, os assinantes da Amazon no streaming acabam consumindo outros serviços da empresa, como entrega mais barata e mais rápida.  

Polêmicas da fusão bilionária

Assédio moral e outros abusos já existiam em Hollywood antes mesmo da Amazon se tornar o que é hoje. Entretanto, o monstro do comércio eletrônico mundial tem um histórico de quebras de sindicatos e até mesmo acusações mais graves de seus funcionários. Adicione-se a isso alegações de racismo estrutural na empresa e preocupações com as violações da privacidade. 

Acima de tudo, essa movimentação econômica não passou ilesa no mercado econômico, social e político. O assunto foi pauta de discussão durante a assembleia de acionistas da Amazon na semana passada, com seu quase presidente-executivo, Jeff Bezos. Em resumo, políticos também se manifestaram diante da fusão bilionária.  A senadora Amy Klobuchar (Democrata), chefe do subcomitê antitruste do Judiciário do Senado, declarou publicamente o desejo de mais supervisão sobre essas fusões em grande escala.

Ainda sobre a aquisição, está um processo de antitruste aberto também no início da semana passada, pelo  procurador-geral Karl Racine, sobre a cláusula de “nação mais favorecida” da Amazon.  A cláusula proíbe varejistas terceirizados da Amazon de venderem seus produtos a preços mais baixos em outros mercados digitais. Segundo o procurador-geral, as táticas da Amazon têm o resultado final de inflar artificialmente os preços na Internet como um todo. Assim, também dificulta a competição para outros mercados. 

O que muda com a compra?

A MGM é atualmente propriedade de um grupo de firmas de private equity, incluindo Anchorage Capital Group, Highland Capital Management e Solus Alternative Asset Management. Com o acordo, a Amazon Prime Video contará com os 4 mil filmes e 17.000 séries da MGM, tornando-se uma forte concorrente da Netflix e outras plataformas. No entanto, a empresa ainda não esclareceu quando as propriedades da MGM entrarão no catálogo da Prime Video.

O catálogo da MGM

A MGM foi criada em 1924, nos Estados Unidos, pelo empresário Marcus Loew. Sediada em Beverly Hills, na Califórnia, é uma das produtoras de cinema mais antigas do mundo. O seu catálogo conta com produções marcantes como  como 12 Homens e uma Sentença, James Bond, Legalmente Loira, Robocop, Rocky, O Silêncio dos Inocentes e Tomb Raider.  Em relação às séries televisivas mais famosas, temos como Fargo, The Handmaid’ Tale e Vikings. O estúdio afirma ter acumulado 180 prêmios do Oscar e 100 Emmys. 

Basta apenas comprar a MGM?

A resposta é não. A Amazon ainda tem muito o que melhorar na entrega do seu serviço de streaming, em comparação à Netflix e a outras plataformas. Embora a interface seja agradável, o algoritmo da plataforma ainda precisa ser refinado. As sugestões, por exemplo, ainda não conseguem ser assertivas a ponto de deixar o usuário mais tempo no serviço.

Nesse sentido, o funcionamento da Prime Vídeo ainda é instável em outros dispositivos, como nas próprias smartTVs. O  resultado é a dificuldade em retornar, por exemplo, no último capítulo da série assistida.  Outro ponto importante está relacionado à organização dos títulos. Para assistir a um gênero específico, é preciso percorrer toda a página. Dessa forma, ou chega-se até ao final ou então até encontrar aos ícones de cada gênero

Pronunciamento da Amazon Studios

“A Amazon ajudará a preservar a herança da MGM e seu catálogo de filmes, e fornecerá aos clientes um acesso maior a estas obras. Através da aquisição, Amazon vai empoderar a MGM a continuar a fazer o que faz melhor: contar ótimas histórias.”, este foi o pronunciamento oficial da Amazon.

Já em um comunicado das duas empresas, ouviu-se que  “A MGM tem quase um século de história no cinema e complementa o trabalho da Amazon Studios, que inicialmente buscava produzir programas de televisão”.

Não sabe ainda ao certo qual será o rumo desse acordo. Porém, neste movimento de mercado, quem acaba sendo favorecido são os amantes de filmes e séries. Afinal, com tanta concorrência, sobra-se qualidade e opções. Até o momento da produção deste conteúdo, o negócio ainda aguardava aprovação da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, para continuar com o andamento do processo.  Gostou do artigo? Assine agora a nossa newsletter gratuitamente e fique por dentro de vários conteúdos interessantes de tecnologia, mercado e inovação!