Conheça as agetechs: startups a serviço dos mais velhos com novas tecnologias - WHOW
Eficiência

Conheça as agetechs: startups a serviço dos mais velhos com novas tecnologias

Saiba o que as startups estão fazendo para melhorar a qualidade de vida dos idosos, seguindo tendências altamente tecnológicas

POR Carolina Cozer | 26/12/2019 14h00 Conheça as agetechs: startups a serviço dos mais velhos com novas tecnologias Foto (Rawpixel)

Agetechs são as startups que trabalham atendendo aos problemas dos idosos através de tecnologia. O aumento do envelhecimento da população está se tornando uma preocupação crescente, e mais empreendedores estão buscando meios de oferecer atendimentos e serviços aos idosos de maneira economicamente sustentável.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), se espera que, em 2050, o número de pessoas com mais de 60 anos chegue a 2,1 bilhões. no mundo, quase um quarto da população mundial. Não apenas as expectativas de vida estão aumentando, mas as pessoas estão tendo menos bebês, o que aumenta a preocupação dos sistemas de saúde pelo mundo em relação aos problemas específicos voltados à qualidade de vida da população mais envelhecida.

O mercado de Gerontecnologia

O site The Gerontechnologist listou a presença de startups de agetech ativas nos seguintes segmentos do mercado:

Saúde

Independência

Cuidados cognitivos

Comunicação e sociabilidade

Atendimento domiciliar

Bem-estar

Planejamento sucessório

Profissionais de saúde sênior

agetechs Foto (Freepik)

Tendências para agetechs em 2020

O site aponta, também, que os mercados de saúde e bem-estar digital, realidade virtual e interfaces de voz (VUI) tendem a crescer nos próximos anos, com adoções tecnológicas que ajudam nos cuidados médicos, nas conexões sociais e também na educação e inclusão digital dos mais velhos.

Segundo um relatório do Pew Research Center, a maioria dos idosos têm uma percepção positiva da tecnologia, desde que a considerem úteis de alguma forma. No entanto, a maioria deles admite que precisa de ajuda para configurar e aprender a usar novos dispositivos.

Conheça abaixo quatro agetechs globais de destaque.

ElliQ, o robô amigo

A ElliQ é uma startup israelense que oferece um parceiro robótico para que idosos tenham um envelhecimento mais positivo. Trata-se de um dispositivo de comando por voz, simples e amigável, que ajuda na leitura e resposta de mensagens, no compartilhamento de fotos, agendamento de compromissos e lembrete de medicamentos. 

Mais do que um aplicativo, o ElliQ é um dispositivo inteligente, com ações proativas, pois sua inteligência faz reconhecimento do ambiente por ecolocalização, fazendo com que o idoso viva de forma independente por mais tempo e se sentindo menos sozinho.

A empresa levantou um total de US$ 22 milhões em financiamentos e ganhou o prêmio de inovação em robótica cognitiva no AI Breakthrough Awards 2018.

Matchmaking entre “netos” e “avós”

Localizada em Miami, a Papa é uma empresa de “netos sob demanda”, que surgiu para conectar estudantes universitários a idosos para companheirismo e assistência. A startup usa ferramentas digitais, como site, aplicativo e call center para “dar match” entre seus pares. Os “papa pals”, como são chamados os estudantes que trabalham no programa, podem ajudar seus “avós adotivos” em tarefas que envolvem companhia, transporte, ajuda doméstica, aulas de tecnologia ou assistência geral.

A empresa já captou US$ 13 milhões em financiamentos de Série A.

agetechs Foto (Freepik)

Birdie: tecnologia para a liberdade

Sediada em Londres, a Birdie desenvolve aplicativos facilitadores de cuidados preventivos para idosos, com foco na independência e na possibilidade de viverem sua velhice em casa. 

Os softwares da Birdie, atualmente, têm quatro recursos principais: gerenciamento de medicamentos, planejamento de tarefas, aplicativo de atendimento e aplicativo familiar. 

A Birdie foi criada em julho de 2017 e já arrecadou US$ 10,5 milhões em rodadas de financiamento.

Nectarine Health, a pulseira inteligente

A agetech sueca  Nectarine Health (anteriormente Noomi), criou uma pulseira inteligente capaz de transmitir, via nuvem, dados para familiares e cuidadores de idosos, fornecendo um localizador em tempo real, atendimento remoto ou atendimentos de emergência.

A pulseira é programada por meio de inteligência artificial, então é capaz de detectar imediatamente riscos e de queda e notificar os números de emergência. A longo prazo, o software é capaz de aprender com o comportamento do usuário, fornecendo tendências de saúde e outros tipos de alertas.

A empresa recebeu rodadas de financiamento que totalizaram US$ 12,6 milhões até o momento.

Ouça uma discussão com três especialistas do mercado 60+ brasileiro em Consumidor Moderno, site irmão de Whow!



+INOVAÇÕES

Os melhores locais de trabalho para os inovadores
O cliente não está mais no centro de tudo. E quem está no lugar dele?
Bactéria com DNA 100% sintético pode impulsionar novos tratamentos médicos

Conheça as principais barreiras para inovação na área de marketing
Veja os países mais inovadores do mundo