A robotização não vai substituir o trabalho humano: ela deve ser tratada como aliada - WHOW
Tecnologia

A robotização não vai substituir o trabalho humano: ela deve ser tratada como aliada

Segundo especialistas, em um mercado cada vez mais digitalizado precisamos estar abertos a abraçar o uso da tecnologia em prol da inovação  

POR Maíra Pilão | 12/11/2020 21h15 A robotização não vai substituir o trabalho humano: ela deve ser tratada como aliada Arte: Giovana Sorroche (Grupo Padrão)

A pandemia trouxe anos de avanço em transformações digitais em apenas alguns meses. O consumidor, e o mercado, estão cada vez mais digitalizados: só na América Latina, 37% dos consumidores já utilizam o recurso de voz para interagir com os dispositivos digitais, e 86% dos clientes acreditam que essa ferramenta agiliza as interações. 

Mas surge o questionamento: será que esse comando de voz dá, verdadeiramente, o controle ao usuário? Ao se delegar todas as atribuições mais repetitivas do dia a dia para as máquinas, há um futuro onde elas poderão ser capazes de substituir atividades complexas e criativas dos seres humanos? 

O painel “A Robotização da Vida versus  A Conexão Com O Que Nos Faz Humanos”, do Whow! Festival de Inovação 2020 uniu especialistas para debater este assunto. Ele contou com a participação de Marília Lobo, diretor de Estratégia e Inovação na Berlin School e colunista no Whow!, Reinaldo Sima, diretor de tecnologia e transformação digital na MRV Engenharia, Laila Costa, business strategy na Robbyson e Alexandre Cezilla, head de Digital na Suzano.

A verdadeira função dos robôs

Ao contrário da concepção popular, os robôs não surgem dentro do mercado empresarial para substituir a mão de obra humana. Eles entram como um adendo para dinamizar processos engessados e mecanizados que não são atrativos às pessoas. “Ninguém gosta de fazer trabalhos repetitivos, mas robôs gostam. Quantas coisas iguais ocorrem em um processo de atendimento com muitas pessoas? Esse é um momento maravilhoso para utilizar os robôs como ferramenta ampla de observação, usando os dados coletados por eles e analisando-os sob uma perspectiva que somente os humanos conseguem fazer”, conta Laila.

Reinaldo Sima complementa a ideia e explica a funcionalidade dos novos robôs: “Eles não vieram para substituir os humanos. As pessoas viram seus trabalhos ressignificados, agora são responsáveis por analisar essa tecnologia que atende a clientes de maneira mais rápida e eficiente”. 

O que nos faz humanos? 

O isolamento social impostos pela covid-19 foram, sem dúvida, um acelerador da tecnologia mundial. “Durante a pandemia nós aprendemos que muitas coisas que não poderiam ser feitas digitalmente foram realizadas e, às vezes, de forma muito melhor”, diz Marília. 

Porém, a pandemia também trouxe novas visões sobre as interações humanas: ela nos fez perceber que, mesmo isolados dentro de casa, o ser humano é comunicativo por natureza. A conversação faz parte de quem somos, e essa comunicação é uma das principais características que nos distingue dos robôs. Para Alexandre, a humanidade possui características impossíveis de serem copiadas: “O que é um ser humano? Temos questões que não podem ser copiadas: valores, crenças e sabedoria. Podemos hoje usar a tecnologia com autoconsciência para nos tornarmos mais produtivos e contribuirmos mais para a sociedade. A tecnologia é usada como um meio, não como um fim.” 

Em nome da inovação, precisamos estar constantemente dispostos a abrir os olhos para novas oportunidades. Encarar o avanço da tecnologia, e a consequente robotização de processos, como uma ameaça ao futuro da humanidade, é uma visão já retrógrada. Hoje, a tecnologia atua como nossa maior aliada para inovar em processos e produtos.

“Devemos estar abertos a quebrar barreiras naturais da sociedade para nos tornarmos mais receptivos à mudanças”, finaliza a gestora de business strategy na Robbyson.


+ROBOTIZAÇÃO

Robotização e automação mais próximas das pessoas
Do iFood ao consultório médico: como a inteligência artificial está mudando o mercado
Você conhece a Moxi, a robô enfermeira?
Bactéria com DNA 100% sintético pode impulsionar novos tratamentos médicos