A importância da inovação e da tecnologia voltadas para a saúde - WHOW

Tecnologia

A importância da inovação e da tecnologia voltadas para a saúde

De que maneira as inovações podem colaborar com a transformação do setor de saúde? Conversamos com a Hapvida para entender

POR Melissa Lulio | 26/11/2020 21h16 Imagem: Shutterstock Imagem: Shutterstock

A inovação é capaz de transformar os mais variados setores da economia. Com a saúde não é diferente: esse setor tão necessitado no Brasil depende da aposta de algumas empresas para que o cliente tenha uma experiência positiva, fluida, resolutiva. Mas como isso é possível?

Para entender como funciona a inovação na saúde, conversamos com o Gustavo Barros, vice-presidente de Assuntos Estratégicos do Sistema Hapvida, sobre a importância da inovação e da tecnologia voltadas para a saúde, sobretudo num contexto desafiador de pandemia.

Confira:

Inovações e tecnologias na saúde

WHOW!A inovação e a tecnologia formam um pilar muito importante para o Hapvida. Qual a importância desse pilar para um sistema de saúde?
GUSTAVO BARROS – É muito importante, tanto que a inovação é um pilar estratégico do Sistema Hapvida, como a qualidade, o acolhimento e a eficiência em custos. A inovação têm sido de certa forma precursora de muitas das nossas ações, como exemplo disso, temos um programa de formação de empreendedores chamado startup, um programa contínuo de preparação e treinamento da mentalidade do intraempreendedorismo, ou seja de abertura para inovação a todos os nossos colaboradores. Nós já começamos a colher dos frutos dos programas de inovação, exemplo disso está em uma startup incubada por uma adquirida nossa, o Grupo São Francisco, que trouxe grandes soluções na identificação biométrica de face e na detecção de presença. É importante salientar que o Sistema Hapvida trabalha inovação desde o seu nascimento, o próprio modelo de verticalização integrada que nós temos, que é um diferencial no mercado, foi uma inovação que fez que com que investíssemos em algo diferente daquilo que se praticava há alguns anos. Hoje, o nosso modelo verticalizado nos ajuda a garantir o atendimento de ponta a ponta, fazendo com que o nosso modelo seja referência de mercado, por meio da verticalização, conseguimos entender o cliente como um todo e atuar de maneira rápida e assertiva na melhoria da saúde do cliente.

W!Como a empresa está colocando isso em prática? Quais os projetos que representam essa inovação?
GB – O Sistema Hapvida trabalha inovação desde o princípio, então podemos usar como exemplo 1996, quando nós implantamos o primeiro sistema de identificação biométrica por impressão digital na área de saúde do país, esse sistema foi evoluindo, sendo aperfeiçoado de tal forma que ele atuou também na melhoria da experiência do cliente, todos os passos do atendimento dele e isso trouxe mais agilidade, maior aproveitamento de tempo para aquilo que realmente importa, o cuidado com a saúde. Outro ponto importante, foi o estudo detalhado da jornada do cliente, a partir deste estudo foi desenvolvido um aplicativo para trazer uma experiência mais fluida para o cliente, além da nossa participação frequente em eventos de inovação com ampla troca de ideias e experiências, outro detalhe seria o desenvolvimento de parcerias estratégicas com instituições de ensino, buscando estimular a pesquisa e uso da inteligência artificial aplicada à saúde, tudo isso tem sido um grande aliado nosso neste trabalho de inovação. Um outro exemplo deste constante trabalho de inovação é a nossa holding de tecnologia, a Maida Health, que englobam Haptech e Infoway, duas empresas que atuam fortemente neste mercado, e essa holding de tecnologia, por meio destas empresas já é uma referência nacional em inteligência artificial aplicada a saúde.

W! – Como a inovação/tecnologia contribuíram para enfrentar a pandemia?
GB – Na pandemia lamentamos todas as vidas perdidas, mas acreditamos também que é possível ver um lado positivo, quando a gente observa o número de vidas que nós conseguimos salvar por conta da forma ágil, criteriosa, cuidadosa e dedicada que temos tratado o assunto. Como exemplo, temos as soluções automatizadas de orientação ao paciente por meio de mecanismos de robôs e inteligência artificial e, a própria implantação que tivemos em tempo recorde de uma nova solução de telemedicina com base em uma plataforma multicanal, tudo isso nos permitiu agir com mais agilidade e atuando precocemente no diagnóstico do coronavírus, claro que tudo isso só foi possível porque temos nossos profissionais da saúde, são verdadeiros heróis e guerreiros incansáveis na busca de garantir saúde aos nossos clientes, tudo isso de forma acolhedora.

Valor agregado aos pacientes e próximos passos da Hapvida

W! – Como a inovação / tecnologia pode ser usada para uniformizar os serviços e a qualidade do atendimento?
GB – A altíssima integração que a gente tem dos sistemas seria o ponto de partida para isso. Ela só é possível em um modelo como o nosso, verticalizado e integrado, que garante um prontuário eletrônico único, onde a nossa equipe de médicos consegue conhecer todo o histórico de saúde do paciente. O estudo por meio de ferramentas avançadas aliadas a inteligência artificial nos ajuda a criar junto com os nossos médicos, protocolos mais seguros de tratamento, diagnóstico e recuperação mais rápida. A tecnologia nesse caso acaba sendo fundamental no processo de padronização e replicabilidade que nos permite um alto padrão de uniformização e o Sistema Hapvida tem a maior rede própria de atendimento, presente em todas as regiões do país e isso acaba trazendo os insumos necessários para isso.

W! – Como os profissionais da saúde estão sendo preparados para lidar com essas inovações?
GB – O treinamento é primordial, acreditamos que a preparação para isso tem que partir do treinamento, precisamos estimular os profissionais e o melhor estímulo que podemos trazer para eles é mostrar o benefício que a gente consegue levar para a saúde do nosso cliente, para além do treinamento e do estímulo, trabalhamos o conhecimento, nós passamos a inovar na forma de avaliar os nossos serviços, exemplo disso é o programa 5 estrelas, onde nosso cliente pode avaliar o atendimento que recebeu, ou seja, trabalhamos o reconhecimento em cima do que o cliente têm dado e não para por aí, também inovamos quando o médico têm a possibilidade de avaliar a forma como o Sistema Hapvida está atuando e isso nos faz buscar melhorias contínuas.

W! – E os pacientes? como fazer com que eles entendam, valorizem e incorporem os novos recursos?
GB – Nós temos que entender que o cliente de hoje cada vez criterioso, ele sabe bem o que ele quer, precisamos então  garantir entregar efetivas, estar sempre mostrando qual o benefício real que ele vai ter quando aderir o que disponibilizamos. Não há espaço para as empresas que atuam com ações de marketing invasivo, sem conteúdo. O cliente deseja aquilo que chamamos de experiência fluida, sem pontos de estresse. Precisamos entender o que de fato o cliente espera e conceber a inovação a partir deste ponto, e esse tem sido o grande segredo do sucesso das nossas inovações.

W! – Quais os próximos passos em termos de tecnologia e inovação dentro da empresa?
GB – Estamos ampliando mais o nosso programa de inovação aberta, fortalecendo e ampliando também os nossos programas de parcerias com instituições de pesquisas e sempre caminhando para um ambiente de total integração digital, com uma multiplataforma, onde o atendimento com o cliente seja ele pessoal, presencial, telefônico ou digital se integra.


+SAÚDE

Qual é o perfil das healthtechs do Brasil?
3 tendências sobre o comportamento dos consumidor para 2021
As healthtechs representam uma luz no fim do túnel para o setor da saúde?
A inovação é a cura que faltava para o sistema de saúde no Brasil?