A expansão do modelo de negócio de dark stores pelo Brasil - WHOW
Vendas

A expansão do modelo de negócio de dark stores pelo Brasil

A rede de farmácias Panvel e o Hortifruti Natural da Terra possuem oito e duas unidades neste modelo, respectivamente, e querem mais

POR Eric Visintainer | 19/02/2021 14h30 A expansão do modelo de negócio de dark stores pelo Brasil Foto ilustrativa (Shutterstock)

Mais de seis trilhões de dólares é a estimativa da empresa alemã especializada em dados de mercado e consumidores Statista para o valor que deve checar o segmento de delivery de comida até 2023 no mundo. E dentro deste perspectiva, 2020 foi marcado pela expansão das cozinhas fantasmas ou dark kitchens, como o portal Whow! mostrou antes do início da pandemia — instalações para a produção de comida vendida de forma online.

No entanto, outros setores estão investindo milhões de reais no Brasil, também no segmento de entrega, mas variam desde farmácias até produtos frescos. Este movimento na interação com o consumidor vai de encontro à estimativa da SAP sobre a forma de relação entre pessoas e suas marcas preferidas. A empresa apontou que, em 2020, 85% desta relação seria por canais digitais.

Economia de 96% no desenvolvimento de uma nova loja 

O Hortifruti Natural da Terra, empresa controlada pelo fundo suíço Partners Group, que realiza a venda de produtos frescos, com unidades no Rio de Janeiro e em São Paulo, observou o aumento da procura pelo mercado online no início da pandemia, uma vez que milhares de pessoas ficaram em isolamento social. Assim, a empresa decidiu pelo lançamento de duas unidades de dark stores no ano passado, uma em junho e outro no mês seguinte.

Elas foram inauguradas nos municípios de atuação da companhia e por coincidência ambas nas zonas nortes das respectivas cidades.

“Vimos que tínhamos algumas limitações para atender algumas áreas, bem como a necessidades de expandir para outras regiões para atendê-las com qualidade”, conta Thiago Picolo, CEO da empresa, ao portal Whow!. “Uma loja normal, precisa de três mil metros quadrados e custa R$ 10 milhões, além de demorar em torno de um ano. Queríamos andar mais rápido e a dark store foi uma forma de aproveitar a grande demanda do online e atingir outras regiões. Colocamos ela de pé em 45 dias, com um investimento em torno de R$ 400 mil.”

Thiago ainda pontua que a operacionalização fica mais fácil para a empresa e há economia em aluguel, uma vez que a localidade não envolve uma região de alta visibilidade. O CEO também comenta sobre um aprendizado nos oito meses de operação, a partir da primeira loja no novo modelo: “Uma das principais evoluções tem a ver com o marketing digital. Em uma loja tradicional, você paga para ter uma visibilidade dentro de um bairro. Já em uma dark store, ninguém sabe que aquilo é uma loja e a pressão fica em como conquistar sem a frente de loja.”

Entrega rápida

Já a rede de farmácias Panvel, parte do Grupo Dimed, atua com dark stores desde 2016. Focada na entrega em até duas horas e no aumento do volume de busca da população na internet, a empresa já conta com oito unidades (três em Porto Alegre, sendo esta a primeira localidade, uma em Canoas, uma em Caxias do Sul, a mais recente, uma em Pelotas, uma em Curitiba e uma em São Paulo), sendo a última lançada em janeiro deste ano com com o investimento total de R$ 3 milhões em 880 metros quadrados.

A empresa quer que a jornada do consumidor seja mais rápida e possa reutilizar a informações por meio das compras online. “Fechamos o ano de 2019 com 10% das vendas advindas dos canais digitais e este número chegou até 19% no meio de 2020, com o pico da pandemia”, conta Roberto Coimbra, diretor de operações do Grupo Dimed, ao portal Whow!.

Roberto também confirma que a rede de farmácias do Grupo vai receber mais quatro unidades ainda em 2021: “Temos o plano de criar mais novas dark stores, como em cidades com maior densidade na região sul do país.”

Futuro do segmento de dark stores

Para o CEO do Hortifruti Natural da Terra o modelo de dark stores será concentrado em negócios específicos, por exemplo, nos que combinam itens perecíveis e a necessidade de entrega rápida. “As dark stores são iguais às dark kitchens, algo para receber em até duas horas. Você não pediria um hambúrguer de Cajamar [município localizado na grande São Paulo e a uma hora do município] para entregar na sua casa [em São Paulo]”, comenta.

E o executivo do Grupo Dimed ressalta que este modelo de negócio será complementar para a estratégia da companhia, pois não funciona para todos os 100 municípios de presença da Panvel. “Vamos concentrar em grandes centros, mas em outros municípios teremos um modelo híbrido”, destaca. Ele acredita que este modelo de negócio aumentará pelo Brasil, com cada setor fazendo o uso da forma mais adequada para que assim, uma empresa possa usar toda a sua disponibilidade de estoque possível para que o consumidor não tenha atrito, seja em qual plataforma ele queira ser atendido.


+MODELOS DE NEGÓCIO

Matchmaking: o modelo de negócios que vai muito além do Tinder
Novos modelos de negócio na saúde: mensalidades para exames e consultas
Inovações nos modelos de negócios de empresas no Brasil
O que são negócios exponenciais?