A ascensão dos virtual influencers: será que engajam mais? - WHOW

Pessoas

A ascensão dos virtual influencers: será que engajam mais?

Já ouviu falar nos virtual influencers? Entenda sobre esses personagens e como eles podem ajudar na estratégia de marketing de uma empresa.

POR Dener Lippert | 21/02/2022 11h10

Você já se deparou com algum virtual influencer nas redes sociais? Um personagem que está presente na estratégia de marketing digital de uma marca, mas que na verdade não existe.

Pois é, esses influenciadores já são uma realidade para a estratégia de divulgação e presença online de muitas empresas. Por isso, explicamos mais sobre eles e como podem ser vantajosos para o fortalecimento de um negócio.

O que são virtual influencers?

Os virtual influencers são um fenômeno que vem conquistando cada vez mais espaço nas estratégias de empresas no ambiente virtual. O que chama a atenção é que estamos falando de personagens fictícios.

Assim, esses influenciadores são feitos de computação gráfica, mas possuem toda uma personalidade bem definida. Dessa forma, eles estão presentes nas redes sociais e
produzem conteúdo como os influenciadores humanos.

Esses modelos 3D agem como os influenciadores e ajudam a reforçar a imagem de uma marca. Eles são uma forma de interação com o público, e produzindo conteúdos de
qualidade para a própria empresa.

Nesse sentido, eles também colaboram com o posicionamento online da marca, de uma forma criativa e que pode gerar mais engajamento. Um grande exemplo de virtual influencer é a Lu, personagem criada pelo Magazine Luiza.

Portanto, os digital influencers podem ser criados de acordo com uma personalidade desejada, com características e histórias próprias. Por isso, podem facilmente se parecer com o público-alvo da empresa. A marca possui liberdade de criação que não acontece com um influenciador humano, que já possui seu posicionamento, gostos e estão passíveis de erros. A empresa possui um leque de possibilidades para criar algo condizente com suas estratégias.

Mas claro, esse influenciador vai precisar de toda uma equipe por trás para gerenciar seus conteúdos, definir as ações e planejar as formas de interação.

Entenda a força e inovação dos virtual influencers

A Lu do Magazine Luiza é, sem dúvidas, um dos grandes cases de influenciadores virtuais no país. Atualmente, ela conta com mais de 5 milhões de seguidores no Instagram.

Além de divulgar produtos e promoções, a Lu compartilha memes, fotos em pontos turísticos e por meio dos posts mostra um pouco do posicionamento e interesses.

Outras marcas também já aderiram a tendência e contam com seus próprios influenciadores. O Baianinho das Casas Bahia era um mascote que passou por algumas
reformulações e hoje é um influencer virtual.

Ele está presente no Instagram da marca, com mais de 3 milhões de seguidores, fazendo indicações de produtos e compondo posts interativos para o público.

Mas claro, além desses exemplos, informações de uma pesquisa da HypeAuditor mostram como essa estratégia dos influenciadores feitos de computação tem resultado no mercado.

Segundo os dados, os influenciadores digitais possuem uma taxa de engajamento quase três vezes maior do que um influenciador humano. Inclusive, os seguidores se engajam melhor com os conteúdos que os virtual influencers postam.

Além disso, 44,76% da audiência desses influenciadores é composta por mulheres entre 18 e 24 anos. Sendo também 14,64% de jovens entre 13 e 17 anos.

As vantagens de um virtual influencer para uma marca.

Agora que já sabemos como os virtual influencers são uma tendência forte no mercado, é preciso entender quais as vantagens que eles podem oferecer às marcas. Afinal, temos uma estratégia muito positiva.

Para começar, por ser programado, esse influencer pode se manter ainda mais fiel aos propósitos da marca, sem correr o risco de enganos em postagens ou erros em mensagens.

Com isso, a marca pode ter ainda mais segurança e rapidez na hora de trabalhar essas postagens. A própria empresa pode definir tudo sem precisar negociar com outras pessoas e pode conduzir toda a estratégia.

Ao mesmo tempo, por não contar com limitações humanas, eles podem até mesmo estar presente em horários distintos. Ou seja, o público tem a possibilidade de engajamento com essas figuras até em horários não convencionais.

Além de gerar um impacto positivo com sua presença, mesmo sendo algo totalmente virtual, com uma boa composição eles podem se tornar ainda mais realistas.

Com isso, a marca tem a chance de trabalhar com a identificação do público. Principalmente se esse influenciador tiver algo em comum e que converse com o público que a empresa deseja atingir.

Dessa forma, as chances de desenvolver uma conexão entre as pessoas e a marca são ainda maiores.

Ou seja, em casos assim, o virtual influencer ajuda no fortalecimento do branding. Com um personagem alinhado com o público e com boas estratégias de marketing, a imagem da marca pode se valorizar mais.

Sem mencionar que, além de movimentar as redes sociais, eles podem fazer uma boa divulgação dos produtos e até trazer mais tráfego para o site.

Então, com todas essas possibilidades, ao serem bem trabalhados, esses influenciadores podem trazer bons resultados, inclusive no Retorno sobre Investimento (ROI) da empresa.

Conclusão

Os influenciadores virtuais são personagens criados por meio de computação gráfica e que auxiliam nas estratégias de marketing de uma marca. Assim como pessoas reais, eles possuem preferências definidas, formas de se comunicar e se posicionar.

Dessa forma, são uma boa oportunidade para as marcas criarem uma relação com seu público, gerar engajamento e divulgar produtos.

Por meio de boas estratégias, o público pode até criar uma conexão maior com esses influenciadores, principalmente se existem formas de identificação.