5 inovações corporativas que falharam - WHOW

Consumo

5 inovações corporativas que falharam

Conheça algumas criações que fizeram história não por serem disruptivas, mas por terem sido grandes fracassos de tecnologia

POR Carolina Cozer | 24/02/2021 10h25 Imagem: Freepik Imagem: Freepik

Já diziam os empreendedores do Vale do Silício: “falhe rápido, mas aprenda mais rápido ainda”. Todos os ciclos de inovação são rodeados por fracassos de produtos, e compreendê-los é crucial para que as empresas e negócios sejam capazes de ser mais assertivas no futuro.

O CB Insights reuniu uma lista com as 160 maiores falhas de produtos de todos os tempos, e o portal Whow! separou cinco para guardar na memória.

DeLorean e Hoverboards

Sim, eles existiram ― ou tentaram existir ― fora do universo de De Volta para o Futuro. O famoso DeLorean, ou DMC-12, começou a ser produzido em 1981, e ficou famoso ao aparecer no famoso filme de ficção científica dos anos 80. Contudo, o modelo tinha graves problemas de segurança e seu desempenho era muito inferior a outros modelos equivalentes do mercado. A revista Time chegou a incluir o DeLorean em uma lista de 50 piores carros de todos os tempos. A produção encerrou pouco tempo depois, e a fabricante DMC não produziu mais nenhum outro modelo desde então.

Em 2015, em homenagem à chegada de Marty McFly no segundo filme da trilogia de De Volta para o Futuro ― que se passa em 2015 ―, diversas marcas tentaram reproduzir o skate voador do filme, mas falharam miseravelmente. Segundo o CB Insights, pelo menos oito marcas de Hoverboards foram recolhidas porque as baterias dos dispositivos pegavam fogo, fazendo com que companhias aéreas proibissem a comercialização do produto.

Celular do Twitter

Não foram somente o Facebook, a Amazon e a Microsoft que fracassaram no mercado de smartphones. O Twittertambém tentou criar um dispositivo próprio no ano de 2008, o Twitter Peek, que nada mais era do que um celular cuja única função era enviar e receber tuítes. O aparelho, contudo, era carregado de bugs, e muitas vezes não conseguia cumprir sua função ― além de limitar os textos enviados a apenas 20 caracteres. O Twitter Peek deixou de ser comercializado em 2012.

Pepsi azul

Em 2002, a PepsiCo tentou engajar um concorrente para a Vanilla Coke, uma versão da Coca-Cola saborizada com baunilha, e lançou uma edição saborizada com frutas vermelhas chamada Pepsi Blue. O produto recebeu altíssimo investimento e foi um fracasso, sobretudo por usar um corante controverso na composição, chamado Azul brilhante FCF, que é proibido em diversos países por ser um derivado de petróleo.

Google Allo

O Google tentou diversas vezes engajar redes sociais que pudessem concorrer com o Facebook, e fracassou em todas elas. Além dos finados Google+, Google Wave e Google Buzz, também houve uma tentativa de mensageiro de texto chamado Google Allo, que tentou conquistar usuários entre 2016 e 2018. Sem qualquer vantagem em relação aos concorrentes, e sem suporte para ser o mensageiro padrão em telefones Android, o projeto foi descontinuado após somente 50 milhões de pessoas terem experimentado o aplicativo.

Nexus Q

Essa ancestral da Alexa foi lançada em 2012 e era capaz de tocar playlists de músicas do YouTube na TV ou em alto-falantes. Apesar do design futurista, era um dispositivo extremamente limitado, pois reproduzia apenas conteúdos aprovados pelo Google. Com a ascensão do BlueTooth, dos cabos HDMI e os futuros streamings e smartphones, o Nexus Q não se sustentou, sendo arquivado apenas um ano após o seu lançamento, em 2013.


+INOVAÇÕES

Conheça as empresas mais inovadoras no Brasil e campeãs do Prêmio Whow! de Inovação 2020
As principais inovações do ano, segundo a Times
O campo da inovação na Raízen foca no relacionamento com as startups
Veja os próximos passos da inovação no Brasil