WHOW

5 hábitos que um líder deve evitar para manter sua credibilidade

Lideranca em tempos de incerteza 1

Seja você um empreendedor que é responsável pelos funcionários que trabalham na sua empresa ou um profissional que trabalha em uma empresa e é responsável pela gestão de pessoas, é importante saber que, ao ocupar uma posição de liderança, existem mudanças significativas em relação a quais são os seus direitos no cotidiano da empresa.

Cabe ressaltar que, com “direitos”, não estamos nos referindo a normas específicas, mas a atitudes que geralmente são permitidas ou pelo menos toleradas quando exercidas por algum funcionário de menor escalão, mas que acabam se tornando algo bem mais grave quando realizadas por um líder em função de seu cargo.

O livro “Exercendo Liderança”, de Pedro Mandelli e Antônio Loriggio, trata de diversos assuntos importantes para quem busca ser um líder de sucesso, como automotivação, proatividade, equilíbrio emocional, dentre outros.

Além disso, a obra traz alguns exemplos de comportamentos que passam a ser vetados para quem alcança uma posição de liderança.

Embora essa posição garanta poder e, geralmente, uma melhor remuneração, caso você queira ser respeitado e ser eficiente como líder e empreendedor, é melhor evitar a todo custo os seguintes hábitos e comportamentos:

  • O líder perde o direito de falar mal da empresa – Embora possa parecer um passatempo inofensivo quando dois funcionários da base da empresa falam mal da companhia de forma privada, apenas para expressar suas frustrações com coisas que não estão de acordo com o ideal que gostariam, o líder de forma alguma pode se permitir fazer comentários negativos sobre a empresa, pois afinal ele, em última instância, é a pessoa que representa a empresa. Isso não significa que o líder deve propagar a imagem de que a empresa é perfeita e ser incapaz de receber críticas ou fazer uma autocrítica, apenas que não deve boicotar a empresa fazendo comentários negativos sobre a empresa que representa, diminuindo a credibilidade da companhia.
  • O líder perde o direito de falar mal de pares e de outras áreas da empresa – Quando um líder se comporta dessa maneira, cria um ambiente em que é normalizado falar mal dos companheiros e de outras equipes como parte da cultura organizacional da empresa, levando a um comportamento disseminado nesse sentido. O ideal é criar um ambiente em que sejam estimuladas críticas construtivas e que as coisas sejam feitas de forma transparente, incluindo aqueles que são o foco dos problemas para chegar a soluções em conjunto. Do contrário, a tendência é que os diversos setores da empresa passem a colaborar cada vez menos e que se instaure um clima de caça às bruxas no sentido de culpar outros setores e outros funcionários pelos problemas da empresa.
  • O líder perde o direito de estar cansado – Como funcionário, às vezes você acaba exagerando no final de semana e acaba não tendo uma produtividade muito boa na segunda-feira, por exemplo, realizando as tarefas com uma velocidade menor do que a habitual. Como líder, você não pode se dar ao luxo de mostrar desânimo, cansaço e falta de energia, pois isso acaba refletindo no comportamento dos empregados. Um líder precisa, acima de tudo, liderar pelo exemplo. Se o exemplo que ele dá é de que não há problema em relação a não ter muito ânimo, mostrar cansaço, etc, os funcionários com certeza irão tomar aquilo como paradigma e irão se perguntar “por que devemos nos empenhar e trabalhar intensamente quando nossos líderes não parecem estar se importando?”, gerando um efeito cascata que irá refletir em todos os níveis da organização. Se quiser ser respeitado como líder, seja o primeiro a praticar tudo aquilo que prega, sem exceção.
  • O líder perde o direito de deixar para depois e ter um horário definido – Se às vezes, em função de ter chegado ao fim da jornada de trabalho, por exemplo, os funcionários têm o direito de entregar determinada tarefa depois, o líder geralmente não trabalha com um horário definido, dedicando quantas horas forem necessárias à empresa para que ela tenha sucesso e dê um retorno positivo. Suas horas de trabalho passam a ser ditadas não pelo disposto em lei ou em convenções trabalhistas, mas no quanto ele está disposto a sacrificar de sua vida pessoal para dedicar à empresa, sendo que muitas não se trata nem de uma opção propriamente dita, já que a própria sobrevivência da empresa pode estar em risco e depender da total dedicação do líder em muito momentos.
  • O líder perde o direito a ser passivo e de agir sem planejar seus passos – Para liderar, é imprescindível assumir uma postura proativa no sentido de assumir responsabilidades e pensar no futuro. Como funcionário, muitas vezes as pessoas podem apenas “seguir o fluxo” e fazer as suas tarefas sem se preocupar muito com os rumos da empresa. Na medida em que você assume um papel de liderança, precisa ter um planejamento bem mais refinado, antecipando possibilidades e caminhos que a empresa pode tomar, mantendo o foco nesse aspecto mais amplo sem deixar que as tarefas do cotidiano desviem sua atenção. Empreender, portanto, existe uma constante reflexão sobre o que pode ser melhorado na empresa, quais aspectos macroeconômicos estão afetando ou irão afetá-la, o nível de eficiência que seus funcionários apresentam, o histórico de vendas do produto ou serviço, usando isso como balizamento de que algo precisa ser alterado ou que determinada ação acabou dando certo, se o preço cobrado está sendo adequado e qual o nível de mark-up, estar sempre de olho no mercado, nos velhos e novos concorrentes e o que eles têm apresentado de novo, o nível de fidelização dos clientes e sua satisfação com o serviço prestado, dentre muitos outros aspectos, sempre pensando em como ler esses indicadores e quais ações precisam ser tomadas por cada departamento para melhorar os mais diversos aspectos da companhia.
Sair da versão mobile