5 dicas para quem quer trabalhar em startups - WHOW

Eficiência

5 dicas para quem quer trabalhar em startups

O ambiente ágil e descontraído das startups chama a atenção de muitos jovens, mas nem todo mundo se encaixa nesse perfil. Saiba mais com o CDO da Desinchá

POR Luiza Bravo | 14/08/2020 18h25 Imagem (Freepik) Imagem (Freepik)

Dress code informal, escritórios com espaços de lazer e maior abertura para expressar opiniões e sugerir soluções. O modus operandi das startups chama a atenção de muitos jovens atualmente, que buscam cada vez mais satisfação pessoal por meio do trabalho.

Apesar de parecer encantador, o dia a dia em uma startup não foi feito para todos. Se você deseja trabalhar em uma, é bom ficar atento às dicas que o CDO da Desinchá, Allan Winckler, deu no segundo dia da Locaweb Digital Conference.

O peso do dinheiro

Allan começou sua apresentação falando um pouco sobre sua carreira, que reúne passagens por várias startups. Segundo ele, um dos principais desafios dos CDOs e CTOs atualmente é entender o tipo de startup em que trabalha e como atuar nela no dia a dia. 

O dinheiro, apesar de importante, não é fundamental. Para ele, é possível fazer uma empresa dar certo mesmo com recursos escassos, desde que todos no time estejam dispostos a trabalhar juntos e a mudar de área de atuação sempre que preciso. “As startups vivem um turbilhão de mudanças tanto internamente, como no mercado. Pode ser até que seu produto mude no meio do caminho, e você precisa estar aberto a isso”, disse.

Uma startup que conta com mais recursos financeiros pode, por exemplo, se estruturar melhor antes de crescer, como aconteceu com a Dr. Consulta, onde Allan atuou nas áreas de IT e BI por cerca de três anos.

“Na Dr. Consulta, a gente só foi para a segunda clínica depois de testar tudo. O segredo é entender onde você está pisando, qual a sua situação para, aí sim, definir sua estratégia”

Allan Winckler, CDO da Desinchá

Quando o dinheiro é escasso, o jeito é focar no crescimento. Foi o que aconteceu na Desinchá, que desde o início investiu em marketing digital, vendas, B2B e B2C. Em menos de dois anos, a empresa pulou de cinco para mais de 120 funcionários, com escritórios em São Paulo e Belo Horizonte. 

trabalhar em startups Imagem ilustrativa (Unsplash)

1. Desapegue

Insistir em um projeto mesmo quando ele não se mostra promissor é um dos maiores erros que alguém nesse mercado pode cometer. “Você não pode carregar esse apego, seja a uma tecnologia ou a um projeto. Isso vale não só para startups, mas para todo mundo que trabalha com transformação digital. Hoje, os CTOs que estão fazendo transformação digital nas grandes empresas estão levando conceitos de startups e metodologias ágeis para essas companhias” destacou.

2. Seja proativo

Tenha autonomia para sugerir ideias e executar tarefas, assim como agilidade para errar e fazer correções de rota. “Uma boa experiência para ser um CDO, CTO, alguém que está levando transformação digital para uma startup é errar bastante. Erre muito, mas erre rápido, porque as startups não têm tempo. Assuma seus erros, dê a cara a tapa e seja rápido na tomada de decisões”, aconselhou.

3. Faça planos de curto prazo

“As coisas mudam muito rápido, então não pense em projetos de um ano, dois, três. Pense em projetos de um, dois, no máximo três meses, e em sprints de uma semana.” 

4. Coloque a mão na massa

A natureza ágil das startups exige que as equipes trabalhem de maneira horizontal. Por isso, todos precisam fazer de tudo. 

5. Meça números

 “Desde o D0, D1, meça tudo o que você puder da companhia. Os números vão te dar as respostas sobre quais tecnologias você vai ter que adotar. Esse direcionamento é fundamental em um mercado que, atualmente, conta com cerca de oito mil players no segmento de marketing digital”, concluiu.


+NOTÍCIAS

As dicas de resiliência e gestão de Rachel Maia
Conheça as startups mais bem-financiadas da América Latina e Caribe
Empreendedor conta como conseguiu US$ 11 milhões investimento para startup
15 termos de startups que todo empreendedor precisa saber; nível básico III