Inbound Marketing: 5 dicas fundamentais para uma boa estratégia - WHOW
Vendas

Inbound Marketing: 5 dicas fundamentais para uma boa estratégia

Pensando em melhorar o processo de marketing da sua empresa, trouxemos 5 dicas fundamentais para uma boa estratégia de Inbound Marketing.

POR Marcelo Almeida | 20/12/2021 19h47 Inbound Marketing: 5 dicas fundamentais para uma boa estratégia

O termo Inbound Marketing dá nome a uma estratégia de marketing focada em chamar a atenção de potenciais clientes por meio de conteúdos relevantes, sobretudo online.

Muitas vezes também é usado o termo marketing de atração para se referir a esse tipo de estratégia.

Como inbound significa um movimento de entrada, na direção interna de algo, essa estratégia se contrapõe ao Outbound Marketing, já que outbound traz um significado de movimento para fora.

Em resumo, enquanto no Inbound Marketing a empresa busca atrair o consumidor, chamar a sua atenção para que ele possa se tornar um lead e eventualmente levar a uma conversão, ou seja, levá-lo a se tornar um cliente e fazer uma compra, por outro lado temos o Outbound Marketing, que atende as necessidades do consumidor que, por sua vez, vai atrás de uma solução por conta própria e de forma proativa.

Pensando em melhorar o processo de marketing da sua empresa, o Whow! pediu à Math – empresa que busca oferecer resultados melhores e mais rápidos por meio das ciências exatas às empresas, combinando diversas experiências, equipes, tecnologia e processos – que formulasse 5 dicas fundamentais para uma boa estratégia de Inbound Marketing.

Confira a seguir!

Todo o processo de Inbound começa na Buyer Persona

Buyer Personas são representações semi-ficcionais de seu cliente ideal. Uma estratégia de marketing de atração deve ser baseada nos anseios, problemas e desejos de sua Buyer Persona, é impossível iniciar a estratégia sem ter construído a Persona. Esta etapa não deve ser confundida com o seu Público-alvo. Enquanto o último é muito baseada nas características psico-demográficas, as Personas são baseadas em nos padrões de comportamento, motivações e objetivos.

“A persona irá ajudar a compreender a dinâmica por trás da decisão de compra, já a Segmentação de clientes, nos ajuda a agrupar e direcionar mensagens e produtos. Não é errado dizer que uma Persona comporta N Segmentações, ou Target Market”
― Adele Revella (autora do livro Buyer Persona)

O timing importa muito na jornada de compra 

Jornada de compra é um processo ativo de investigação que um comprador realiza até uma compra. Entender onde seu conteúdo deve estar e qual mensagem deve ser feita em cada canal, pode ser fator crítico de sucesso, isso porque um conteúdo específico é mais relevante em determinados momentos da jornada de compra que em outros.

As pessoas gostam de comprar, não que vendam para elas 

Ao entende as necessidades do Buyer Persona, você tem a chance de criar um conteúdo extremamente útil para público. O jogo se inicia com a marca ajudando a resolver um problema, uma boa estratégia de Inbound não tenta vender o seu produto imediatamente. Na verdade, primeiro se cria uma relação útil e de confiança com o cliente, para só então sugerir seu produto. Este processo pode levar meses, ou minutos. Tudo depende do ciclo de uma jornada, com isso deixe o cliente ditar o ritmo.

Não adianta ter o conteúdo mais útil do mundo se ninguém souber disso na hora da compra

Muitas vezes vemos marcas apenas escrevendo em seu blog e esperando um tráfego que nunca vem. O conteúdo que vai atrair a persona, além de ser útil deve seguir técnicas de SEO (search engine optimization – Otimização para os mecanismos de buscas, para o Google). Mesmo com as melhores técnicas do mundo  conteúdo ainda vau demorar para ser encontrado, divulgar nas redes sociais com estratégias específicas para cada rede, além de adaptar a forma:

  • Crie variações de títulos de postagens;

  • Agende publicações em horas variadas, principalmente, no twitter;

  • Coloque pequenos trechos do artigo que chamem a atenção dos seguidores;

  • Inclua estatísticas;

  • Inclua imagens ou gráficos;

  • Encontre os influenciadores do seu mercado e faça com que eles compartilhem seu conteúdo.

Mas tome cuidado para não inundar o seu feed com propaganda, vale a regra do 411. Onde temos 4 conteúdos educacionais, 1 “soft promotion” (evento, por exemplo) 1 “hard promotion” (veja uma demo, por exemplo).

Se relacione com seu lead de forma personalizada e escalável. 

Ao se conectar com um lead com seu conteúdo seu processo de automação deve iniciar uma conversa onde cada conteúdo seja especificamente o que aquele lead gostaria de receber, mas ao fazer isso, não podemos sobrecarregar o time de Marketing para escrever uma peça de comunicação para cada lead, portanto personalização com escala é o motor que move a sua estratégia.

Portanto ao desenhar a sequência de comunicação deve pensar em como levar o lead para o final do funil, para isso entenda as formas de captura de lead, além de usar as comunicações devem para ter indicação de comportamento do lead (com isso o seu interesse).

Seu Lead pode mudar de segmentação ao longo do seu fluxo de nutrição. Se ele mostrar um comportamento mais propício a um outro produto, ou para a compra imediata, seu fluxo de automação deve responder a este anseio.

Durante este processo de comunicação personalizada seu conteúdo deve manter-se útil e no contexto correto, tomando muito cuidado para não parecer um robô. A pouco dissemos que não devemos vender o tempo todo, mas falar de você é diferente de vender, alguns argumentos para gerar confiança, empatia e autoridade devem ser ressaltados durante a automação.

Tenha sempre em mente levar o lead para o final do funil, o objetivo final de um processo de Inbound é vender!