Social commerce: o poder das redes sociais para gerar vendas - WHOW

Consumo

Social commerce: o poder das redes sociais para gerar vendas

A busca por novos consumidores está cada vez mais acirrada, é preciso buscar as mais variadas alternativas para alcançar o seu público alvo. Sobretudo, estar presente onde o cliente se encontra. Dessa forma, o social commerce poderá atuar como um grande aliado para o seu negócio. Da mesma maneira que o empresário tem que investir na […]

POR Redação Whow! | 28/04/2021 22h32

A busca por novos consumidores está cada vez mais acirrada, é preciso buscar as mais variadas alternativas para alcançar o seu público alvo. Sobretudo, estar presente onde o cliente se encontra. Dessa forma, o social commerce poderá atuar como um grande aliado para o seu negócio.

Da mesma maneira que o empresário tem que investir na sua loja física, também é preciso uma atenção com o seu e-commerce. Principalmente em tempos de pandemia, distanciamento social e medidas de restrições.

Nesse cenário, muitos lojistas têm apostado nas redes sociais para realizar vendas. Esta fórmula, que tem ganhado cada vez mais espaço, é chamada de social commerce e para entender melhor como funciona, leia o texto até o final.

Como as empresas têm usado o social commerce no Brasil?

Por meio de estudos e pesquisas sobre os novos hábitos de consumo da população, a grande parte das empresas entendeu que as redes sociais são grandes aliadas para readaptar o seu negócio.

No entanto, os lojistas que desejam começar a usar o social commerce, precisam se adaptar às linguagens e às características das redes sociais. O usuário recebe uma diversidade de informações e estímulos visuais diariamente, portanto mensagens claras e simples são mais eficazes.

Da mesma forma, é preciso entender as necessidades dos clientes e transformar isso em medidas para conquistá-lo. Nesse sentido, a aposta em diversas formas de contato, são muito eficazes para atrair novos clientes, como por exemplo comentários, mensagens e feedbacks.

Mas lembre-se, é necessário responder, pelo menos, grande parte das demandas que chegarem. Se não, ao invés de benéfico, será danoso para o seu negócio. Para que não tenha problemas, tente sempre atender os clientes de maneira rápida e humanizada. Solucionando as dúvidas de maneira objetiva e transparente.

Além disso, uma boa experiência de pré, durante e pós compra, garante consumidores satisfeitos. Podendo gerar possíveis fãs da marca.

Cases de sucesso

Grandes exemplos de empresas que estão obtendo sucesso nessa área são:

  • Magazine Luiza: a empresa, que sempre aposta em inovação, é um exemplo a ser seguido no social commerce. No instagram da empresa, é possível realizar compras de diversos itens de forma simples e rápida. E o cliente ainda conta com suporte via direct.
  • Quem disse, Berenice?: essa marca de cosméticos conversa de forma extremamente eficaz com o seu público alvo. Tanto a linguagem, quanto as imagens são muito bem trabalhadas. Além disso, também possibilita a compra dos seus produtos diretamente pelo instagram.
  • Amaro: outra que sempre aposta na tecnologia, a Amaro possibilita provar e comprar os produtos online. Suas redes sociais também permitem a compra direta, contando com imagens cativantes e inspiradoras.

Desafios e barreiras do e-commerce por redes sociais

Porém, nem tudo é tão simples. O social commerce ainda enfrenta alguns empecilhos para se consolidar no mercado atual. Apesar de sermos o segundo país que mais usa redes sociais no mundo, segundo uma pesquisa da empresa GlobalWebIndex, o Brasil ainda está atrás no uso profissional das redes.

Uma grande ferramenta que, cada vez mais, ganha espaço no mercado mundial como forma de propaganda, chama-se Marketing de Influência. Ou seja, o uso de influencers para alavancar vendas. Porém, ainda é uma área que precisa se desenvolver nas redes brasileiras.

Conforme uma pesquisa realizada pela Kantar IBOPE Media em 2020, 62% das agências entrevistadas encontram dificuldade em achar influenciadores com os objetivos e valores da marca.

Além disso, mais da metade delas acredita não possuir o conhecimento suficiente para planejar e mensurar os resultados dessa forma de campanha. Ao mesmo tempo, um terço das agências possuem alguma insegurança no retorno do resultado desejado e, para 13% ainda não é claro como eles podem se adequar às estratégias de marketing.

Portanto, na hora de investir em tal recurso, é preciso ficar atento ao impacto que estes profissionais irão gerar de fato. Investir em agências especializadas no assunto pode ser uma das maneiras de conquistar os resultados desejados da maneira mais eficiente.

Como será o futuro do marketing de influência?

Apesar disso, o cenário para o futuro do social commerce alinhado com o marketing de influência é animador. Assim como qualquer outra, o início desta área traz inseguranças e desconfiança. Porém, segundo a mesma pesquisa realizada pelo Kantar IBOPE Media, mais de 68% das agências entrevistadas acreditam que esse tipo de estratégia tende a crescer nos próximos anos.

No entanto, para 22% dos entrevistados, este mercado precisa se reinventar e trazer além de novidades e conteúdos relevantes, métricas detalhadas, profissionalismo e comprometimento com os anunciantes, para poder alcançar os objetivos desejados.

E como isso pode ser feito? É preciso buscar coerência entre o discurso da marca e o influenciador. Quais são as verdades que o influencer e a marca se assemelham? Onde se encontram os propósitos que ambos compartilham? A marca só consegue realizar um marketing de influência com sucesso, se o discurso está presente no influenciador.

Ainda mais em tempos que lugares de falas e posicionamento, são cada vez mais relevantes. Desta forma, as temáticas mais relevantes para a sociedade, estão sendo debatidas vigorosamente a todo momento. Nesse sentido, as pessoas passam a exigir um papel social e responsável tanto das marcas, quanto dos influenciadores.

Social commerce é a chave para o seu negócio!

Por fim, devemos considerar que como a sociedade vem se modificando, os negócios também precisam caminhar na mesma velocidade. Por exemplo, o uso massivo do celular passa a ser cada vez maior, e isso também passa a estar alinhado com as compras online.

Ou seja, o social commerce acaba se tornando uma das maneiras mais eficientes para que a sua marca conquiste novos clientes.

Apesar do Brasil ainda enfrentar problemas com o marketing de conteúdo, vale a pena investir neste segmento. Mas é necessário buscar profissionais qualificados e comprometidos com a marca.

Até porque influência se conquista e o influenciador não é apenas um mostruário. Ele  deve costurar a vida real juntamente com o posicionamento exigido da marca. Somente desta forma que teremos um mercado de social commerce sério e recompensador.

Gostou desse conteúdo? Então assine a nossa newsletter para não perder nenhuma novidade!