11 entregas da Rappi mais malucas no Brasil
Consumo

11 entregas mais malucas da Rappi no Brasil

A Rappi se orgulha de ser o único superapp da América Latina. Isso implica resolver de tudo. De tudo mesmo, de entrega de produtos a relacionamentos.

POR Raphael Coraccini | 24/09/2019 17h39 11 entregas mais malucas da Rappi no Brasil

A Rappi, empresa colombiana com forte atuação no Brasil, recebeu o formidável aporte de 1 bilhão de dólares do Softbank neste ano. O banco japonês está realmente interessado nas startups de logística da América do Sul. Para se ter ideia, no fim de 2018, já havia investido metade desse valor no iFood.

Além da quantidade de pedidos registrados na plataforma da Rappi, que soma cerca de 11 mil por hora, a capacidade de atender demandas das mais esquisitas mostra que a empresa está pronta para resolver quase tudo, desde a entrega de uma compra em uma loja qualquer até o reatamento de um namoro.

Em conversa com Fernando Vilela, head de Crescimento da Rappi, o Whow! descobriu alguns dos cases mais engraçados e excêntricos de pedidos feitos pela empresa, que se orgulha de ser a plataforma que entrega de tudo – de fato.

“Assumimos que somos o assistente pessoal do nosso usuário e isso envolve entregar mais que comida, começamos a virar algo que resolve dificuldades”
Fernando Vilela, head de Crescimento da Rappi

Confira os 11 casos mais excêntricos da Rappi no Brasil:

11. Trabalho de faculdade

Um aluno impossibilitado de ir à faculdade para entregar seu trabalho, chamou um entregador da Rappi para levar a encomenda até o professor. Motoqueiro em sala de aula e trabalho entregue. Terceirizar a entrega, ok… Só não pode terceirizar a produção.

10. Água de coco em Ipanema

Fim de semana de sol em Ipanema, Rio de Janeiro. Pouco espaço na areia. O cenário é recorrente, mas não para um entregador. O da Rappi recebeu a solicitação de um frequentador da praia para que recebesse uma água de coco durante seu banho de sol. Talvez tenha sido difícil achar o guarda-sol certo, mas a demanda foi realizada.

9. Balões 

Um motoqueiro em alta velocidade cruzando no meio dos carros. Evento rotineiro em qualquer cidade grande. Uma diferença neste caso é que a moto, desta vez, carregava sobre a cabeça do motoqueiro 50 balões coloridos. “Uma usuária da Rappi recebeu a missão de arrumar balões para que seu irmão improvisasse um cenário para pedir a namorada em casamento”, diz o head da Rappi. A entrega foi feita, mas poderiam ser flores em lugar de balões, não? Mais fácil.

baloes Unsplash

8. Um transporte para chegar a outro

Não, não se trata de pegar um ônibus para ir até o metrô. É o caso de você mandar um motoqueiro entregador da Rappi reservar uma passagem de ônibus de viagem. É isso mesmo! Sem tempo para ir até a rodoviária e ficar na fila?

7. Guardador profissional de fila

Pegar fila de ônibus de viagem é incomum, mas o Rappi registra vários pedidos de consumidores que recrutam o entregador para que ele dê o seu nome no restaurante e guarde lugar na fila até que ele chegue. Quando a comida não vai a Maomé, Maomé vai até a comida.

6. Companhia para um exame

Manhã em São Paulo, você tem uma endoscopia marcada. Chegando lá, descobre que não pode fazer o exame se não tiver um acompanhante para cuidá-lo caso algo aconteça. Segundo Vilela, esse foi um dos primeiros desafios fora da curva que a Rappi recebeu de um de seus early adopters. Um usuário recorreu ao delivery da Rappi para não perder o exame marcado e ter uma companhia durante a endoscopia. “Ele não quis acordar a mãe dele e não tinha uma namorada para acompanhá-lo. Chamou um entregador da Rappi”, conta Vilela.

sala de espera Unsplash

5. Representante de amigo

Um usuário no Rio de Janeiro pede que o entregador vá dar os parabéns a um amigo que ele não poderia encontrar naquele dia. Conforme o pedido, o motoqueiro chega na casa do aniversariante, cumprimenta-o e bate uma foto de recordação no lugar do usuário. É talvez o primeiro caso de representante de amigo…Muy amigo!

4. Passeio pelo Rio

Uma usuária precisou fazer a sua mudança depois de arrumar outro lugar para morar. Os itens não eram tantos que precisassem de um carreto, mas também não eram poucos a ponto de carregá-los na mão no transporte público. A solução: um Rappi entregador. Durante o trajeto, o entregador e sua cliente deram algumas voltas pela linda paisagem do Rio de Janeiro e ele também foi convidado para conhecer a casa da moça. Tudo registrado em vídeo.

rio edit Imagem: Unsplash

3. Resgate

Atrasado para o trabalho, quem não acaba levando algo de casa que não deveria, por distração? Ou pior, esquecer alguma coisa muito importante em casa? Pois é. Em Florianópolis, um homem conseguiu cometer esses dois enganos. No mesmo dia. Ao sair para trabalhar, esqueceu de deixar a chave para sua companheira. E esqueceu a companheira trancada em casa.

A mulher acionou um Rappi entregador que foi buscar a chave no escritório com o homem esquecido. O entregador abriu a porta e “libertou” a mulher. O entregador não ficou para ver como o casal resolveu essa pequena distração.

2. Despertador de bêbado

Em um casório em São Paulo, um casal de amigos, que apadrinharia os noivos, foi para a cidade na sexta-feira. Como ninguém resiste aos encantos das noites paulistanas, os dois resolveram antecipar um pouco a festa e beberam além da conta. No dia seguinte, a madrinha levantou cedo, um pouco atordoada pela noite anterior, mas em pé, e pronta para começar a se produzir. O padrinho, nem sinal de vida.

No cabeleireiro, sem conseguir falar com o seu par, a madrinha acionou a Rappi para tentar resgatar o padrinho da sua interminável ressaca. Ela pediu um Rappi entregador para ir até a residência dele, acordá-lo e lembrá-lo que um casamento estava prestes a acontecer. E ele precisava estar lá. “O entregador filmou tudo. Ele conseguiu convencer o porteiro, subiu até o apartamento, bateu na porta do padrinho e o levou a tempo para o casamento”, conta Vilela. Assim, o time de padrinhos não ficou desfalcado.

1. Cupido inesperado

Uma usuária pediu para o entregador ir até o local de trabalho do seu ex-namorado. Ela precisava entregar algo. “O entregador acabou se saindo um ótimo cupido disfarçado”, antecipa Vilela.

Durante a entrega, o motoqueiro se posicionou para tirar a usual foto de comprovação da entrega do item e deixou aparecer o ex-namorado da moça. Ela confessou seus sentimentos ao entregador, que passou a conversar, ao mesmo tempo, com o ex-namorado, que estava a sua frente, e com a moça, pelo celular. Resultado: o entregador resolveu as desavenças entre o casal e os dois voltaram a namorar.

O casal entrou em contato com a Rappi tempos depois para contar a história e revelar que agora havia um bebê.

Às vezes, os pedidos na Rappi são um carreto improvisado com direito a passeio pelo Rio de Janeiro. Outras, um aperto de mão de um amigo ausente ou uma companhia para um exame ou uma história de amor. E de vez em quando, é só comida mesmo.

love Unsplash

Já segue o Whow! no Instagram?


+ STARTUPS

Futuro unicórnio brasileiro tem vagas abertas
Startup hunter: o tradutor da inovação aberta para corporações e startups
Conheça as startups africanas que inovam no continente
Startup de BH torna mais fácil a gestão da remuneração
As facilidades criadas pelas healthtechs para programas de terapia