10 tipos de inovação para criar novos produtos e serviços - WHOW

Consumo

10 tipos de inovação para criar novos produtos e serviços

De acordo com a consultoria de inovação Doblin, a maioria das criações surgiram da combinação destas opções para inovar

POR Redação Whow! | 30/03/2021 19h00 Imagem: Unsplash Imagem: Unsplash

O braço de consultoria em inovação da Deloitte, a Doblin, que se utilizada de design, estratégia, ciência social e tecnologia para aconselhar os seus clientes a navegarem por cenários turbulentos, traz uma tabela com dez áreas nas quais os seus elementos auxiliam na inovação, com o desenvolvimento de novos produtos e serviços.

Após eximir mais de 2.000 inovações para negócios, a Doblin grupos estes dez tipos de inovação em três grandes áreas: Configuração, Oferta e Experiência.

Confira a lista completa na sequência.

10 tipos de inovação

Modelo de lucro

Neste segmento o objetivo da empresa está em como ganhar dinheiro. Mas nestes quatro primeiros tipos, segundo a Doblin, a inovação acontece sem uma grande publicidade. Como exemplos a consultoria aponta para maximizar as margens buscando alto volume, transações de grande escala quando os custos unitários são relativamente fixos, a venda muitos itens por apenas um dólar para impulsionar as compras por impulso em grande volume.

Também aparecem os modelos de inscrição e filiação, bem como de base instalada, na qual se ofereça um produto “essencial” por margens estreitas (ou até mesmo uma perda) para impulsionar a demanda e a fidelidade e, assim, obter lucro em produtos e serviços adicionais.

Network

Aqui o foco está em desenvolver conexões de rede com outros para criar valor. E entre as táticas destacas aparecem: aquisição para adquirir várias empresas no mesmo mercado ou mercados complementares, inovação aberta e parcerias complementares para aproveitar os ativos compartilhando-os com empresas que atendem a mercados semelhantes, mas oferecem produtos e serviços diferentes.

Estrutura

Neste tipo, o essencial é alinhar os talentos da companhia e os seus ativos. E para fazer isso, a Doblin destaca formas como sistemas de incentivos, com a oferta de recompensas (financeiras ou não financeiras) para motivar um determinado curso de ação, agrupar recursos, práticas e experiência em centros de suporte que aumentem a eficiência e eficácia em toda a organização, gestão descentralizar, padronização de ativos e até universidade corporativa para fornecer treinamento específico para o cargo ou específico da empresa para gerentes.

Processo

Em processo, a Doblin aponta a assinatura de métodos superiores para fazer seu trabalho como o foco deste tipo de inovação. Como exemplos, ela destaca as seguintes táticas: uso de produtos, processos, procedimentos comuns, e políticas para reduzir a complexidade, custos e erros; uso de um sistema de produção que possa reagir rapidamente às mudanças e ainda operar com eficiência; automação nos processos; e a produção sob demanda e enxuta.

Um outro ponto dentro de Processos que pode atrair o usuário para a inovação em curso é o colocar para trabalhar na criação e seleção de conteúdo que potencialize as ofertas, por exemplo.

Desempenho do produto

Nestas próximas duas áreas, o braço de inovação da consultoria global Deloitte, aponta para a necessidade de combinar áreas diversas para inovarem em conjunto. Aqui, especificamente, são importantes as características e funcionalidades distintas do que ser desenvolver.

Uma qualidade superior do produto com fácil formato de uso e que possua uma funcionalidade envolvente e segurança são aspectos a serem considerados neste tipo de inovação.

Sistema de produto

Produtos e serviços complementares são a chave neste tipo de inovação, segundo a consultoria. Pacote de produtos, que ofereçam várias opções à venda em uma combinação como um produto combinado, assim como a combinação de componentes distintos em uma experiência completa são alguns dos modelos possíveis para inovar.

Serviço

E nestes últimos quatro tipos de inovação, a consultoria as destaca como necessário ter muito cuidado ao lançar as ideias nestas categorias.

Em Serviço, o intuito está em dar suporte no serviço e trazer melhorias que cercam as suas ofertas. Uma destas formas está em fornecer um serviço premium, assumindo tarefas para as quais os clientes não têm tempo.

Canal

Aqui entra o contexto de como as suas ofertas são entregues aos usuários é vital neste modelo. E para inovar a Doblin indicar canais não tradicionais, com o uso de formas novas e relevantes para alcançar os clientes, bem como a criação de um ambiente digno de ser notado, mas temporário para mostrar ou vender ofertas.

E um centro de experiência também aparece como uma opção para se criar um espaço que incentive os clientes a interagirem com as ofertas e as compre por meio de um canal diferente — e geralmente de custo mais baixo.

Marca

Neste tipo o destaque fica em como a marca é representada, bem como as suas ofertas e negócio. Para inovar algumas formas nesta categoria são:  combinar marcas para reforçar mutuamente os principais atributos ou aumentar a credibilidade de uma oferta; ter um novo produto ou serviço amparada por uma marca existente; e permitir que os clientes vejam suas operações e participem com sua marca e ofertas.

Envolvimento do cliente

E por último, este modelo foca nas interações distintas que a empresa promove. Por exemplo, reduzir a complexidade e concentre-se em fornecer experiências específicas excepcionalmente bem; ajudar os clientes a obterem grande habilidade ou conhecimento profundo de alguma atividade ou assunto; conceder aos usuários o poder de usar suas ofertas para moldar sua própria experiência; e ainda facilitar as conexões para fazer as pessoas sentirem que fazem parte de um grupo ou movimento.

E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


+TIPOS DE INOVAÇÃO

Inovação pensada em conjunto: conheça o Programa de Desafios da BRF
Inovação e o mundo phygital no olhar da country manager da Wayra Brasil, do Grupo Telefônica
Muito além da cerveja: inovação na Ambev passa por investimentos em startups e joint ventures
Como a Nestlé usa a inovação aberta e tendências para se manter competitiva