10 passos para a real execução da inovação - WHOW
Eficiência

10 passos para a real execução da inovação

Relatório da Fundação Dom Cabral aponta passos que as empresas brasileiras precisam dar no caminho para inovar de forma duradoura

POR Eric Visintainer | 07/04/2021 13h44 10 passos para a real execução da inovação Arte (Grupo Padrão)

Como estruturar uma agenda de inovação nas empresas e conseguir apresentar resultados? Este é um questionamento frequente em empresas de todos os portes e mesmo antes do início da pandemia.

Isso é o que aponta um novo estudo da escola de negócios Fundação Dom Cabral, que foi compartilhado com o portal Whow!, baseado em estudos de casos de empresas brasileiras e experiência acadêmica nos cursos executivos e de pós-graduação da instituição de ensino superior.

O relatório também destaca a importância de mapear os principais obstáculos para organizar a execução da inovação, compartilhar os aprendizados obtidos com os “fracassos” cometidos e ter um ambiente propício em busca de novas ideias e incubação de soluções.

Veja na sequência as dez etapas descritas no estudo “Inovação como deve ser”, que contou com a participação do colunista do portal Whow! Hugo Tadeu.

10 passos para a execução da inovação

1. Propósito transformador 

O estudo da FDC aborda a importância de dar voz para os times internos das empresas, para que possam ser estimuladas e geradas ideias por quem está em contato diária com a base dos clientes. Assim, a liderança é aponta como o principal agente neste passo para retirar a sensação de medo daqueles que desejam contribuir como opiniões sobre novos produtos e serviços que a companhia possa desenvolver.

E esta atitude se desdobra no intraempreendedorismo nas organizações, que necessita de processo e ferramentas estabelecidas para o compartilhamento de ideias e testes de possíveis novas soluções.

2. Inimigos invisíveis do negócio

O monitoramento constante do mercado e as tendências para a sua evolução também aparecem como um outro passo para a execução da inovação.

A jornada e foco no cliente aparecem como pontos-chave neste tema. O estudo destaca o contato com especialistas de mercado e a criação de comitês estratégicos multidisciplinares como formas de abordar novos projetos. Além disso, é apontada a atenção para novas rotas tecnológicas, que criem cenários possíveis para a organização pensar mais do que apenas no negócio atual.

3. Estímulo à cultura da inovação

Neste ponto o relatório aborda o papel dos líderes em inspirar as suas equipes para o desenvolvimento de novos projetos, com o conhecimento das habilidades necessárias para que a execução da inovação não fique apenas no post-it.

4. Governança para inovação 

O quarto passo aponta para a gestão de equipes, orçamento, metas e resultados esperados nos projetos de execução da inovação em uma empresa. E assim se consiga demonstrar ganhos financeiros como já é costumeiro em outras áreas de uma organização.

Também aparece a necessidade do acompanhamento do ecossistema de inovação nacional e internacional.

5. Novos modelos de negócios

O intraempreendedorismo é novamente citado nesta categoria como forma de ideação e execução de novos modelos de negócio para a empresa, com foco no desprendimento das atuais ações da companhia no mercado e um olhar para novas receitas. E para que isso aconteça a recomendação do estudo é para a aproximação de novas empresas, como as startups, e de pesquisas em estágio avançado.

A antecipação de necessários futuros também é mencionada pela FDC no seu relatório.

6. Inovação aberta

Além da conexão com startups, a execução da  inovação aberta também uma estratégia que pode ser utilizada na conexão com universidades e até mesmo outras empresas tradicionais, com o intuito de criar novos negócios.

E a instituição alerta para a reflexão que uma empresa deve realizar para  compreender o por quê e para que se quer realizar uma parceria com foco na inovação. Também é destacado o nível de incerteza que tanto a inovação quanto as startups possuem pela sua essência de desbravarem novos cenários.

7. Estratégia e execução de projetos

A agilidade na tomada de decisão é coloca como crítica neste passo para a execução da inovação, segundo o estudo da FDC. Como orientação aparece o modelo “zoom in e zoom out”, no qual há a definição de projetos e recursos de curto prazo com o uso de roadmaps para a escolha dos novos caminhos possíveis.

Outro estratégia mencionada parte do princípio da análise do esforço necessário para novos projetos versus os possíveis ganhos que cada um poderá trazer. Assim, o foco principal estaria naquele de menor esforço para obter o maior ganho possível.

8.Estrutura adequada

O relatório aborda que é necessário dedicar uma área específica para a gerência de equipes, projetos, conhecimento e busca por soluções de negócio. E para compreender o nível de maturidade da inovação da companhia, é sugerido um diagnóstico nos seguintes temas: competências de gestão relacionadas a temas como a estratégia na execução da inovação, gerenciamento do portfólio de projetos, processos de ideação, quanto a senioridade da liderança, processos decisórios, colaboração entre áreas, recursos disponíveis e incentivos para novas ideias.

Caso resultado seja baixo, exista a indicação para a centralização na execução da inovação; em caso do nível intermediário, passa a adoção de comitês; e no modo avançado, uma descentralização da execução da inovação por toda a empresa.

9. Investimento e retorno

Nesta passo o relatório destaca a necessidade da participação da área jurídica para eventuais parcerias em prol da inovação na empresa, bem como para uma tese de investimentos. E isso acontece a partir do momento em que a empresa começa a realizar uma mudança da sua cultura interna.

No quesito dos investimentos, a FDC comenta sobre a importância do alinhamento e clareza neste tema para a contratação de serviços, ou a realização de fusões e aquisições. E isso levaria a empresa a atuar em novos mercados que ainda não eram abordados.

10. Metrificação

Se vão acontecer investimentos para a execução da inovação em uma companhia esta deve se atentar em como medir os seus resultados, como aponta o estudo.

Como parte do portfólio de investimento aparecem receita líquida para projetos inovadores, propostas de futuro e novas tecnologias e qualificação das equipes. Já no ponto sobre retornos são destacados reduções de custos dos projetos operacionais, novas receitas em produtos e serviços, novos clientes e impacto social.

E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


+EXECUÇÃO DA INOVAÇÃO

10 tipos de inovação para criar novos produtos e serviços
Você conhece a ISO da Inovação?
Inovação pensada em conjunto: conheça o Programa de Desafios da BRF
Empresas com laboratórios de inovação corporativa